Os cinco psicofármacos que mudaram a história

19 Julho, 2020
O que são os psicofármacos? Como surgiram e quais são os mais importantes? Vamos tentar responder a essas e outras perguntas interessantes.
 

Os sintomas das doenças mentais decorrem de fatores biológicos e ambientais, incluindo padrões desadaptativos de comportamento. Embora muitos tipos de profissionais de saúde mental administrem psicoterapia, os psiquiatras, qualificados como médicos, também podem prescrever psicofármacos como parte do tratamento que oferecem.

Tanto a psicoterapia quanto os psicofármacos demonstraram ser eficazes para tratar muitos transtornos psiquiátricos. Muitas vezes, uma combinação dos dois funciona melhor.

O nascimento da psicofarmacologia moderna remonta à década de 1950, quando uma série de descobertas mudou para sempre o curso da psiquiatria e a vida de milhões de pacientes.

Embora alguns não sejam mais comumente usados, os seguintes medicamentos psicotrópicos mudaram drasticamente o campo da terapia, abrindo a psiquiatria ao tratamento de transtornos que antes eram considerados intratáveis. Essas descobertas estão entre as maiores conquistas da história da medicina.

Comprimidos

Os fármacos mais influentes no contexto da saúde mental

1. Psicofármacos para estabilizar o humor: carbonato de lítio

A descoberta moderna do lítio como tratamento para o transtorno bipolar foi realizada em 1948 por John Cade, um psiquiatra australiano que selecionou o lítio porque esse elemento neutralizaria o ácido úrico, que ele acreditava ser a causa da mania naquele momento.

 

Como foi observado depois, o transtorno bipolar não tem nada a ver com ácido úrico, o que não impossibilitou que o lítio se tornasse uma grande ajuda a partir de então para tratar pacientes maníacos.

O lítio foi o primeiro psicofármaco moderno, visto que sua eficácia como antimaníaco foi demonstrada em 1949, antes da descoberta da clorpromazinaTornou-se, então, o primeiro medicamento específico para a intervenção em um transtorno psiquiátrico específico.

Mais de setenta anos depois de sua descoberta, o lítio continua sendo o medicamento mais eficaz em toda a psiquiatria, com uma taxa de resposta superior a 70% para pacientes com transtorno bipolar. Também tem aplicações úteis no tratamento das depressões unipolares.

A descoberta do lítio como um tratamento efetivo para o transtorno bipolar marcou o início da revolução dos psicofármacos na psiquiatria. Pela primeira vez na história, alguma coisa podia ser feita para tratar uma doença mental grave.

2. Para transtornos psicóticos: clorpromazina

A descoberta fortuita do lítio em 1948 foi seguida logo depois por outra descoberta milagrosa: o primeiro fármaco antipsicótico do mundo.

Em 1949, Henri Laborit, um cirurgião militar francês na Tunísia, procurava uma maneira de reduzir o choque cirúrgico. Investigando um anti-histamínico, a clorpromazina, ele descobriu que ela tinha profundos efeitos psicológicos nos pacientes quando administrada antes da cirurgia.

Em 1952, Laborit convenceu outro psiquiatra a administrar esse medicamento em um paciente esquizofrênico pela primeira vez.

 

O uso da clorpromazina como o primeiro neuroléptico varreu a Europa, mas nos Estados Unidos, “dominado” pela psicanálise, sua recepção foi silenciada.

Na época, os psiquiatras norte-americanos procuravam explicações psicossociais para a esquizofrenia, como a teoria do duplo vínculo de Gregory Bateson. Tudo que tivesse relação com os psicofármacos era de pouco ou nenhum interesse.

A empresa farmacêutica que produziu a clorpromazina (marca Thorazine) começou a conquistar governos estatais, em vez de psiquiatras e escolas de medicina, insistindo que o uso do medicamento poderia diminuir bastante os gastos dos programas estatais de saúde mental.

Pouco tempo depois, quase todos os principais hospitais psiquiátricos dos EUA tinham aderido à linha da clorpromazina. A introdução do Thorazine nos EUA contribuiu para o movimento de desinstitucionalização, e o número de pacientes hospitalizados diminuiu de aproximadamente 600.000 em 1952 para 160.000 em 1977.

