Como o treinamento de inoculação de estresse pode nos ajudar

· setembro 14, 2018

A inoculação do estresse é um procedimento cognitivo-comportamental desenvolvido pelo psicólogo canadense Donald Meichenbaum para reduzir o estresse. A inoculação de estresse foi projetada inicialmente para o tratamento de problemas de ansiedade. Atualmente, o treinamento de inoculação de estresse é aplicado a vários transtornos, dentre os quais está presente a ansiedade.

O treinamento de inoculação de estresse não é uma técnica isolada, mas um termo genérico que se refere a um paradigma de tratamento. O tratamento consiste em um plano de “adestramento” com técnicas específicas.

Esse plano de treinamento combina diferentes elementos. Esses elementos são os seguintes: ensino didático, discussão socrática, reestruturação cognitiva, resolução de problemas e treinamento em relaxamento, testes comportamentais e imaginados, autorregistro, autoinstruções e autorreforço.

O treinamento de inoculação de estresse foi criado para criar e desenvolver habilidades de confronto. Não só resolve problemas imediatos, como também se aplica a dificuldades futuras.

Mulher estressada no trabalho

O treinamento de inoculação de estresse é similar à inoculação médica contra certas doenças

O treinamento de inoculação de estresse proporciona às pessoas uma defesa ativa frente a situações potencialmente estressantes. Em certos aspectos, é análogo aos conceitos de inoculação médica contra certas doenças biológicas.

De maneira similar à inoculação médica, o treinamento de inoculação de estresse se propõe a suscitar “anticorpos psicológicos”. Esses anticorpos psicológicos, portanto, fazem referência a habilidades de confronto do indivíduo.

Assim, tenta reforçar a resistência. Isso é conseguido por meio da exposição a estímulos que sejam fortes o bastante para ativar mecanismos de defesa sem que sejam tão poderosos a ponto de vencer. Dessa maneira, o paciente pode desenvolver uma noção de “recursos aprendidos” graças a sua experiência. Também pode ser feita com uma defesa composta de habilidades e expectativas positivas.

Em que casos o treinamento de inoculação de estresse é útil?

Como Meichenbaum (2009) afirma, o treinamento de inoculação de estresse é de utilidade para enfrentar as quatro categorias de estresse apontadas por Eliot e Eisdorfer (1982):

  • Estressores agudos de tempo limitado. São acontecimentos estressantes que ocorrem em um determinado momento e são de curta duração (por exemplo, exames médicos pontuais ou prova para tirar carteira de motorista).
  • Sequências de estresse. Fazem referência a acontecimentos de vida estressantes específicos e significativos (por exemplo, abusos sexuais, demissões, perda de um parente querido, etc.).
  • Intermitência crônica. Em geral, é provocada pela exposição repetida a situações estressantes (por exemplo, provas, exames médicos, combates militares, etc.).
  • Estresse crônico continuado. Inclui a luta contra doenças médicas ou psiquiátricas de longa duração ou problemas afetivos prolongados.

De maneira mais específica, o treinamento de inoculação de estresse foi projetado para:

  • Ensinar os pacientes sobre a natureza do estresse e do combate.
  • Treinar os pacientes para que controlem pensamentos, imagens, sentimentos e comportamentos, tudo isso com o objetivo de favorecer interpretações realistas e adaptativas.
  • Treinar os pacientes na resolução de problemas.
  • Modelar e reproduzir as atuações reais, a regulação das emoções e as habilidades de confronto próprias do autocontrole.
  • Ensinar aos pacientes a maneira de utilizar respostas desadaptativas como sinais para colocar em prática seus repertórios de confronto.
  • Oferecer práticas de ensaio imaginado e ao vivo para fomentar a confiança do paciente e a utilização de seus repertórios de confronto.
  • Ajudar os pacientes a adquirir conhecimentos suficientes para facilitar maneiras de abordar situações estressantes inesperadas.
Mulher fazendo meditação

Objetivos do treinamento de inoculação de estresse

Os objetivos de tratamento do treinamento de inoculação de estresse se concentram em três áreas fundamentais:

  • A promoção de uma atividade autorregulada adequada. Isso implica reduzir ou suprimir a intensidade de verbalizações, imagens e emoções perturbadoras. Ao mesmo tempo, pretende aumentar aquelas que sejam mais adaptativas.
  • A modificação de comportamentos desadaptativos e o aumento ou instauração de condutas adaptativas.
  • A revisão e a modificação de estruturas cognitivas que estejam promovendo opiniões negativas sobre si mesmo e o mundo.

Fases do treinamento de inoculação de estresse

No treinamento de inoculação de estresse podemos distinguir três fases que ocasionalmente se sobrepõem entre si. São as seguintes: 1) Fase de conceitualização; 2) Fase de aquisição e treinamento das habilidades; e 3) Fase de aplicação das habilidades adquiridas.

Fase de conceitualização

Os objetivos gerais dessa fase são identificar e definir o problema que a pessoa apresenta. Também pretende-se ajudá-la a entender sua natureza e seus efeitos nas emoções e comportamentos, além de definir os objetivos da terapia.

Essa fase é muito importante. A importância concedida à compreensão do problema e como é possível abordá-lo faz com que essa fase também receba o nome de fase educativa.

Fase de aquisição e treinamento de habilidades

Durante essa segunda fase, o paciente – com a ajuda do terapeuta – revisa, aprende e treina estratégias de confronto. Essas estratégias vão lhe permitir abordar as situações geradoras de estresse que foram detectadas na fase de conceitualização.

Durante essa fase, são realizadas tarefas como treinar o paciente para buscar, utilizar e manter o apoio social de forma efetiva. Também são utilizados modelos de confronto reais ou por meio de vídeo, comentando, discutindo e dando feedback sobre a execução das estratégias que são treinadas.

Mulher em sessão de terapia

Fase de aplicação e consolidação das habilidades adquiridas

Na terceira fase, os objetivos são vários: colocar em prática as estratégias aprendidas em situações reais, comprovar a utilidade das habilidades adquiridas e corrigir os problemas que vão surgindo durante o processo de exposição. Essa fase está completamente relacionada à anterior. Normalmente, para adquirir habilidades é necessário treiná-las, primeiro nas sessões e, posteriormente, em situações reais.

Em suma, o treinamento de inoculação de estresse é um conjunto complexo de técnicas ou procedimentos para combater o estresse. Esse treinamento é composto de três fases e sua utilidade é inquestionável para combater situações estressantes, presentes e futuras.