As sequelas do abuso sexual infantil em homens

junho 24, 2019
Embora gostemos de pensar que a nossa sociedade está muito avançada e que estamos superando muitos estigmas, no que diz respeito à questão do abuso sexual infantil em homens ainda estamos na etapa de identificar a real prevalência do problema.

O abuso sexual infantil em homens é um dos horrores mais distorcidos e silenciados da nossa história recente. Tanto meninas quanto meninos são vítimas, embora os números mostrem dados que merecem ser estudados e que, em muitos casos, são surpreendentes em termos negativos.

Um estudo realizado na Austrália estimou que um em cada onze meninos e uma em cada quatro meninas foram vítimas de algum tipo de abuso sexual quando eram pequenos.

Embora 97% dos agressores sejam homens, muitas das vítimas também são. Especificamente, 26% do total de vítimas de abuso sexual infantil são homens.

Pesquisas semelhantes realizadas nos Estados Unidos apresentam números muito parecidos, o que não deixa de ser inquietante. Muitas das vítimas de abuso sexual infantil arrastam essa experiência ao longo de suas vidas como um fardo que não são capazes de descartar.

Além disso, em muitos casos, o trauma afeta de maneira disfarçada: a pessoa não se sente bem, mas não consegue identificar por quê.

As mulheres estão emergindo progressiva e dolorosamente da cultura do silêncio pela qual esse tipo de abuso sexual está cercado. Mas as vítimas masculinas de abuso sexual na infância estão apenas começando a denunciar o que há muito tempo silenciaram.

Abuso sexual infantil em homens

A cultura do silêncio diante do abuso sexual infantil em homens

Para uma criança ou um homem adulto abusado sexualmente na infância, é tremendamente difícil falar sobre esse assunto. Os homens são levados a acreditar que estão destinados a uma posição de poder, e que os fracos são os dominados.

Aceitar o papel de vítima significa, para os homens, reconhecer uma profunda fragilidade, entrar num terreno emocional que, em muitos casos, ninguém lhes ensinou a explorar. Uma característica muito cruel da educação masculina que é inculcada nas crianças desde muito pequenas.

Quando um homem confessa ter sido vítima de abuso sexual, ele está expondo sua “masculinidade” ao ataque, à descrença e à dúvida em seu ambiente sobre sua orientação sexual. Desta forma, sua punição é dobrada.

Essas crianças frequentemente reagem ao abuso com descrença. Eles têm dificuldade em acreditar que “aquilo” realmente aconteceu com eles. A reação imediata é pensar que os outros também não acreditarão.

O poder do abuso sexual

O abuso sexual infantil em homens não é tanto uma questão de excitação sexual do agressor quanto um exercício de controle, humilhação e poder sobre a vítima.

Quando as vítimas são do sexo masculino, o fato também pode deixar uma ferida muito profunda em relação à sua identidade sexual, sua masculinidade e seus futuros relacionamentos amorosos. Estas são feridas muito difíceis de curar.

A violência sexual é muito mais do que a violência física. O abuso psicológico e o estigma associado a ter sido abusado são muito maiores do que a agressão física.

Entender que esse tipo de violência é uma questão de poder é fundamental para começar a entender quais são os danos reais e mais profundos gerados no abuso sexual infantil em homens.

O agressor sexual que exerce violência contra um menino joga com seu poder de adulto e sempre o faz na linha tênue da incapacidade da vítima de distinguir claramente entre sexo com ou sem consentimento.

Isso gera um sentimento de culpa na criança que transborda: para administrar o que aconteceu com ele, precisa de uma maturidade emocional muito maior do que a que tem. Daí o drama, daí o perigo.

Os horrores ocultos de um patriarcado feroz

Muitas pessoas ainda acham difícil entender que a violência sexual de homens contra homens é uma extensão da dominação patriarcal.

Em muitos casos, acreditamos que este é um sistema que dá poder aos homens sobre as mulheres, mas na realidade ele dá aos homens um poder sobre os mais fracos ou os mais indefesos.

Um jogo realmente perigoso que nossa cultura insistiu em esconder por muito tempo. Um sistema que devemos parar de combater por gêneros e começar a fazê-lo como seres humanos, porque tem sido absurdamente prejudicial tanto para homens quanto para mulheres.

Homem traumatizado por abuso na infância

As sequelas psicológicas do abuso sexual infantil em homens

As sequelas psicológicas sofridas pelos meninos que foram abusados sexualmente apresentam algumas características comuns às que são sofridas pelas meninas. A depressão ocorre quase imediatamente em ambos os casos, assim como os sentimentos de culpa e baixa autoestima.

A autoestima é muito danificada em todos os casos de abuso sexual. Quando o abuso não é exposto e continua a se repetir ao longo do tempo, os sentimentos de vergonha, sujeira, dor e desamparo se multiplicam. A criança vive em um mundo que não pode controlar e que a ataca sem que possa fazer nada para evitá-lo.

Se acrescentarmos a isso o fato de que, no caso das crianças, esses eventos ocorrem em um momento crítico para o desenvolvimento de sua identidade, as consequências são potencialmente devastadoras.

Quando a vítima é uma criança, para todos os itens acima, existem muitas pressões sociais e padrões de condicionamento que os impedem de aceitar que foram abusados.

Além disso, muitas vezes é criada uma lacuna profunda em sua identidade sexual que nem sempre são capazes de salvar por si mesmos. Tudo isso os impede de começar a curar um trauma que se assemelha a uma arma afiada que vai machucando mais e mais com o passar do tempo.