3 dicas para recuperar o ânimo depois de uma situação difícil

abril 4, 2019
Para recuperar o ânimo depois de uma experiência difícil, podemos colocar em prática diferentes estratégias que nos ajudem a digerir o que aconteceu. Caso contrário, o poço emocional dessas experiências pode acabar nos afundando.

Todos nós passamos por experiências que, ainda que não sejam traumáticas, nos destroem. Uma discussão acalorada, ser vítima de alguma injustiça ou situações similares. Elas deixam um eco que às vezes se prolonga por horas e outras vezes durante dias ou semanas. Por isso, é importante conhecer algumas dicas para recuperar o ânimo depois de uma experiência que mexeu conosco.

O lado ruim é que essas situações difíceis, às vezes, nos deixam tão abatidos ou irritados que o próprio humor se transforma em fonte de novas dificuldades. Ao mesmo tempo, nos deixam incapazes de apreciar o que há de positivo ao nosso redor ou nos levam a criar novos conflitos para nos livrarmos desse excesso de animosidade que fica ao nosso redor.

Também há pessoas com condutas tóxicas que nos deixam envenenados, de certa forma, quando temos contato com elas. Elas nos trazem uma energia pesada ou nos deixam com um sabor muito negativo na alma. É preciso sair desses estados o mais rápido possível. Confira a seguir algumas dicas para recuperar o ânimo nestes momentos.

“Meus pés são meu único veículo, tenho que continuar seguindo em frente, mas enquanto vou, quero lhe dizer: Tudo vai ficar bem”.
-Bob Marley-

Dicas para recuperar o ânimo

1. Isolar o que é negativo

Uma situação ou uma pessoa que nos transmite algo muito negativo nos deixa como se ficássemos contagiados pelo pessimismo e o mau humor. Sem que percebamos, uma sensação de que tudo está errado se apodera de nós. Nós ficamos ranzinzas e difíceis. Sentimos um mal-estar, mas não conseguimos decifrá-lo completamente.

A primeira coisa que é preciso fazer para recuperar o ânimo é identificar o que nos causou a sensação ruim. O que exatamente nos incomodou nessa situação difícil? O que faz com que nos sintamos tão incomodados e irritados? Por que isso nos atormenta?

Fazer o exercício de responder a essas perguntas é muito importante por duas razões. A primeira, porque nos permite identificar de maneira mais precisa as causas do nosso mal-estar. A segunda, porque ao especificá-las podemos isolá-las. Não sentiremos mais que “tudo está errado”. Pelo contrário, poderemos visualizar onde está o problema. Isso nos traz tranquilidade e equilíbrio.

Mulher pensativa e preocupada

2. Identificar os ecos de angústia

Às vezes acontece de aparentemente conseguirmos recuperar o ânimo depois de uma dessas situações difíceis. Supostamente paramos de pensar nisso e concentramos nossa atenção em outra coisa. Desse modo, afastamos da nossa mente aquilo que nos causa mal-estar. Talvez possamos sentir algum incômodo ou tensão, mas se não dedicarmos nossos pensamentos a essas sensações, nós vamos nos acostumar. Por sua vez, elas vão diminuir de intensidade até que, finalmente, desaparecerão.

No entanto, é possível que alguns dias ou semanas depois comecemos a experimentar um sentimento de angústia. Segundo a psicanálise, “a angústia é um sintoma que não engana”. Isso significa que não aparece por acaso e que, quando surge, é sinal de que há situações a incorporar em nossa história. Sentimentos e emoções que não foram processados.

Portanto, a emergência dessa angústia deve ser entendida como um chamado. Um alerta que nos lembra que temos uma tarefa pendente. Esses ecos de angústia aparecem para nos perguntarmos se talvez, na verdade, não ignoramos alguma dessas situações difíceis.

Homem observando paisagem

3. Recuperar o equilíbrio

A melhor maneira de recuperar o ânimo é fazendo algo de que gostamos e retornando a atenção ao que nos interessa, depois de termos conseguido isolar os sentimentos e as emoções negativas que a situação difícil nos deixou. Nada nem ninguém tem por que arruinar o nosso dia. É inevitável passar por essas situações incômodas que estragam o bom humor de qualquer pessoa, mas não podemos permitir que esses sentimentos se mantenham.

Por isso, uma vez ordenadas as ideias sobre o que aconteceu, devemos nos dedicar a algo que nos faça bem. Para isso, há muitas opções: desde sair para tomar um delicioso sorvete, até dar um passeio, conversar com alguém de quem gostamos ou qualquer outra atividade que seja estimulante e positiva para nós. É uma maneira de recuperar o equilíbrio e vencer esses restos de mal-estar que fazem eco.

Olhar para o outro lado ou deixar que os incômodos invadam nossa mente, por mais tentador que seja, não são caminhos que costumam restaurar o equilíbrio que queremos encontrar. O caminho mais saudável é tirar um tempo para identificar e isolar o que nos atormenta. Em seguida, devemos fazer algo de que gostamos e depois voltar à nossa vida normal, virando a página do que aconteceu.

  • Augustine, N. R. (2001). Gestión de la Crisis. Grupo Planeta (GBS).