Adultos com altas habilidades: quais são suas características?

outubro 14, 2019
Os adultos com altas habilidades apresentam muita sensibilidade. Geralmente, se sentem excluídos da sociedade e têm a sensação de não conseguirem alcançar as suas próprias expectativas.

Os adultos com altas habilidades ou talento intelectual nem sempre sabem que têm essa característica. Como passam a infância de maneira atípica, é comum atingirem a maturidade se sentindo excluídos, desconectados de uma realidade pouco estimulante, rígida e monótona.

Nem todas essas pessoas com mentes brilhantes alcançam o sucesso profissional e até a felicidade.

Calvin Coolidge, trigésimo presidente dos Estados Unidos, disse que o maior problema da sociedade é que ela não tem a oportunidade de demonstrar o seu verdadeiro potencial. J

á se passaram quase 100 anos desde que essa frase foi pronunciada. No entanto, esse mesmo problema ainda existe, apesar de todos os avanços científicos, sociais e psicológicos.

Figuras como Carol S. Dweck, professora de psicologia em Stanford, apontam que nós ainda pensamos que pessoas inteligentes têm sucesso garantido. No entanto, algo frequentemente observado é que adultos com altas habilidades e crianças superdotadas convivem com a eterna sensação de que “há algo de errado com eles”.

No seu dia a dia, eles enfrentam dissonâncias. Contradições entre o que sentem e o que os outros expressam. Distâncias entre o que eles estão procurando e o que lhes é oferecido.

Eles sentem, por sua vez, que o mundo é muito rígido e estruturado, e sua mente é excessivamente curiosa, desafiadora e inconformista.

Todas essas realidades internas definem aqueles adultos com altas habilidades que precisam de orientação adequada e mecanismos eficazes para construir uma vida mais satisfatória.

“Se você trabalha o suficiente, se impõe, usa a sua mente e a sua imaginação, pode moldar o mundo de acordo com os seus desejos”.
– Malcolm Gladwell –

Adultos com altas habilidades

Características dos adultos com altas habilidades

Há um aspecto que devemos esclarecer em primeiro lugar. Não existe uma realidade de causa-efeito que comprove que todas as crianças superdotadas serão adultos infelizes ou adultos bem-sucedidos que desfrutam de um alto nível de bem-estar.

Assim como ocorre com qualquer pessoa, tudo depende do ambiente, de uma educação mais ou menos afetiva, de ter recebido adaptações curriculares adequadas na escola, de ter sofrido bullying ou ter tido uma infância com um bom círculo social.

Assim, adultos com altas habilidades fazem o que podem das suas vidas partindo das suas circunstâncias pessoais. No entanto, algo que devemos ter em mente é que, se não nutrirmos esses dons excepcionais desde cedo, eles poderão não florescer com capacidade total.

  • Não identificar o aluno com altas habilidades é um obstáculo para que todos se realizem profissional e pessoalmente. Ainda mais, a própria sociedade também perde um potencial incrível.
  • Se não lhes dermos os meios, se não facilitarmos o caminho, dando-lhes apoio adequado, muitos não terão acesso às carreiras científicas ou artísticas nas quais trariam múltiplos avanços para o nosso mundo.

Vejamos, a seguir, quais são as características que costumam definir os adultos com altas habilidades.

Mulher sentada em píer diante do mar

Insatisfação por não atender às suas próprias expectativas

Os adultos com altas habilidades podem ocupar postos de trabalho de boa posição. Eles podem ter um emprego para ganhar a vida. No entanto, há algo que falha, algo desafinado nessa falta cotidiana de objetivos, nessa vida monótona e cinzenta.

  • A sua mente está cheia de grandes objetivos. São pessoas muito exigentes que colidem com essa realidade que é muito estruturada e pouco estimulante.
  • Isso geralmente os leva a ter problemas com os seus colegas de trabalho e com os seus superiores. O que eles viveram na fase escolar se repete novamente. São aquelas pessoas que fazem perguntas desafiadoras, aquelas que ninguém entende e que rotulam como hiperativas, estranhas, inconformistas…

Os adultos com altas habilidades apresentam uma alta sensibilidade emocional

Os adultos com altas habilidades têm um extenso histórico de decepções. São perfis com valores elevados, com um senso de justiça muito marcado. Essas dimensões fazem com que se sintam frustrados com uma realidade que não se encaixa em seus esquemas.

  • É comum que se esforcem para esconder o sofrimento. Eles querem mantê-lo escondido, silenciando camada após camada. No entanto, às vezes, quando a decepção aparece novamente, a dor revela instantaneamente os sentimentos.
  • Quer queiram ou não, são perfis com uma alta sensibilidade; portanto, sentem-se magoados, enganados e vivem em uma roda gigante emocional, na qual passam da efusividade à tristeza em pouco tempo.

Precisam se conectar profundamente com outras pessoas

Estudos publicados na revista Behavioral Science conduzidos pelo Dr. Francis Heylighen fornecem um resumo exaustivo dos problemas cotidianos que os adultos com altas habilidades encontram.

Uma ideia que muitas vezes é tomada como certa – quando na verdade não corresponde à realidade – é que essa personalidade carece de habilidades sociais.

Vamos pensar que eles cresceram, em muitos casos, cercados por pessoas com as quais não tinham afinidades, que não compartilhavam os seus interesses, que não viam o mundo da mesma maneira. Isso dificultou a socialização com a qualidade necessária.

Quando atingem a idade adulta, continuam a experimentar vazios sociais. Eles desejam essa conexão emocional e, acima de tudo, intelectual, na qual as paixões estabelecem os mesmos objetivos.

Além disso, querem relações nas quais os interesses compartilham os mesmos espaços que a cumplicidade, a necessidade de aprender e desafiar o estabelecido, de contribuir com algo a mais para o mundo…

Casal ao anoitecer

Como podemos ver, esse grupo da nossa sociedade ainda precisa de muitas respostas, estratégias e mudanças.

A detecção precoce em crianças, bem como o apoio psicológico em adultos, pode facilitar o caminho não apenas para que possam se realizar com base em suas expectativas pessoais, mas também para alcançarem o bem-estar e a felicidade.

  • Heylighen, F. (1992). Gifted People and their Problems. Behavioral Science37, 39–58.
  • Kreger Silverman, Linda (2011) Enjoying the Gift of Being Uncommon: Extra Intelligent, Intense, and Effective. CreateSpace