A.W. Staats e o behaviorismo psicológico

abril 11, 2019
Descubra o que é o behaviorismo psicológico e como ele explica o comportamento, a emoção e a personalidade humana.

O behaviorismo psicológico sustenta que a personalidade pode ser explicada por meio do comportamento observável. Foi em 1912 que Watson desenvolveu o behaviorismo, a teoria geral que inclui o behaviorismo psicológico. Posteriormente, Skinner ampliou ainda mais a teoria com sua formulação do behaviorismo radical. As abordagens mais recentes de A. W. Staats falam de um behaviorismo psicológico, que enfatiza a personalidade e o mundo interior de uma pessoa.

O behaviorismo psicológico de Arthur W. Staats estende o behaviorismo para o campo da psicologia. Postula que a psicologia pode ser explicada através de comportamentos observáveis. Os componentes da psicologia incluem a personalidade, o aprendizado e a emoção.

Nesse sentido, Staats foi o primeiro a propor que a personalidade consiste em um repertório de comportamentos aprendidos que surgem da interação do ambiente, da biologia, da cognição e das emoções. Essa teoria da personalidade é o principal componente do behaviorismo psicológico e, portanto, o separa das teorias do behaviorismo que o precederam.

Behaviorismo psicológico e personalidade

De acordo com a teoria da personalidade de Staats, existem três repertórios comportamentais que contribuem para uma teoria da personalidade.

  • O primeiro é o repertório senso-motor, que inclui habilidades senso-motoras e habilidades de atenção e sociais.
  • O segundo é o repertório cognitivo-linguístico.
  • O terceiro é o repertório emocional-motivacional.

Ao nascer, um bebê carece de todos esses repertórios. Mais tarde, os adquire através de uma aprendizagem complexa e se torna capaz de lidar com várias situações. Um indivíduo experimenta a vida, em grande medida, de acordo com sua bagagem, e à medida que cresce, desenvolve um repertório comportamental básico.

Behaviorismo psicológico e educação

O repertório comportamental básico de um indivíduo e sua situação de vida moldarão seu comportamento, o que, por sua vez, determinará o perfil da sua personalidade. Segundo esse modelo, a biologia interage com o ambiente e contribui para a formação da personalidade.

O behaviorismo psicológico considera que o estudo da personalidade é muito importante. Os testes de personalidade são considerados essenciais pois permitem prever quais comportamentos as pessoas irão mostrar e se estarão em risco.

Os testes também ajudam a identificar os comportamentos e os contextos que os facilitam. Isso ajuda a projetar ambientes que produzem os comportamentos desejados, evitando o desenvolvimento de comportamentos indesejáveis.

Educação

O behaviorismo psicológico argumenta que, à medida que as crianças se desenvolvem, aprendem repertórios básicos sobre os quais outros repertórios mais complexos são construídos. Isso é chamado de aprendizagem cumulativa. De acordo com o behaviorismo psicológico, esse é um tipo de aprendizagem exclusiva dos humanos.

De acordo com esse modelo de aprendizado cumulativo, quando as crianças aprendem um repertório como a linguagem, podem construir esse repertório com outros repertórios, como leitura e gramática. A partir daí, aprender esses repertórios de leitura e gramática leva à aquisição de repertórios complexos adicionais.

A pesquisa de Staats com seus próprios filhos e em seus estudos enfatizou a importância da criação. Ele mostrou que o treinamento precoce das crianças no desenvolvimento da linguagem e no desenvolvimento cognitivo levou a um desenvolvimento de linguagem mais avançado. A demonstração de uma maior inteligência nos testes de inteligência deixou isso claro. Muitos estudos realizados sobre este tema no campo da análise comportamental apoiam suas descobertas.

Linguagem

Staats indica que temos um grande número de palavras que provocam uma resposta emocional positiva ou negativa baseada no condicionamento clássico prévio. Como tal, podem transferir sua resposta emocional para qualquer que seja a correspondência.

A teoria básica de aprendizagem do behaviorismo psicológico também afirma que as palavras emocionais têm duas funções adicionais. Servirão como recompensas e punições para aprender outros comportamentos, e também para causar comportamentos de aproximação ou evitação.

O behaviorismo psicológico lida com vários aspectos da linguagem. Desde o seu desenvolvimento original em crianças até seu papel na inteligência e comportamento anormal. De fato, apoia tudo isso com estudos básicos e aplicados. Por exemplo, o artigo de Staats publicado na revista Behavior Therapy em 1972 ajudou a introduzir a terapia comportamental cognitiva (linguagem) no campo do comportamento.

Dificuldade de comunicação

Behaviorismo psicológico e distúrbios de comportamento

Em vez de aceitar o conceito de doença mental, o behaviorismo psicológico argumenta que os distúrbios comportamentais são simplesmente repertórios comportamentais aprendidos; ou, em qualquer caso, falta de repertórios de conduta. Isso impediria o indivíduo de gerenciar os eventos da vida.

De fato, a teoria do behaviorismo psicológico rejeita o conceito de doença mental. Em contraste, os distúrbios comportamentais são compostos de repertórios aprendidos de comportamento anormal. Os transtornos comportamentais estão associados à falta de assimilação dos repertórios básicos necessários para se ajustar às demandas vitais.

Assim, o behaviorismo psicológico sugere uma abordagem ligada a associações e consequências comportamentais para tratar distúrbios comportamentais. Também sugere a prevenção por meio da identificação e intervenção sobre as condições que os criam.

  • Carrillo, J. M., Collado, S., Rojo, N., & Staats, A. W. (2003). Personalidad, emociones y dolor. Clínica y Salud14(1).
  • Staats, A. W. (1979). Conducta social y problemas sociales. Modificación de conducta: Aplicaciones sociales, 75-102.
  • Staats, A. W., & tr Carrillo, J. M. (1997). Conducta y personalidad: Conductismo psicológico.
  • Staats, A. W. (1979). El conductismo social: un fundamento de la modificación del comportamiento. Revista Latinoamericana de psicologia11(1).