Transtorno bipolar: como é viver em uma montanha-russa

Transtorno bipolar: viver em uma montanha-russa

janeiro 18, 2018 em Psicologia 1379 Compartilhados
Mulher com transtorno bipolar

O transtorno bipolar é um dos distúrbios que desperta mais curiosidade naqueles que estão interessados em psicologia clínica. A sensação de que uma pessoa pode se mover entre dois polos tão diferentes nos fascina e, ao mesmo tempo, nos aterroriza. De fato, se tivermos uma concepção mais popular do transtorno bipolar, poderíamos pensar que também somos bipolares e que não há ninguém, por mais inteligente que seja no campo das emoções, que desfrute de uma de estabilidade emocional absoluta.

Por outro lado, quantas vezes já ouvimos falar que as pessoas com transtorno bipolar têm dupla personalidade? Qual é o verdadeiro transtorno de uma pessoa com “diferentes personalidades”? Quais são as diferenças entre transtorno bipolar e transtorno de personalidade limítrofe?

O que é o Transtorno Bipolar (TB)?

O transtorno bipolar é um transtorno afetivo que se caracteriza por alterações do humor, com fases de mania (euforia), hipomania (euforia de menor duração) ou mistas, que geralmente se alternam com episódios depressivos. De acordo com os critérios da Classificação Internacional de Doenças (CID-10) e do Manual de Diagnóstico Estatístico de Distúrbios Mentais (DSM-IV), existem diferentes tipos de Transtorno Bipolar:

  • Transtorno bipolar I (TB I): caracterizado por ter pelo menos um episódio de mania ou um episódio misto (mania e hipomania), que podem acontecer antes ou após os episódios depressivos.
  • Transtorno Bipolar II (TB II): caracterizado por sintomas maníacos menos graves que são chamados de fases hipomaníacas e crises depressivas.
  • Ciclotimia: caracterizada pela hipomania alternada com transtornos depressivos subclínicos.

Mulher com transtorno bipolar

É um transtorno relativamente frequente que ocorre em todas as idades e sexos, embora seja mais comum entre os 15 e 25 anos. Quando o início ocorre em pessoas com mais de 60 anos, os estudos comprovam que é provável que o transtorno tenha uma origem orgânica sobre a qual podemos intervir.

Como a grande maioria dos transtornos, afeta a vida e o bem-estar das pessoas. As taxas de suicídio são muito altas entre as pessoas com TB. Cerca de 15% dos pacientes são afetados, sendo mais frequentes durante as fases depressivas ou nas fases mistas.

As diferentes variações dessa montanha-russa

O DSM-IV-TR estabelece critérios para os diferentes tipos de episódios maníacos, hipomaníacos, depressivos e mistos. O episódio maníaco é um período de humor que dura pelo menos uma semana, onde persistem três (ou mais) dos seguintes sintomas:

  • Autoestima exagerada.
  • Diminuição da necessidade de dormir.
  • Mais falante do que o habitual.
  • Turbilhão de pensamentos.
  • Dificuldade para manter a atenção.
  • Agitação psicomotora.
  • Envolvimento excessivo em atividades agradáveis com grande potencial para produzir sérias consequências.
  • Esta alteração é suficientemente grave para causar deterioração no trabalho e socialmente, necessidade de hospitalização ou provocar sintomas psicóticos.

O episódio hipomaníaco é um período de humor onde persistem por pelo menos quatro dias, três (ou mais) dos sintomas indicados para o episódio maníaco. A alteração do humor e a mudança de comportamento podem ser observados pelos outros, mas não são considerados suficientemente graves e não há sintomas psicóticos.

O episódio depressivo maior apresenta os seguintes sintomas durante 2 semanas:

  • Perda ou ganho significativo de peso ou apetite.
  • Insônia ou excesso de sono.
  • Agitação ou desaceleração psicomotora.
  • Fadiga.
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva.
  • Diminuição da concentração ou decisão.
  • Pensamentos recorrentes de morte.
  • Estado de humor depressivo na maior parte do dia ou uma apatia generalizada.

O episódio misto cumpre os critérios para um episódio maníaco e um episódio depressivo maior quando ocorre quase todos os dias durante pelo menos uma semana. Em todos os tipos de episódios, os sintomas não são devidos aos efeitos fisiológicos produzidos por uma substância ou tratamento. Se esta sintomatologia é o efeito de alguma substância administrada, mesmo que os critérios sejam atendidos, não pode ser diagnosticada como TB.

“O tratamento das pessoas com distúrbios psicopatológicos deve ser o mesmo tratamento proporcionado para as outras doenças; não podemos estigmatizar ou culpar alguém por isso”.
Compartilhar

Pessoa com transtorno bipolar

As diferenças entre transtorno bipolar (TB) e transtorno de personalidade limítrofe (TLP)

O transtorno de personalidade limítrofe (TLP) é um dos distúrbios de personalidade mais graves. A falta de regulação emocional do TLP deve ser diferenciada da descompensação que ocorre no transtorno bipolar. O TLP é caracterizado principalmente por:

  • Instabilidade global que afeta o estado mental, a autoimagem e o comportamento.
  • Dificuldade intrínseca e permanente para estabelecer vínculos estáveis, o que não ocorre em pacientes bipolares.
  • Impulsividade, raiva descontrolada, autoagressão ou heteroagressividade.
  • Comportamento suicida, ameaças, gestos ou comportamento automutiladores.
  • Comportamentos de risco geralmente desencadeados por conflitos interpessoais e problemas relacionados (medo da rejeição ou abandono).
  • Sentimento de vazio e tédio.

Mulher chorando

O transtorno bipolar não gera personalidades diferentes

Quando a dissociação afeta a organização e a personalidade, falamos dos transtornos de identidade dissociativa (múltipla personalidade). Pessoas com múltiplas personalidades apresentam duas ou mais identidades diferentes (até cem), onde pelo menos duas delas controlam o comportamento repetidamente. Além disso, as pessoas com este transtorno se sentem incapazes de lembrar informações pessoais importantes em função da personalidade dominante nesse momento.

A grande maioria das pessoas que trabalham em saúde mental acreditam que são necessárias outras intervenções além das farmacológicas. A psicoterapia individual ou em grupo é muito útil nesses casos. Também seria conveniente reduzir as intervenções farmacológicas se os efeitos terapêuticos não forem significativos.

No entanto, não podemos esquecer que cada pessoa é um mundo e a sua condição de saúde também. Nesse sentido, duas pessoas com um diagnóstico igual podem ter uma experiência muito diferente com a doença que “compartilham”.

Recomendados para você