Sistema ventricular cerebral: características e funções

O sistema ventricular é responsável por manter, proteger e estruturar o nosso cérebro. Além disso, contém líquido cefalorraquidiano, essencial para a preservação do nosso organismo.
Sistema ventricular cerebral: características e funções

Última atualização: 07 Junho, 2021

O sistema nervoso, esse grande chefe que vive dentro de nós, é composto por várias partes que interagem entre si e são responsáveis ​​por várias funções. Além disso, também possui sistemas que permitem o seu bom funcionamento, como o sistema ventricular cerebral, que curiosamente nada mais é do que um sistema de pequenos reservatórios que se comunicam entre si, algo como um ‘sistema de esgoto’.

Dentro do crânio está o encéfalo e, dentro dele, o cérebro. O sistema ventricular, composto por quatro ventrículos, está contido no cérebro. Esse sistema é responsável por manter, proteger e estruturar o nosso cérebro. Nem todos já ouviram falar desse sistema, mas a sua importância é primordial.

Ao longo deste artigo, faremos um passeio pelo sistema ventricular para definir em que ele consiste, distinguir cada uma das suas cavidades e funções e explorar algumas alterações relacionadas a ele. Vamos começar!

O que é o sistema ventricular cerebral e qual é a sua origem?

O conjunto de ventrículos cerebrais é denominado sistema ventricular. É um sistema composto por estruturas, como cavidades, conectadas entre si. O líquido cefalorraquidiano (LCR), um líquido transparente que banha o encéfalo e a medula espinhal, se origina e circula dentro delas.

O sistema ventricular se desenvolve paralelamente ao restante do sistema nervoso central, facilitando a circulação do LCR durante o processo. Por volta do dia 26 do desenvolvimento embrionário, a diferenciação do ventrículo óptico começa. Posteriormente, inicia-se uma evaginação na linha média do mesencéfalo, que mais tarde formará o aqueduto cerebral.

Corte frontal do cérebro

Por volta da 6ª semana de gestação, o desenvolvimento do forame interventricular começa, iniciando a formação dos plexos coróides dos ventrículos laterais. Em seguida, os sulcos e a segmentação tornam-se mais visíveis.

Posteriormente, há um crescimento da eminência ventricular medial e lateral e a forma esférica do ventrículo lateral começa a se assemelhar a um C. Assim, os cornos dos ventrículos laterais começam a se pronunciar. Além disso, um pequeno saco é formado no assoalho diencefálico, que será o 3º ventrículo. Enquanto isso, os sacos coróides do 4º ventrículo avançam em sua formação.

Finalmente, durante as semanas 7 e 8, os cornos terminam de se definir e a forma vesicular definitiva é constituída. A parte ístmica é comprimida pelo cerebelo em crescimento e inúmeras vilosidades se estendem na linha média.

Estrutura

O sistema ventricular é composto por quatro ventrículos interligados entre si por meio de canais e aberturas. Vamos ver cada uma das suas partes:

  • Ventrículos laterais (primeiro e segundo ventrículos). Eles estão localizados em ambos os hemisférios cerebrais e têm um corno anterior que é orientado para o lobo frontal e um corno posterior que é direcionado para o lobo temporal. Eles são conectados através do terceiro ventrículo pelo orifício interventricular de Monro. Eles têm a forma de um C e seu volume aumenta ao longo da vida.
  • Terceiro ventrículo. Consiste em uma cavidade achatada e fina que se localiza entre os tálamos e é atravessada pela comissura intertalâmica. Sua conexão com o resto do sistema se dá pelo aqueduto cerebral de Silvio. Possui duas saliências: o recesso supra-óptico, localizado acima do quiasma óptico, e o recesso infundibular, localizado acima da haste óptica.
  • Quarto ventrículo. Estende-se desde o aqueduto do mesencéfalo até o canal central da parte superior da medula espinhal. Seu assoalho é formado pela fossa romboide e se comunica com o canal central através do forame de Luschka e Magendie, de onde o LCR sai para o espaço subaracnóideo. Além disso, ele se conecta com as cisternas subaracnóideas que permitem que o LCR alcance o espaço subaracnóideo.