A clorpromazina continua sendo um dos medicamentos antipsicóticos mais eficazes, principalmente para pacientes com doenças graves, e tem aplicações úteis em situações de emergência. Juntamente com o lítio, aparece na lista de medicamentos essenciais da Organização Mundial da Saúde.

3. Psicofármacos para os distúrbios do humor: imipramina

A terceira das descobertas históricas do início da psicofarmacologia foi a imipramina, o primeiro antidepressivo tricíclico.

O desenvolvimento do primeiro antipsicótico (clorpromazina) foi associado à pesquisa sobre anti-histamínicos. Esse também foi o caso na síntese do primeiro antidepressivo, a imipramina.

 

No início da década de 1950, as empresas farmacêuticas procuravam novos medicamentos para competir com a clorpromazina no mercado da esquizofrenia.

Roland Kuhn, um psiquiatra suíço contratado pela empresa farmacêutica Geigy, que estava sempre mais interessado na depressão do que na esquizofrenia, fez algo decisivo. Ele decidiu agir sem o conhecimento da empresa farmacêutica que estava financiando sua pesquisa e administrou esse composto para a depressão. Os resultados obtidos foram uma revolução para a época.

Poucas semanas após o início do tratamento com imipramina, os pacientes com depressão crônica de Kuhn começaram a recuperar um senso de propósito, motivação e esperança. Seus sintomas depressivos, uma vez considerados intratáveis, responderam muito bem a esse novo fármaco.

Com a descoberta da imipramina, a psiquiatria finalmente teve tratamentos biológicos eficazes para seus três principais transtornos: a esquizofrenia, o transtorno bipolar e a depressão.

Durante muitos anos, a imipramina foi considerada o “padrão ouro” no tratamento da depressão maior. Embora seu uso regular tenha sido substituído, em grande parte, pelos novos ISRSs e IRSNs, ainda é útil no tratamento das depressões atípicas e refratárias.

4. Para a ansiedade e a insônia: Valium

O Valium foi inventado pelo químico Leo Sternbach em Hoffman-La Roche em Nova Jersey (1963), sendo o segundo fármaco de benzodiazepinas descoberto após o Librium (Psicosedim, no Brasil) em 1960.

 

As benzodiazepinas se tornaram muito populares nas décadas de 1960 e 1970 como ansiolíticos, porque seus efeitos secundários careciam da severidade dos efeitos adversos dos barbitúricos, a geração anterior de sedativos.

Uma sobredosagem de barbitúricos podia ser letal. Possivelmente, é graças a eles que existe o estereótipo cultural de “se matar com comprimidos para dormir”.

As benzodiazepinas são letais apenas em casos excepcionais, pois são muito seguras em caso de sobredosagem, embora sejam altamente viciantes. Como família, pertencem a três categorias: são ao mesmo tempo sedativos, ansiolíticos e hipnóticos. Tudo depende da molécula em questão, da dose e da meia-vida no sangue.

Mão cheia de comprimidos

5. Psicofármacos para o humor: Prozac

Nos últimos 30 anos, talvez nenhum medicamento psiquiátrico tenha sido mais conhecido do que o Prozac (fluoxetina), que foi descoberto por Eli Lilly and Company em 1970 e entrou em uso médico nos EUA. Foi um dos primeiros medicamentos ISRS.

Desde a introdução do Prozac, seguiram-se vários ISRSs, cada um com uma estrutura química e um perfil de efeitos secundários ligeiramente diferentes, mas semelhantes em seu mecanismo básico e na sua efetividade. A principal razão é que eles provocam poucos efeitos secundários e têm um amplo espectro de ações e indicações.

 

Os nomes dos ISRSs são: fluoxetina, fluvoxamina, paroxetina, sertralina, citalopram e escitalopram. A descoberta dos medicamentos ISRSs foi uma conquista histórica na psiquiatria, e hoje este é o tipo de medicamento mais receitado para depressão clínica, transtornos de ansiedade e transtorno obsessivo-compulsivo.