Turismo emocional: navegar sem bússola no amor

· fevereiro 6, 2018

Quando sofremos um rompimento amoroso muito doloroso ou tivemos vários relacionamentos sem sucesso, podemos ficar perdidos. Algo como um navio encalhado no meio do oceano, à deriva e sem controle. Para muitas pessoas, a alternativa para esta situação é o turismo emocional. Uma fuga à frente, sem cura, nem cicatrização prévia.

Separar-se da pessoa com quem passamos por diferentes estágios da vida supõe o sofrimento devido ao distanciamento físico, mas também à separação emocional. E é precisamente esta última a mais difícil de curar, porque tendemos a resistir.

Mulher sussurrando no ouvido de homem

Turismo emocional, um processo de luto incompleto

Depois de um rompimento, muitas pessoas passam por um longo processo de luto em que, pouco a pouco, entram em contato com a realidade: a perda de um companheiro de vida. Num primeiro momento se recusam a aceitá-lo. Mais tarde, a desesperança os visita e até mesmo podem experimentar sintomas depressivos e de ansiedade.

A próxima fase do processo é a aceitação. O retorno ao mundo real e a suposição de que as ilusões eram meras utopias. É o momento de se reconstruir e conhecer novas pessoas. Finalmente, se tudo corre bem, experimenta-se o sentimento de superação. Por fim, a pessoa se torna capaz de analisar o relacionamento anterior com objetividade e aprender com os erros passados.

O turismo emocional surge nas pessoas que não completam este processo de luto por medo ou como mecanismo de defesa. Ficam ancoradas em uma das etapas e se negam a oportunidade de manter relacionamentos positivos no futuro. Escolhem se tornar insensíveis e manter vínculos interpessoais com outros como um passatempo turista.

Os navegantes sem rumo

Os turistas emocionais vão pulando de pessoa para pessoa, de um lugar para outro, de porta em outra, sem uma direção fixa. Eles simplesmente se deixam levar. Exploram novas sensações e se definem como verdadeiros aventureiros. Eles buscam prazer, alegria e euforia. Não sentem a necessidade de se comprometer ou assumir a responsabilidade pelas pessoas às quais se vinculam.

Agora, não confunda essas pessoas com aquelas que optam por não ter um parceiro porque preferem ser solteiras. O turismo emocional não é o resultado da escolha de ser solteiro, mas sim um comportamento derivado da autossabotagem emocional.

Mulher e homem dando as mãos

Recusam o vínculo duradouro

O turismo emocional joga inconscientemente contra os desejos da pessoa. Assim, embora esses marinheiros desejem iniciar um relacionamento estável com um novo parceiro, eles não podem fazê-lo porque ainda não enfrentaram a dor de seu rompimento anterior.

Estão ancorados ao passado, embora finjam que não. Portanto, eles preferem ir de ilha em ilha, sem parar para refletir em qualquer costa. Desta forma, se eles encontrarem o seu “paraíso” cobiçado, não permitem que o amor volte a mandar em seu coração. Eles deixam essa pessoa escapar e continuam a viajar pelo mundo.

Sempre deixam a porta aberta

Se você se deparar com eles, certamente o incitarão a seguir sua filosofia. “É melhor nos arrependermos do que fizemos do que daquilo que deixamos de fazer”. “Arrisque-se. Caso contrário, você não sabe o que poderia ter acontecido”.

Os turistas emocionais geralmente preferem um “até logo” do que um adeus. Eles permitem que você veja que eles podem retornar a qualquer momento, mas também que eles nunca vão fazer isso.

Intermitência histriônica

É inconstante. Hoje sim e amanhã não. O turista emocional vem e vai. Seu dia a dia é governado por instabilidade, desordem e egoísmo. Aqueles que estão do outro lado acabam por não esperar nada deles.

Os turistas emocionais são como aquelas estrelas cadentes que passam uma vez e talvez nunca voltem a aparecer. Intermitentes na presença e nos sentimentos.

Esse comportamento pode ser muito perigoso psicologicamente. É uma maneira de viver o dia a dia que pode se tornar viciante e gerar dependência. E mais, se o turismo emocional é assumido como um meio de vida, estar nessa corda bamba constante gera uma insegurança que pode ser patológica.

Extroversão excessiva

Os turistas emocionais desfrutam tanto de novas amizades e relacionamentos esporádicos quanto de deixá-las ir ou rompê-las. Raramente seus relacionamentos acabam sendo produtivos, porque eles preferem aproveitar a viagem. Sua vida é baseada no aqui e agora.

Se for temporário, serve de aprendizado

No entanto, às vezes é conveniente deixar o estabelecido e descobrir o mundo. Muitas pessoas, depois de sair à tona de uma situação amorosa particularmente prejudicial e duradoura, decidem viajar em novos lugares.

Se começam sua rota de turismo emocional e são conscientes de que fazem isso para se livrar de sua dor, então eles poderão navegar, se perder e se encontrar de novo sem prejudicar as pessoas ao seu redor. Esta viagem geralmente serve como uma ótima experiência de aprendizagem, porque se torna uma experiência bem desenvolvida e enriquecedora.

Mão segurando bússola

Como ajudar o turista emocional

O mais normal é que essas pessoas não estejam conscientes do desgaste emocional que estão sofrendo. Se eles decidirem ouvi-lo, é conveniente que você os aconselhe a ir ao psicólogo ou psicoterapeuta. Apenas um especialista em casais pode ajudá-los a fazer os ajustes necessários para normalizar suas vidas.

Nesses casos, não se trata de mudar convicções ou valores, mas sim de ajudar a redirecionar o significado da vida e romper a couraça construída como um mecanismo de proteção do afeto correspondido.