Os 10 tipos de psicopatas, segundo Kurt Schneider

Os tipos de psicopatas descritos por Kurt Schneider são clássicos da criminologia. Sua descrição foi muito precisa e baseada em evidências.
Os 10 tipos de psicopatas, segundo Kurt Schneider

Última atualização: 16 dezembro, 2020

Kurt Schneider foi um médico, psiquiatra e filósofo alemão pioneiro na classificação dos tipos de psicopatas. Ele é considerado o principal representante da Escola de Heidelberg, junto com Karl Jaspers. Seu trabalho deixou uma marca importante na história da psicopatologia.

A Escola de Heidelberg foi caracterizada por uma abordagem do transtorno mental que enfatizou os fatores biológicos. Nos integrantes dessa corrente, havia uma forte influência de Emil Kraepelin, que se esforçava para classificar os transtornos do ponto de vista das suas manifestações, e não das suas causas.

A classificação de Kurt Schneider dos tipos de psicopatas teve uma grande influência nos desenvolvimentos posteriores da psiquiatria. É baseada na ideia de que um psicopata é aquele que se desvia ambiguamente do comportamento normativo. A partir desse ponto de vista, existem dez tipos que são os seguintes.

 “A ausência de empatia sofrida pelo psicopata o impede de sentir prazer ao observar a felicidade nos outros. O prazer alheio só causa inveja e ganância”.
-Vicente Garrido Genovés-

Perfil psicopata

Os principais tipos de psicopatas

1. Hipertímico

O primeiro dos tipos de psicopatas é o hipertímico, que se caracteriza por ter um humor alegre, ativo e impulsivo. Schneider disse que esse tipo de pessoa é o “temperamento sanguíneo do homem de sangue leve”. Ele os define como amigáveis ​​e charlatães, propensos a delitos como ofensas, falsidades, fraudes e pequenas transgressões.

2. Depressivo

É um dos tipos de psicopatas com espírito sombrio, embora nem sempre seja fácil reconhecer essa característica neles, pois tendem a esconder o que sentem. Em alguns, prevalece a melancolia, enquanto em outros, o mau humor ou a paranoia. Tanto esse tipo quanto o anterior têm propensão ao alcoolismo. O paranoico depressivo pode se tornar muito insensível.

3. Inseguro

Dentro desse grupo, existem dois tipos de psicopatas: sensíveis e anancásticos. Os primeiros são muito impressionáveis, mas têm dificuldade em expressar as suas emoções.

Os anancásticos transformam suas inseguranças em obsessões, que se tornam muito rígidas e inflexíveis. Embora esses tipos de personalidades sejam “estranhas” e às vezes “suspeitas”, raramente cometem um crime.

4. Fanático

Nesse caso, existe um conjunto de ideias superestimadas que são vividas com grande intensidade emocional. Existem fanáticos passivos e fãs lutadores.

Em geral, essa tipologia ocorre em homens ou mulheres maduros. Eles podem cometer crimes menores, dependendo das suas convicções, mas geralmente só realizam atos de perturbação da vida social.

5. Vaidoso em busca de reconhecimento

A característica distintiva desse tipo de psicopata é a vaidade. Eles precisam parecer mais do que são, tanto para si mesmos quanto para os outros. Eles deliberadamente contam mentiras e acreditam nelas.

Falsificam as suas emoções e por isso não conseguem estabelecer laços íntimos e não sabem amar. Existem excêntricos (eles chamam a atenção com atos incomuns), fanfarrões (eles se gabam) e pseudólogos (eles organizam fantasias estruturadas para enganar os outros).

6. Lábil

Este é um dos tipos de psicopatas que podem ser confundidos com o depressivo. Porém, neste caso, a pessoa passa por episódios de tristeza ou mau humor muito intensos, como tempestades, mas que depois passam de forma quase inesperada. Frequentemente, são viciados e podem cometer crimes emocionais ou ocasionais. É típico dos muito jovens ou dos muito velhos.

7. Explosivo

Os psicopatas explosivos têm um humor violento, que é desencadeado até mesmo por motivos insignificantes. Na maioria dos casos, corresponde a mulheres com menos de 50 anos.

Eles costumam se envolver em crimes de vários tipos: desrespeitam, desobedecem e são prejudiciais ao seu entorno. São personalidades infantis, pouco desenvolvidas e com pouco autocontrole.

8. Desalmado

Eles representam o psicopata no seu melhor, sem compaixão, vergonha ou culpa. Seu traço característico é um baixo desenvolvimento da consciência. Eles tendem a ser taciturnos, frios e antissociais.

Cometem todos os tipos de crimes e contravenções, muitos dos quais podem incluir brutalidade. No entanto, muitos deles são capazes de viver sua inescrupulosidade sem violar formalmente a lei.

Psicopata sem coração

9. Abúlico

São pessoas extremamente influentes, permeáveis ​​a todos os tipos de estímulos. Eles são afáveis, razoáveis, mas inconstantes e maleáveis. Este tipo de personalidade está muito frequentemente associado ao furto, peculato, fraude e prostituição. Eles podem cometer crimes apenas devido à pressão do seu grupo ou ambiente. Normalmente, corresponde aos jovens.

10. Astênico

Existem astênicos corporais e psíquicos. Ambos mantêm uma observação vigilante de si mesmos, o primeiro focado no corpo e o segundo na mente. Em ambos os casos, há um sentimento de estranhamento diante de si. Muitas vezes passam a sofrer de doenças imaginárias devido à sua hipervigilância. Eles raramente se envolvem em crimes e geralmente são pacientes bastante frequentes de hospitais.

A classificação dos tipos de psicopatas de Kurt Schneider é considerada desatualizada atualmente. No entanto, várias das suas abordagens serviram de base para desenvolvimentos posteriores, que não negam essa categorização, mas a ajustaram.

Pode interessar a você...
Psicopatas adaptados: empatia e manifestações subclínicas
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Psicopatas adaptados: empatia e manifestações subclínicas

Uma pesquisa recente da Associação Americana de Psicologia indica que alguns psicopatas adaptados à sociedade apresentam empatia.



  • Pozueco Romero, J. M., Romero Guillena, S. L., & Casas Barquero, N. (2011). Psicopatía, violencia y criminalidad: un análisis psicológico-forense, psiquiátrico-legal y criminológico (Parte I). Cuadernos de Medicina Forense, 17(3), 123-136.