As vantagens de ler em papel

· agosto 27, 2018

Os dispositivos digitais surgiram como uma alternativa a ler em papel. Não é incomum ver pessoas lendo na rua usando um telefone celular, um tablet ou um e-reader. No entanto, apesar das facilidades oferecidas por este tipo de dispositivo, como a integração de várias funções, o formato impresso ainda é o preferido da maioria dos leitores.

A que se deve essa preferência por ler em papel? Uma das causas está na facilidade para entender os textos. Ler um texto no papel parece facilitar a compreensão em comparação com ler em um meio digital. Em outras palavras, os meios digitais representam uma desvantagem quando se trata de entender textos. Mas de onde vem essa desvantagem?

A morte do papel?

Muitas pessoas previram a morte dos livros em papel. No entanto, a passagem do tempo tem negado essa afirmação. Embora seu uso tenha diminuído, os livros impressos ainda são os favoritos. A palavra impressa é preferida para ler em profundidade, inclusive por pessoas que dedicam a maior parte do tempo de leitura ao meio digital.

Isso se deve ao fato de que entendemos melhor o que lemos quando lemos no papel, especialmente quando temos pouco tempo para ler. Além do que intuiríamos, parece que as novas gerações entendem mais precisamente quando comparamos a leitura no papel a ler em um meio digital.

Ficou provado que quando as pessoas que leem no papel são avaliadas em relação às que leem em um meio digital, as primeiras obtêm melhores resultados. Também foi descoberto que aqueles que leem em um meio digital superestimam seu nível de aprendizagem. Ou seja, imaginam que seu nível de aprendizagem será maior do que realmente é.

Os benefícios da leitura

Déficit nos processos metacognitivos

A explicação das vantagens de ler em papel em relação a ler em um meio digital deve-se a um déficit nos processos metacognitivos. Especificamente, em um déficit nos processos metacognitivos que são responsáveis ​​por monitorar a quantidade e qualidade da aprendizagem alcançada. Isto é, o que pensamos sobre os recursos cognitivos que serão necessários para aprender.

Portanto, quando lemos em um meio digital, fazemos estimativas mais distantes da realidade ao determinar os recursos cognitivos de que precisamos.

Os mesmos resultados comentados na seção anterior foram encontrados quando se limitava o tempo de leitura. Assim, quando havia um limite de tempo, tanto a estimativa quanto o aprendizado eram maiores quando se lia no papel do que quando se lia em um meio digital. Isso permitiu concluir que, de fato, a causa é um déficit metacognitivo.

As vantagens de ler em papel

Em resumo, é mais fácil aprender lendo textos no papel do que lendo textos em uma tela. A causa é a dificuldade no monitoramento metacognitivo, que provoca uma maior superestimação de aprendizagem e leva o aluno a uma atribuição insuficiente de esforço cognitivo. Em suma, a leitura na mídia digital nos leva a pensar que aquilo é mais fácil do que parece, e atribuímos menos recursos cognitivos do que realmente precisamos.

Por outro lado, o meio digital favorece um processamento mais superficial da informação. Isso afeta negativamente a leitura e a aprendizagem. Talvez o uso dos meios digitais para interações rápidas e apressadas nos leve a repeti-lo quando lemos.

A coisa não para por aí, já que fazer anotações à mão é mais eficiente do que escrever no computador. As anotações à mão tendem a ser mais elaboradas, e aqueles que as fazem obtêm melhores resultados nas provas.

Benefícios de ler em papel

Esses resultados têm importantes consequências na educação. A introdução da tecnologia digital nas salas de aula pode reduzir ou dificultar a aprendizagem. Talvez antes de optar diretamente pela tecnologia devido aos seus benefícios, devêssemos considerar os efeitos negativos para avaliar melhor as mudanças.