Ser, e não fazer: a solução de muitos problemas

· abril 16, 2018

Uma das primeiras perguntas que nós fazemos quando temos um problema é: o que devo fazer? Instantaneamente, refletimos sobre as diferentes alternativas possíveis para agir. No entanto, alguns problemas não são resolvidos após esse exercício. Eles são repetidos, ou simplesmente são adiados, mas não são resolvidos. Isso porque talvez devêssemos nos concentrar em ser, e não fazer.

A princípio isso pode soar um pouco abstrato, mas na realidade trata-se de uma ideia muito concreta. Alguns problemas não são resolvidos porque a solução não está em tomar alguma ação específica para finalizá-los. O que exigem é uma mudança, seja de foco, de atitude ou de algum aspecto da personalidade. É por isso que as pessoas falam sobre ser, e não fazer.

“As pessoas costumam dizer que ainda não se encontraram. Mas o ‘eu’ não é algo que você encontra, é algo que você cria. “
-Thomas Szasz-

Fazer se torna inútil quando a origem de uma dificuldade está em ser. Pense, por exemplo, em alguém que repetidamente tenta fazer com que seu parceiro preste mais atenção nele. Ele frequentemente reclama e quer ser respeitado. No entanto, isso não resolve o que acontece. Talvez o apropriado não seja afirmar (fazer), mas rever o que está por trás de sua necessidade de atenção frustrada (ser).

Ser, e não fazer, em diferentes circunstâncias

A primeira ideia a enfatizar é que muitas vezes não podemos definir um problema ou indicar o que é realmente problemático. Muitas vezes o que prevalece é o desejo de se livrar dele. Nós vemos isso exclusivamente como um desconforto ou uma ameaça que deve ser enfrentada o mais rápido possível.

Mulher com balão no lugar da cabeça

Isso nos leva muitas vezes a nos apressarmos. A princípio a ação, ou a reação, é ativada muito antes de uma análise razoável da situação ter sido completada. Ficar inativo por um tempo não é uma opção para muitos. É por isso que se diz que chegamos a um tempo que não é do ser humano, mas do “fazer humano”.

Os problemas mais práticos e materiais costumam ser resolvidos fazendo algo. Se a chave quebrar, ela deve ser reparada. Isso não requer mais reflexão, pois se trata de uma dificuldade visível, que pode ser especificada, e contra a protocolos de ação já estabelecidos. Em face de problemas mais abstratos, a situação é diferente. É quando se torna importante ser, e não fazer.

A atitude em relação a um problema é uma criação pessoal

Todos estão construindo um modo particular de reagir aos problemas. Enquanto alguns veem neles um desafio que desperta seu interesse, outros o assumem como um risco que deve ser rapidamente eliminado. Este é o primeiro aspecto em que o ser entra no jogo, e não o fazer. É no ser que uma dificuldade recebe significado, onde uma atitude em relação a ela é forjada.

Homem pensativo

Às vezes ganhamos muito quando observamos e avaliamos nossa própria atitude em relação a um problema. Uma ideia mais construtiva nos ajudaria a resolvê-lo? Essa dificuldade já havia sido apresentada antes? O que fizemos para resolvê-lo foi eficaz ou não? A primeira coisa que nos ocorre é fazer a mesma coisa que já havia sido ineficaz no passado?

Ser, e não fazer, significa avançar nessas reflexões e buscar abordagens em que se inclua um olhar sobre o que sentimos e pensamos, diante do que nos acontece. É muito provável que a maneira de ver o problema e a atitude que assumimos diante dele sejam o que está determinando seu prolongamento ou sua solução.

Observar, aceitar e compreender

Ser, e não fazer, envolve eliminar os automatismos diante das dificuldades. Se alguém o agride, talvez o mais razoável não seja atacar de volta. Se falhar em alguma tarefa, talvez o melhor não seja tentar minimizar ou ocultar esse erro. Se as coisas não acabam funcionando com o casal, é provável que a saída não seja responsabilizar o outro.

É bom tentar não se deixar levar por nossas crenças imediatas. Também não se apressar em provações e não negar ou afastar-se de problemas. Em vez disso, pode ser uma boa ideia observar a dificuldade com uma mente aberta, sem julgamentos ou preconceitos que alterem a percepção. Aceitar que há um problema, sem se encher de angústia. E orientar-se para entender o que realmente está acontecendo e como nós mesmos contribuímos para isso acontecer.

Os labirintos da mente humana

Em outras palavras, se equilibrarmos nosso ser e nos conectarmos com nós mesmos antes de agir, provavelmente teremos mais sucesso no caminho a seguir. Ser, e não fazer. Redescobrindo-nos antes de dar o próximo passo. Olhar dentro de nós mesmos, e não fora. Trabalhar no que somos para que o que fazemos suba de nível.