7 síndromes com nomes de personagens da literatura

· setembro 13, 2018

O reconhecimento das doenças mentais cresceu muito no último século. Anteriormente, elas eram consideradas questões de menor importância ou eram aglutinadas em uma mesma causa. O investimento nas pesquisas dessas doenças aumentou exponencialmente e hoje somos capazes de diagnosticar várias delas e, inclusive, preveni-las. Algumas são tão conhecidas que podemos até mesmo reconhecê-las como síndromes com nomes de personagens da literatura.

O que antes era uma característica peculiar ou uma excentricidade particular de um personagem, hoje pode ter um nome específico. A seguir, vamos apresentar as síndromes com nomes de personagens da literatura mais conhecidos, como Sherlock Holmes, A Pequena Sereia ou Holden Caulfield.

Síndromes com nomes de personagens da literatura

Síndrome de Dorian Gray

O protagonista de O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, tem uma doença que transforma sua preocupação pela perfeição em obsessão, o transtorno dismórfico corporal. Por isso, essa síndrome é acompanhada por uma percepção irreal do próprio corpo. Quem sofre dessa síndrome pensa que seus defeitos são muito notáveis e perceptíveis para os outros.

Além disso, a pessoa costuma processar com dificuldade o fato de que vai envelhecer. O amadurecimento provoca estresse e negação. Essa obsessão costuma conduzir a uma completa aversão pela aparência e um abuso de cirurgias estéticas.

Dorian Gray

Síndrome da Bela Adormecida

Outra das síndromes com nomes de personagens da literatura é a de Kleine-Levin, também conhecida como síndrome da Bela Adormecida. Ela afeta um pequeno número de pessoas durante curtos períodos de tempo. Caracteriza-se, principalmente, pela hipersonia, períodos de sono de pelo menos 18 horas de duração, embora também haja a presença de outras condutas. Geralmente, é tratada com estimuladores do sistema nervoso central.

Síndrome de Alice no País das Maravilhas

A micropsia costuma afetar crianças e geralmente desaparece na adolescência. A personagem Alice apresenta essa síndrome porque Lewis Carroll, o autor da obra, também sofria dela. Ela provoca uma alteração na percepção do tamanho e da distância dos objetos. Ou seja, os pacientes enxergam que os objetos estão menores e mais distantes. Essa não costuma ser a única característica dessa síndrome. O paciente também costuma apresentar epilepsia ou esquizofrenia.

Transtorno de estresse pós-traumático em As vantagens de ser invisível e O apanhador no campo de centeio

Dois personagens conhecidos esboçam um retrato crível desse transtorno: Charlie e Holden Caulfield. Ambos sofrem episódios de ansiedade e depressão, pois passaram por um estresse extremamente intenso devido a um acontecimento traumático. No caso de Charlie, esse acontecimento traumático é um contínuo abuso sexual por parte de um familiar. Para Holden, tem a ver com a morte de seu irmão Allie.

O transtorno de estresse pós-traumático geralmente causa sonhos ou pensamentos perturbadores relacionados com a experiência do trauma. Essa é uma das síndromes com nomes de personagens da literatura que se desenvolve com mais frequência em soldados de guerra.

Síndrome de Asperger (Sherlock Holmes)

Um dos personagens da literatura mais famosos de todos os tempos, Sherlock Holmes sofre de um caso grave de síndrome de Asperger. Essa síndrome se manifesta na sua noção restrita de conhecimento: a pessoa só domina informações úteis para a sua profissão Além disso, o indivíduo frequentemente fica obcecado com essas informações. Geralmente, tem dificuldades para reter informações que não afetam sua vida diária (como o ano em que vive, ou se a Terra gira ao redor do Sol), ao passo que uma pegada pode causar uma obsessão que dura dias.

Sherlock Holmes

Bovarismo (Madame Bovary)

Como a personagem de Flaubert, as pessoas que sofrem de bovarismo estão insatisfeitas com sua vida de forma crônica. Elas costumam se decepcionar em relação a vivências futuras que frequentemente não acontecem como esperavam. Isso gera um sentimento de frustração. As expectativas costumam ser desproporcionais e, inclusive, improváveis, o que contribui para que não se realizem.

Síndrome do acumulador compulsivo (A Pequena Sereia)

Apesar de essa síndrome não aparecer no livro, é característica do filme da Disney. Quem sofre dessa síndrome, como Ariel, tende a acumular ou comprar mais objetos do que é socialmente aceito. Apesar de estar relacionada, a síndrome do acumulador compulsivo não é sinônimo da síndrome de Diógenes. É um transtorno obsessivo-compulsivo que modifica a percepção da quantidade de objetos que pertencem a alguém.

Nossos personagens favoritos não são tão perfeitos quanto parecem. No fim, são reflexos de nós mesmos ou, pelo menos, produto da inspiração no mundo real. Graças a vários estudos, agora podemos “diagnosticar” nossos personagens. Isso não significa que deixemos de admirá-los, de forma alguma. Por outro lado, embora gostemos da “peculiaridade” como referência literária, não devemos enaltecer a doença. Basta conferir visibilidade a ela. Da mesma forma, isso não pode nos levar a deixar de apreciar nossos personagens. Afinal de contas, suas doenças os tornam únicos.