Uso e abuso de ansiolíticos e hipnóticos

18 Agosto, 2020
Ansiolíticos e hipnóticos são medicamentos rotineiramente prescritos para situações de ansiedade e insônia em adultos. Você conhece os efeitos colaterais do uso e abuso desses fármacos?
 

Ansiolíticos e hipnóticos são medicamentos prescritos com muita frequência atualmente. Desde o ano 2000, tem sido observado um aumento bastante significativo em seu consumo. Os medicamentos do grupo dos benzodiazepínicos estão entre os mais utilizados pela população adulta.

O uso racional de medicamentos é uma questão fundamental a ser observada, principalmente quando falamos em psicofármacos. Muitos desses medicamentos apresentam reações adversas consideráveis ​​que não devem ser negligenciadas. Muitas vezes, além disso, os pacientes desconhecem esses efeitos colaterais.

O consumo desse tipo de medicamento por longos períodos de tempo pode levar a uma situação de dependência significativa. O que começa como uma prescrição de baixa dosagem para uma situação específica e pontual muitas vezes acaba influenciando a qualidade de vida dos pacientes, tanto física quanto psicológica.

Uso e abuso de ansiolíticos e hipnóticos

O que são os ansiolíticos e hipnóticos?

Ansiolíticos e hipnóticos são um grupo de psicofármacos depressivos do sistema nervoso central. Eles são usados ​​principalmente para tratar sintomas de ansiedade e para lidar com a insônia.

 

O que eles provocam no organismo é uma diminuição das funções do sistema nervoso, que ficam mais lentas. Isso elimina os sintomas de ansiedade, mas também afeta outras funções cerebrais, como a reação a estímulos e a coordenação.

Os benzodiazepínicos são o grupo mais conhecido de ansiolíticos. Eles podem ser classificados em diferentes tipos de acordo com a duração do seu efeito:

  • Alguns são de longa duração, como diazepam ou bromazepam.
  • Outros são de menor duração, como alprazolam ou lorazepam.

Os medicamentos mais utilizados neste grupo são alprazolam, lorazepam e lormetazepam. Hoje em dia, infelizmente, eles são usados ​​como uma solução para o estresse do nosso ritmo de vida. No entanto, os seus efeitos podem ser seriamente prejudiciais se forem mal utilizados. Portanto, é importante conhecê-los.

Consequências do abuso de ansiolíticos e hipnóticos

Como já dissemos, esses medicamentos são prescritos rotineiramente para situações de ansiedade e insônia em adultos. Eles são eficazes e seguros em tratamentos de curto prazo, mas quando a duração de seu uso é prolongada, podem aparecer efeitos indesejados. Entre eles, encontramos os seguintes:

  • Aumento de quedas e fraturas.
  • Risco de desenvolver declínio cognitivo e demência.
  • Tolerância e dependência química.
  • Agravamento da ansiedade, paradoxalmente.

Esses efeitos podem aparecer mesmo com doses terapêuticas. Por esse motivo, é recomendável seguir as indicações de prescrição relacionadas à duração do tratamento. Ou seja, eles não devem ser usados ​​por mais de 4 semanas em casos de insônia ou ansiedade.

 

Nesse caso, é preciso incluir um protocolo de retirada; isto é, uma redução progressiva da dose quando o tratamento é longo. Se os sintomas persistirem, é necessário considerar a necessidade de aplicar tratamentos alternativos ou estratégias terapêuticas complementares.

Uso e abuso de ansiolíticos

Os efeitos adversos podem surgir tanto do uso inadequado do medicamento pelo paciente quanto por uma prescrição inadequada do médico. Às vezes, os próprios pacientes insistem para que o profissional prescreva esses medicamentos de forma contínua. Outras vezes, os médicos os prescrevem com muita facilidade.

A realidade é que, na prática habitual, esses períodos limitados de tempo não são atendidos no tratamento com esses medicamentos psicotrópicos. Grande parte da população idosa consome benzodiazepínicos diariamente de forma regular. Infelizmente, além disso, são esses pacientes que correm maior risco de sofrer os efeitos adversos mencionados acima.

Da mesma forma, um aumento no consumo sem receita médica também foi detectado em jovens que usam esses medicamentos como drogas recreativas. Isso se deve, em parte, à facilidade de acesso a esses medicamentos e à sua prescrição excessiva, às vezes desnecessária.

Uso racional dos medicamentos

Em suma, o abuso ou uso indevido de qualquer medicamento tem consequências negativas, principalmente para o paciente, mas também para toda a sociedade. Todos nós podemos ajudar a fazer um uso racional dos medicamentos.

 

Especificamente, os ansiolíticos e hipnóticos são medicamentos que podem causar efeitos colaterais graves se não forem usados ​​corretamente. É essencial seguir as instruções de um especialista e não se medicar por conta própria.

  • Aznar, M. P. M., Pérez, L. G., Pérez, J. M. B., & Rodríguez-Wangüemert, C. (2017). Género y uso de medicamentos ansiolíticos e hipnóticos en España/Gender and the use of anxiolytic and hypnotic drugs in Spain. Journal of Feminist, Gender and Women Studies, (5).
  • Cantero, M. D. (2018). Uso prolongado de benzodiacepinas en el paciente anciano. European Journal of Health Research:(EJHR)4(2), 89-97.
  • Ramallo, C. E. G. (2016). Ansiolíticos:: la nueva forma de “acabar” con la “ansiedad”. MoleQla: revista de Ciencias de la Universidad Pablo de Olavide, (22), 24.
  • Pagoaga, A., Maldonado, D., & Barahona, J. (2016). Benzodiacepinas: Riesgos en su Uso Prolongado. Número I, 105.
  • Rojas-Jara, C., Calquin, F., González, J., Santander, E., & Vásquez, M. (2019). Efectos negativos del uso de benzodiacepinas en adultos mayores. Salud & Sociedad10(1), 40-50.
  • Artagaveytia, P., Goyret, A., & Tamosiunas, G. (2018). Desafío terapéutico: desprescripción de benzodiazepinas. Boletín Farmacológico, 2018, vol. 9, nro. 1.
  • Correa Alfaro, F. A., & García Hernández, M. N. (2019). Uso recreativo de benzodiacepinas en la población joven. Ene13(1).