Os 12 arquétipos da personalidade de Jung

· março 19, 2019
Os 12 arquétipos da personalidade de Jung aparecem em todas as culturas. Eles estão na base de obras antigas, como 'Odisseia', e também se fazem presentes em criações contemporâneas, como 'Matrix'. Habitam o inconsciente coletivo.

Carl Gustav Jung é, talvez, o mais célebre dos dissidentes da psicanálise clássica. Ele se afastou dos conceitos de Freud e explorou as raízes ancestrais e coletivas do inconsciente. Dessa aventura intelectual surgiram novas luzes; entre elas, os 12 arquétipos da personalidade.

A partir da análise dos símbolos e mitos presentes em diferentes culturas, Jung estabeleceu os 12 arquétipos da personalidade. Estes são espécies de moldes ou padrões de comportamento, que definem formas específicas de ser. São também símbolos e imagens culturais que estão registrados no inconsciente coletivo.

“A pessoa não atinge a iluminação fantasiando sobre a luz, mas tornando as trevas conscientes… o que não se torna consciente se manifesta em nossas vidas como destino”.
-Carl Jung-

Jung define os 12 arquétipos como “uma tendência inata para gerar imagens com intensa carga emocional que expressam a primazia relacional da vida humana”. Uma espécie de impressão digital de toda a humanidade que permanece submersa no inconsciente de todos. Estas acabam definindo as características particulares de cada um de nós. Esses arquétipos são os seguintes.

Os 12 arquétipos da personalidade

1. O sábio

O sábio representa aquele pensador livre que faz do intelecto e do conhecimento sua principal razão de ser. A inteligência e a capacidade de análise são para ele o modo real de entender a si mesmo e entender o mundo. Corresponde a quem tem sempre à mão uma informação, um compromisso ou um argumento lógico.

Mulher madura sorrindo

2. O inocente

O inocente é aquele que parece ter lido todos os livros de autoajuda que existem no mundo e os transformou em seu DNA. Ele é otimista e busca a felicidade. Vê o lado bom de tudo. Além disso, quer se sentir perfeitamente adaptado ao mundo. Também quer agradar, pertencer, ser reconhecido pelos outros.

3. O explorador

Este é um dos 12 arquétipos de personalidade que corresponde ao viajante ousado. Aquele que sai na estrada sem definir uma rota definida, sempre aberto à novidade e à aventura. Tem um profundo desejo de descobrir e descobrir a si mesmo. Em seu aspecto negativo, é também o buscador do ideal que nunca está satisfeito.

4. O governador

O governador corresponde ao líder clássico, aquele que se considera o apto a colocar as regras do jogo em qualquer situação. Estável e preocupado com a excelência, ele quer que os outros façam o que diz e geralmente tem muitas razões para exigir isso. É um dos 12 arquétipos de personalidade relacionados ao poder, que também pode se tornar um déspota na ânsia de se impor.

5. O criador

O criador tem um desejo profundo de liberdade porque adora novidades. Adora transformar para fazer surgir algo totalmente novo que tenha seu selo. É espirituoso, inconformado e autossuficiente. Com muita imaginação, é cheio de genialidade. Às vezes ele é inconstante e pensa mais do que faz.

Inovação e criatividade

6. O cuidador

Se sente mais forte do que os outros e, portanto, esbanja uma proteção quase maternal sobre os que o cercam. Quer evitar qualquer dano para aqueles sob sua asa e pretende evitar que qualquer risco ou perigo ameace a integridade ou felicidade dos outros. Se não se controlar, ele se torna o mártir que censura os outros por seus sacrifícios.

7. O mago

O mago é equivalente ao grande revolucionário. Regenera e renova, não só para si mesmo, mas também para os outros. Ele mesmo está em constante processo de transformação e crescimento. Em seu lado negativo, é uma pessoa doente que adoece os outros. Às vezes, isso transforma eventos positivos em eventos negativos.

8. O herói

O eixo da vida do herói é o poder. Tem uma vitalidade e força descomunais que empenha para lutar pelo poder em si ou pela honra. Prefere qualquer coisa do que perder. Na verdade, não perde porque não desiste. Pode ser muito ambicioso e controlador.

9. O bandido

O bandido é outro dos 12 arquétipos de personalidade de Jung que fala de rebeldia. Este é um transgressor, provocador e completamente independente da opinião dos outros. Na verdade, gosta de ir contra e pensar com a própria cabeça, não por influência ou pressão. Em seu lado negativo, se torna autodestrutivo.

10. O amante

O amante é todo coração, todo sensibilidade. Ama o amor e, portanto, o esbanja. Não apenas amor romântico, mas todas as formas de amor. Sua maior alegria é sentir-se amado. Aprecia a beleza, a estética e os sentidos de uma forma refinada. Faz do belo, no sentido amplo, um valor superlativo.

Mão segurando coração de crochê

11. O tolo

O arquétipo do tolo também é conhecido como o arquétipo do louco. O louco ensina a rir, até de nós mesmos. Não tem máscaras e geralmente tira a máscara dos outros. Não se leva a sério, porque o jeito dele é aproveitar a vida. Em seu aspecto negativo, pode ser libidinoso, preguiçoso e guloso.

12. O órfão

O órfão é aquele que carrega feridas que não pode fechar. Se sente traído ou desapontado. Ele quer que os outros tomem conta dele e, como isso não acontece, experimenta decepção. Ele geralmente se junta a outros que se sentem como ele. Costuma se vitimizar. Na frente dos outros, ele se mostra inocente, mas tem um humor cínico.

O que apresentamos não é a única classificação dos 12 arquétipos de personalidade de Jung. Em outras categorizações aparecem diferentes arquétipos, embora basicamente sejam equivalentes àqueles que expomos na parte essencial. Eles se aplicam a muitos campos, incluindo a psicoterapia, o marketing e a arte.