O trauma ancestral silenciado (transmissão transgeracional)

16 Novembro, 2020
O trauma ancestral silenciado se refere a experiências muito dolorosas ou sinistras que algum membro de uma geração vive e silencia. Este mesmo trauma pode ser passado de geração em geração inconscientemente.

O conceito de trauma ancestral silenciado só começou a ganhar destaque algumas décadas atrás. Embora correntes como a psicanálise já tivessem percebido o papel que a repressão poderia desempenhar no histórico familiar, foi o interesse da neurociência que realmente lhe deu importância.

Antes, acreditava-se que a informação genética era imutável: nossa sorte ou destino. Nascemos com isso e ponto final. Hoje se sabe que os genes são ativados ou não influenciados pela experiência, dependendo de estados e comportamentos, como estresse ou exposição à poluição. Abuso, estresse pós-traumático e experiências semelhantes também agem como inibidores ou gatilhos para a manifestação de muitas das nossas informações genéticas.

Cada pessoa nasce com uma impressão filogenética, uma impressão que pode condicionar, além da doença, as nossas vidas de forma importante. O trauma ancestral silenciado é uma daquelas realidades que pesam sobre o comportamento de alguém. Eles o deixam, por exemplo, particularmente sensível à frustração ou mais ansioso sem motivo, etc.

“É legítimo supormos que nenhuma geração é capaz de ocultar seus processos mentais mais substantivos.”
-Sigmund Freud-

O trauma ancestral silenciado

Transmissão transgeracional

Os antecedentes do conceito de trauma ancestral silenciado estão na obra de Sigmund Freud, que veio a intuir algumas das ideias com as quais trabalhamos hoje, mas que não as desenvolveu em profundidade.

Nicolas Abraham, Mária Török , Françoise Dolto, Anne Ancellin Shützenberger e Didier Dumas analisaram vários casos de delírio em crianças. Eles descobriram que havia neles conteúdos que também estavam presentes nos seus pais e avós. Então, deram forma à ideia de que havia um “clã inconsciente” e de que algumas crianças eram “representantes de uma carga emocional externa”.

Desde então, a ideia de “herança transgeracional” começou a ser incorporada. Essa ideia sugere que conteúdos inconscientes e, em particular, conflitos silenciados, são transmitidos para que as gerações posteriores possam resolvê-los. Então, esses conflitos aparecem nos descendentes na forma de um sintoma.

O trauma ancestral silenciado

O trauma ancestral silenciado se refere a uma condição em que os eventos ou vivências do núcleo familiar não podem ser processados ​​por quem os vive e, portanto, são transmitidos inconscientemente às gerações que se seguem (transmissão transgeracional). Quem recebe esse fardo, sem saber, o experimenta como um vazio ou uma incapacidade de se adaptar e viver em paz.

Os fardos ancestrais têm a ver com eventos traumáticos que causam horror, vergonha, sofrimento excessivo e repressão. Por diversos motivos, a pessoa afetada não pode falar sobre isso e, portanto, o conteúdo não é elaborado. Em vez disso, é criptografado e se torna algo do qual nunca se pode falar.

Na segunda geração, o evento ou o que quer que tenha a ver com ele se torna “inominável”. Os membros desta segunda geração sentem que existe, mas não conhecem seu conteúdo. Por ser inconsciente, é um legado que foi recebido, mas que não foi aceito.

Na terceira geração, o “inominável” torna-se “impensável”. Sabe-se que “algo” existe, mas isso é percebido como totalmente inacessível à consciência. Não há possibilidade de lhe dar uma representação verbal ou simbólica. O que acontece depois?

Os efeitos daquilo que não é compartilhado

Como se vê, nessa perspectiva, o trauma ancestral silenciado atinge as duas gerações subsequentes. Quando chega na terceira, ao registro do “impensável”, os afetos vinculados ao reprimido já se transformaram em um sofrimento surdo que induz a um mal-estar radical. O que acontece, então, é que o depositário daquele “segredo” inominável e impensável é forçado a evadir ou evitar todas aquelas palavras ou ideias que se referem ao evento original, aquele que causou o trauma.

Por sua vez, o fardo o impele a quebrar o silêncio. Nesse ponto, ele constrói um discurso incongruente, pois é a única forma possível de se referir ao sujeito. O que não pode ser falado, mas existe e pesa, se manifesta como conteúdo desorganizado. Às vezes, isso se transforma em psicose ou em uma doença grave.

Os efeitos daquilo que não é compartilhado

A repetição do trauma ancestral silenciado

O trauma ancestral silenciado, na verdade, não está totalmente em silêncio. Tudo o que é reprimido volta, mas não de forma organizada. Em geral, é revivido através de atos para os quais não há palavras.

Essa repetição assume cinco formas:

  • Repetição pura. Os eventos se repetem da mesma maneira. Por exemplo: meu avô foi preso sem saber por quê. Eu cometo crimes.
  • Repetição por interpretação. A pessoa repete o que ela interpreta como algo que tenha acontecido. Por exemplo: minha avó bateu com a cabeça (ou bateram nela?). Eu sofro de enxaquecas.
  • Repetição por identificação. A manifestação de uma condição é repetida. Por exemplo: meu avô era alcoólatra, meu pai tinha problemas de fígado e eu tive hepatite.
  • Repetição por oposição. Pretende-se repetir o contrário do que aconteceu. Por exemplo: minha avó foi vítima de estupro, e eu não tenho relações sexuais com ninguém.
  • Repetição por compensação. É feita uma tentativa de reparar o que aconteceu. Por exemplo: meu avô morreu em circunstâncias estranhas nas mãos de criminosos. Eu sou policial.

Atualmente, ainda sabemos muito pouco sobre a transmissão transgeracional e os traumas ancestrais, e as especulações continuam a se fundir em algumas áreas com o conhecimento que realmente temos. É um terreno relativamente novo e ainda inexplorado. Terminamos este artigo dizendo que todos podem explorar a história da própria família e nela encontrar elementos valiosos para entender boa parte da sua forma de agir.

NICOLÒ, A. M. (2007). La familia y sus ancestros. Rev. Int. de Psicoanálisis de Pareja y Familia, (1), 3-8.