Vício de amar - A Mente é Maravilhosa

Vício de amar

setembro 23, 2015 em Emoções 2 Compartilhados
vício de amar

As pessoas desenvolvem vícios para se proteger de sentimentos insuportáveis e dolorosos (ansiedade, complexos, inseguranças, etc.). Elas evitam o contato com elas mesmas, com o seu sofrimento e desconforto, usando o vício como uma forma de fuga.

Um vício sempre cria consequências prejudiciais, mas eles são, muitas vezes, ignorados, especialmente nos primeiros momentos quando o hábito está sendo construído.

Quando percebe que tem um vício, a pessoa pode tentar lidar com ele ou pedir ajuda, seja para um membro da família ou para um profissional, embora haja também um grande número de pessoas que permanecem na situação, vivendo uma ilusão.

O vício de amar e os viciados em amor

Os viciados em amor, como os viciados em qualquer substância ou hábito, dedicam uma parcela enorme do seu tempo à pessoa que amam. Essas pessoas valorizam o amor acima de si mesmos, e sua maneira de amar é obsessiva.

Este tipo de comportamento dos viciados em amor faz com que eles se negligenciem de diferentes formas, como deixar de lado aspectos importantes de suas vidas e de seu bem-estar para ficar conectados com outras coisas e valores relacionados ao ser amado.

O vício de amor não é apenas associado às relações sexuais ou românticas. É possível que uma pessoa com essa tendência comportamental seja viciada em amar seus amigos, filhos, patrocinadores, líderes ou figuras religiosas, e até mesmo pessoas que nunca viram, como estrelas de cinema.

O núcleo da fantasia de um viciado em amor é a expectativa de que alguém possa resolver os problemas deles, ter uma consideração positiva incondicional por eles em todos os momentos, e que possam cuidar deles. Ou seja, os viciados em amor também se acham, ou querem ser, o centro das atenções. Quando a vida real não está de acordo com esta necessidade irreal, o amor dos viciados se torna ressentido e eles podem criar um conflito em suas relações com os outros.

Os viciados em amor, quando têm um relacionamento, ficam tão envolvidos que se negligenciam constantemente e esquecem de si mesmos.

Antecedentes: quando eram crianças

Pessoas que se tornam viciadas em amor, em geral, têm uma história de abandono de seus cuidadores primários. Os adultos viciados em amor são geralmente reconhecidos por terem sido crianças que não satisfaziam suas necessidades de validação e amor na relação com um ou com ambos os pais.

Isso pode afetar a autoestima drasticamente na vida adulta. É o resultado de um medo de abandono consciente e um medo subconsciente e subjacente de intimidade. Para um viciado em amor, a intensidade em um relacionamento é muitas vezes confundida com intimidade.

Como se recuperar

Tal como acontece com qualquer vício, a recuperação do vício de amar é um processo de autoconhecimento. Requer a adoção de medidas específicas: quebrar a negação e reconhecer o vício; entender as suas consequências prejudiciais e intervir para frear o círculo vicioso.

Ao final, os viciados em amor devem entrar em um processo de luto, para tratar a dor emocional subjacente que está no centro do vício do qual irão libertar. Uma das etapas deste processo, por exemplo, é a exploração das experiências de infância que podem ter causado a dependência de amar.

A sobriedade

Ao contrário de vícios de substâncias (como álcool, cocaína ou tabaco), o vício do amor é particularmente difícil porque, na realidade, os viciados precisam de amor para funcionar como humanos saudáveis e felizes.

Na recuperação, é importante ressaltar que o amor é saudável. Assim, eles devem estar conscientes de que podem obter suas necessidades de conexão íntima sem cair em comportamentos obsessivos.

Recomendados para você