O que acontece quando não dormimos o suficiente?

· julho 24, 2015

Passar o dia com sono é uma sensação terrível, mas o que realmente acontece a mente e o cérebro quando não dormimos o suficiente?

O americano Randy Gardner tem um recorde do período mais longo de privação de sono intencional, documentado cientificamente.

Sem a ajuda de estimulantes, conseguiu se manter acordado durante 264,4 horas, ou seja 11 dias e 24 minutos!

Parte da sua motivação era demonstrar que a falta de sono não é ruim, mas ele se enganou: dormir pouco dói muito! Sofreu com a paranoia, alucinações, mudanças de humor e uma série de problemas psicológicos que descreveremos a seguir.

Na verdade, ele não percebeu que muitos dos problemas que o angustiavam eram consequência da falta de sono.

10 efeitos psicológicos e riscos para a saúde associados à falta de sono

1. Dormir pouco faz que o cérebro seja menos eficiente

Os cérebros que são privados de sono não são eficientes e precisam trabalhar mais para conseguir os mesmos resultados. Isso foi demonstrado em pesquisas com neuroimagens, que mostram que o cérebro das pessoas que dormem pouco precisam bombear mais sangue ao córtex pré-frontal, procurando se opor aos efeitos da privação de sono.

2. A memória de curto prazo se reduz

Dormir pouco provoca falhas em nossa memória. Sem memória de curto prazo, uma pessoa não pode nem sequer manter alguns dígitos de um número de telefone na mente, e muito menos realizar alguma operação complexa. Por isso, quando a pessoa tem privação de sono, tende a ser esquecido.

Ao homem que esteve mais dias sem dormir, Randy Gardner, pediram várias vezes que fizesse uma subtração simples. Não a fez, argumentando que não sabia o que lhe estavam pedindo.

3. Dormir pouco faz perder a memória a longo prazo

O sono também tem um papel importante na consolidação da memória a longo prazo. Enquanto dormimos, nossos novos pedidos cerebrais são incorporados e dão sentido às coisas que aconteceram. Não só isso; a aprendizagem também se consolida enquanto dormimos.

4. Perda de atenção

Uma pessoa costuma ter uma boa capacidade atencional: pode distinguir uma voz entre muitas, ver objetos pequenos, identificar as coisas que se movem em um mar de informação visual. Contudo, dormir pouco significa que a sua atenção irá se esgotar muito mais rapidamente. Sem dormir o suficiente, não podemos prestar tanta atenção aos sentidos como gostaríamos.

Isso traz como resultado, em parte, essa estranha sensação de distração que experimentamos quando estamos cansados.

5. Sem dormir não é possível planejar

Depois de 36 horas sem dormir, a capacidade de planejar e coordenar as nossas ações começa a falhar.

As provas demonstram que a capacidade fundamental para decidir quando e como iniciar ou deter qualquer atividade diminui rapidamente com a falta de sono. Dormir pouco aumenta significativamente a incapacidade para tomar decisões.

6. Os maus hábitos do sono se acentuam

Da cama, há pouca dificuldade para fazer planos ou controlar a forma de iniciar ou deter as ações, e recorre-se aos sistemas automatizados do cérebro. Com isto quero dizer: hábitos.

Com menos horas de sono, nos baseamos na repetição de ações nas mesmas situações. Esta notícia pode ser positiva quando se trata dos bons hábitos, mas e se os hábitos forem ruins e é necessário adequá-los?

7. Dormir pouco é mais arriscado

Qualquer um que tenha jogado uma partida de pôquer até altas horas da noite conhece os estranhos efeitos do cansaço na sua avaliação do risco.

As pesquisas que utilizam os jogos de baralho descobriram que, com poucas horas de sono, os jogadores se amarram a uma rotina estratégica. Parecem incapazes de mudar o seu plano de jogo baseado na experiência. A perda de sono implica aceitar riscos, e às vezes seria melhor ter a clareza para tomar a decisão de parar.

8. A morte das células cerebrais

Diferentes pesquisas mostraram que não dormir mata as células e causa danos cerebrais. Um estudo recente em ratos descobriu que cerca de 25% das células cerebrais morrem devido a uma prolongada falta de sono. Outros estudos descobriram que há uma perda da integridade da substância branca no cérebro, provavelmente devido à falta de sono.

Dormir pouco não é bom psicologicamente, nem fisiologicamente.

9. Aparecem os delírios

Se uma pessoa sofre de falta de sono de forma regular, ela começa a experimentar delírios. Os sintomas incluem psicose, paranoia, níveis extremamente altos de energia da vida, alucinações, agressividade e muito mais.

Ligações importantes foram descobertas entre a insônia e as doenças mentais. Infelizmente, a própria doença mental pode, por sua vez, causar insônia. 

Existem diferentes opiniões de como curar a insônia sem drogas, como os métodos de avaliação e intervenção cognitiva-comportamental.

10. Dormir pouco aumenta os acidentes

Uma das coisas que dão medo pela falta de sono é que as horas de vigília se acumulam com o tempo e a pessoa se sente sobrecarregada.

Se você perde uma ou duas horas de sono todas as noites, você talvez não perceba que isso causa um efeito prejudicial com o tempo. As pesquisas dizem que as pessoas que estão na direção e que dormem pouco não se dão conta da gravidade do problema.

Dormir pouco ou passar a noite em claro e dirigir pode ser pior do que dirigir embriagado. Os efeitos são similares, mas o motorista é menos consciente.

Depois de 11 dias sem dormir…

Depois de estar acordado durante 11 dias, Randy Gardner disse que tinha dormido mais de 14 horas na primeira noite, 10 horas a noite seguinte, e depois se recuperou completamente.