Sobreviver a reuniões familiares: 5 conselhos úteis

5 conselhos para sobreviver a reuniões familiares

março 6, 2018 em Emoções 0 Compartilhados
Conselhos para sobreviver a reuniões familiares

Como em todas as famílias há conflitos não resolvidos, eles encontram uma boa oportunidade para aparecer nas reuniões familiares: aniversários, dia dos pais ou das mães, e talvez o mais difícil de todos: o Natal. Por este motivo, neste artigo falaremos sobre alguns conselhos para sobreviver a reuniões familiares da melhor maneira.

É importante destacar que os conflitos são uma parte da vida em família e é normal que em algum momento o comportamento de alguém não seja apreciado por nós. O perigo aparece quando esse conflito não é resolvido. Ele dá lugar a emoções negativas que ficam guardadas e se alimentam, explodindo na ceia de Natal. Você se identifica com essa situação? Se a resposta for afirmativa, nós gostaríamos de ajudá-lo a não permitir que as circunstâncias terminem tomando conta da situação.

Por essa razão, nesse artigo reunimos 5 conselhos para sobreviver a reuniões familiares. A ideia é que com essas pequenas estratégias você seja capaz de estar próximo de alguém com quem tenha tido ou tem algum problema e chegue inclusive a se divertir e a participar do ambiente festivo. Esses conselhos foram pensados de forma que você possa memorizá-los e utilizá-los como um plano de emergência no caso de a tensão começar a aumentar e o cheiro de conflito surgir no ar.

Reunião em família

5 conselhos para sobreviver a reuniões familiares

1. Evite ceder a provocações; se é necessário falar sobre um tema, esse não é o momento

Quando temos um problema mal resolvido com alguém, é tentador utilizar a primeira ocasião que tivermos para falar e colocar um ponto final. Por isso, quando nos encontramos com pessoas com quem temos um problema, sem nos darmos conta, podemos tanto provocar quanto sermos provocados.

Nesse sentido, é importante que você detecte as provocações antecipadamente. O objetivo será redirecionar a conversa para um tema que não seja conflituoso, de forma que a tensão se dissipe. Certamente as reuniões familiares não são o momento mais indicado para falar de temas sensíveis.

2. Concentre-se em quem se sente feliz por ter a família reunida, faça isso por eles

Em muitas famílias há pessoas, como uma mãe, um pai ou um avô que fica feliz quando tem a família toda reunida. O resto dos integrantes aceita participar das reuniões familiares em parte motivados por satisfazer o desejo dessa pessoa que tanto espera essa reunião. Portanto, se no seu caso você não encontra motivação pessoal para reunir-se com algum familiar, concentre-se na capacidade que tem de fazer feliz uma pessoa que você aprecie.

3. Questione e seja sincero consigo mesmo: o que realmente me incomoda? Tem solução?

Quando estar com alguém nos incomoda, temos que saber o que é que realmente acontece. Ficamos incomodados com algo que pode ser mudado? Uma característica do outro que temos em comum com ele? Responder essas perguntas é fundamental para poder gerenciar as emoções que aparecem em um conflito. Assim, em alguns casos nos incomoda uma característica de um familiar que ele não vai mudar, de forma que nós mesmos teremos que ser quem sobe um nível de tolerância ou quem evita estar com essa pessoa nas circunstâncias em que manifesta essa característica.

De uma forma ou de outra, uma reunião familiar não é o território mais propício se quisermos favorecer a mudança em alguém, por mais que nossas intenções sejam as melhores e só queiramos o seu bem. Não é o melhor momento para dizer que alguém fuma demais ou que deveria comer menos. Temos todo o ano para fazer isso, de forma que não é necessário destruir esses encontros com comentários que podem ser dolorosos, por mais que no fundo não sejam ofensivos.

Mulher incomodada em reunião familiar

4. Converse consigo mesmo e pense: vale a pena ter um conflito durante a reunião?

Sempre que você se chatear, tente reservar alguns minutos para pensar consigo mesmo e refletir se realmente vale a pena iniciar uma discussão nesse momento. Quando digo “converse consigo mesmo” me refiro a que você utilize ao seu favor as autoinstruções (instruções que damos a nós mesmos).

Em outras palavras, o que dizemos a nós mesmos funciona como uma ordem no cérebro. Nesse sentido, se as ordens que você se dá são de calma e serenidade, será mais fácil sobreviver a reuniões familiares.

5. Evite chegar ao limite e retire-se antes que seja tarde

Evitar nem sempre é um a estratégia de enfrentamento negativa, na verdade, é a melhor estratégia quando temos que enfrentar situações complicadas e não é o momento nem o lugar. Além disso, evitar também é o melhor que se pode fazer quando você já sabe que vai se chatear, perder o controle e fazer com que outras pessoas passem por um mau momento. Querer controlar sua chateação quando sua paciência tiver se esgotado não é um objetivo realista.

Por outro lado, é necessário que você saiba colocar limites nas suas relações familiares. Cada família segue um modelo de funcionamento, você pode ter uma família com um modelo independente ou com um modelo aglutinado. Se a sua família tem um modelo independente, os limites entre as vidas de cada um de seus membros estão delimitados e são respeitados. Nesses casos, quando chegam as reuniões familiares o trabalho já está feito.

No entanto, se você tem uma família que segue um modelo aglutinado, os limites entre a vida de cada um dos membros não estão bem delimitados ou não são respeitados. E, portanto, nesse caso pode ser uma boa ideia que esses limites sejam definidos antes das próprias reuniões. Porque as reuniões familiares não são o melhor momento para explicar suas necessidades pessoais nem para impor limites a quem tem facilidade de intrometer-se nos aspectos mais íntimos da sua vida.

Em qualquer caso, sempre é bom colocar limites nas relações familiares e ser claro a respeito do que queremos compartilhar ou não, e a respeito de quando queremos conselhos ou não. Lembre-se de que você tem direito de tomar suas próprias decisões inclusive quando sentir que são contrárias ao que a maioria da sua família pensa.

Finalmente, aproveite essas festas para desfrutar dos aspectos positivos das reuniões familiares e concentre sua atenção neles. Sobretudo, lembre-se de que ter paciência e não entrar em conflitos pode fazer com que uma boa iniciativa não termine transformando-se em algo desagradável para quem participa dela. Nesse sentido, sua atitude nessas datas pode ter um grande impacto no bem-estar de outras pessoas.

Recomendados para você