Ao atingir a medula espinhal, os ventrículos seguem pelo canal ependimal, uma cavidade que começa no final do quarto ventrículo e segue internamente pela medula até terminar na primeira vértebra da região lombar.

Funções do sistema ventricular cerebral

O sistema ventricular realiza diferentes tarefas, como veremos a seguir:

  • Produção de LCR. Essa é a sua principal função, embora a compartilhe com outras estruturas, como o espaço subaracnóideo.
  • Preservação do cérebro. O LCR ajuda a manter a homeostase cerebral interna, mantendo a pressão intracraniana adequada. Além disso, esse líquido ajuda a eliminar os resíduos, o que permite ao cérebro manter um ambiente adequado para o seu funcionamento.
  • Flutuação cerebral. Graças ao LCR, o cérebro fica flutuando, o que contribui para a redução do seu peso de cerca de 1.400 gramas para cerca de 50 gramas.
  • Defesa. O LCR nos permite nos defender contra agentes externos que podem ser perigosos para o nosso cérebro. Também aumenta o grau de proteção deste órgão contra traumas.

Distúrbios do sistema ventricular

O sistema ventricular pode sofrer alterações de vários tipos. Aqui estão algumas delas:

  • Hidrocefalia. É um distúrbio em que há uma superprodução de LCR. À medida que evolui, causa pressão intracraniana elevada e pode levar à atrofia do cérebro, distúrbios metabólicos e cognitivos, e até à morte.
  • Meningite. Consiste na inflamação das meninges devido a uma causa infecciosa e geralmente é desencadeada por vírus, fungos ou bactérias. Essa inflamação provoca um aumento da pressão intracraniana, dificultando a circulação do LCR e levando a sintomas como dores de cabeça, náuseas, sensibilidade à luz, febre e comprometimento cognitivo, entre outros.
  • Ventriculite. É a inflamação dos ventrículos cerebrais que aumenta a pressão intracraniana e altera a circulação normal do LCR e o correto funcionamento do sistema vascular. Pode ser acompanhada de hidrocefalia e provocar, entre outras patologias, encefalite ou inflamação do cérebro.
  • Alzheimer. Conforme a doença de Alzheimer progride, a deterioração dos neurônios e a sua morte aumentam, causando uma diminuição na densidade neuronal. O espaço desocupado pela subsequente diminuição de volume agora é ocupado pelos ventrículos, que se expandem progressivamente.
  • Esquizofrenia. Alguns estudos sugerem que as pessoas com esquizofrenia têm uma dimensão maior nos ventrículos cerebrais. De fato, Jordi E. Obiols e Marta Carulla, da Universidade Autônoma de Barcelona, ​​publicaram um artigo na revista Behavioral Psychology no qual sugerem que pacientes esquizofrênicos apresentam dilatação ventricular e diminuição cortical, o que poderia ser uma evidência de que esta doença começa desde o neurodesenvolvimento.
Idoso preocupado

Como podemos ver, o sistema ventricular cerebral constitui uma parte fundamental do nosso organismo, e seu mau funcionamento causa sérias alterações em nosso corpo.

Assim, nosso sistema ventricular é uma espécie de escudo que nos protege das adversidades. Além disso, faz todo o possível para manter o equilíbrio interno do nosso corpo e evitar agentes nocivos.

Pode interessar a você...
Líquido cefalorraquidiano: o suporte do nosso sistema nervoso central
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Líquido cefalorraquidiano: o suporte do nosso sistema nervoso central

O líquido cefalorraquidiano (LCR) é um dos principais fluídos do corpo humano. Sua função primordial é a de proteger o tecido cerebral e a medula e...



  • Bear, M. F. Connors, B. W., Paradiso, M.A., Nuin, X. U., Guillén, X. V. & Sol Jaquotot, M. J. (2008). Neurociencias: la exploración del cerebro. Wolters Kluwer/Lippincott Williams & Wikins.
  • Obiols, J.E., &  Carulla, M. (1998). Bases biològicas de la esquizofrenia: Aspectos neuroquímicos y neuroanatómicos. Psicología Conductual, 6(1), 5-27.