Vício em TIC: intervenção psicológica

julho 7, 2019
Diante do vício em TIC, é necessário procurar uma intervenção psicológica formada por uma equipe multidisciplinar de profissionais.

O vício em TIC (tecnologias da informação e comunicação) se tornou um verdadeiro problema. Essa situação, que costumamos associar a crianças e adolescentes, também vem se tornando uma questão para um bom número de adultos.

Segundo a OMS, Organização Mundial da Saúde, entendemos como vício em TIC a doença psicoemocional e física capaz de criar dependência ou necessidade por uma atividade relacionada com a tecnologia da informação ou da comunicação.

Atualmente, a utilização das TIC é algo comum em nosso dia a dia. Praticamente todos nós checamos o celular em algum momento do nosso dia, jogamos algum jogo ou nos conectamos à internet.

“O vício não passa de um substituto muito degradado de uma verdadeira experiência de gozo”.
-Deepak Chopra-

O problema do vício em TIC

O que acontece quando um gesto tão simples como checar o celular para verificar se recebemos alguma mensagem se transforma em uma constante tão habitual que até sentimos ansiedade se não estivermos com o celular por perto?

É nesse momento que aparece o problema do vício. Ou seja, quando a pessoa que não consegue se conectar à internet sofre um estado de ansiedade tão intenso que não é natural. Então, começa um uso abusivo das novas tecnologias que é analisado psicologicamente dentro do grupo dos vícios.

Homem com vício em TIC

Obviamente, as consequências desse tipo de vício são variadas e dependem do indivíduo em questão. Por isso, em cada pessoa o problema pode se manifestar de uma forma ou de outra, dependendo de vários fatores.

Entre os sintomas mais comuns, encontramos o nervosismo, a agressividade, o isolamento do ambiente e os transtornos do sono. Mas estes não são os únicos, visto que esse vício afeta a pessoa em todos os níveis, desde o aspecto social até o pessoal e fisiológico.

O tratamento psicológico para o vício em TIC

Diante desse problema, a equipe especializada em psicologia da Universidade Internacional de Valência editou um pequeno manual chamado ‘Las áreas de la psicología y la aplicación de las nuevas tecnologías’ (‘As áreas da psicologia e a aplicação das novas tecnologias’, em tradução livre) com reflexões sobre o tratamento psicológico eficaz para esse tipo de vício.

De acordo com essa equipe de especialistas, o tratamento de um vício, neste caso do vício em tecnologias da informação e comunicação, deve se focar em dois objetivos principais. Por um lado, o abandono do vício e, por outro, a prevenção de futuras recaídas.

Durante o tempo de tratamento de um vício serão vários os especialistas envolvidos no caso. Os principais atores profissionais serão psiquiatras, psicólogos e trabalhadores sociais.

No entanto, a família e o ambiente ao redor da pessoa afetada também vão desempenhar um papel muito importante.

Dentro dessa equipe multidisciplinar de especialistas será realizada uma pesquisa que sirva para analisar cada caso específico, de maneira que se possa tratar as consequências analisando sua origem e os ambientes profissional, familiar e social envolvidos.

Mulher em sessão de terapia

Fases do tratamento do vício

Uma equipe de especialistas na intervenção de vícios costuma definir o tratamento que será realizado em quatro fases de vício. Vamos conhecê-las brevemente:

  • Fase I. Motivação: é a fase na qual o paciente deve reconhecer seu problema e entender que é preciso solucioná-lo. Dessa forma, buscará ajuda profissional. Nesse momento, o ambiente mais próximo será fundamental.
  • Fase II. Desintoxicação: entra em jogo a equipe de especialistas e profissionais que deverá conseguir fazer o paciente se tornar consciente de seu vício em TIC para ele que veja as consequências que esse comportamento causa em sua vida.
  • Fase III. Deixar o vício: esse é um momento crítico, visto que o paciente terá que demonstrar força de vontade e muita paciência. Ele precisa de muito apoio para retomar sua vida habitual, ao mesmo tempo em que controla seu vício.
  • Fase IV. Reabilitação: finalmente, chegamos à última fase na qual o paciente recupera suas habilidades prévias ao vício. Ele voltará a estabelecer relações saudáveis e naturais com o meio em que vive.

O vício em TIC tem uma possível solução prévia: a prevenção. É importante que, como pais ou tutores, sejamos conscientes do risco que as crianças e os adolescentes correm. Nós somos seus modelos. Dessa forma, podemos e devemos facilitar as coisas.