Como ajudar um filho que se sente fracassado

· abril 22, 2019
Um filho que sente que fracassou é aquele que renuncia a lutar pelo que deseja. Ele se sente derrotado antes mesmo de tentar. Seus pais podem agir para reorientar a sua postura diante de si mesmo e da vida.

A maioria dos pais quer que seus filhos sejam felizes, que encontrem seu próprio caminho e consigam ser realizados na vida. Porém, isso nem sempre acontece. Às vezes o pai, a mãe, ou ambos precisam lidar com um filho que se sente fracassado por não ter cumprido as expectativas, sejam elas próprias ou dos demais. Geralmente, essa sensação de fracasso começa muito cedo e, por isso, os pais podem se sentir confusos.

Um filho que sente que fracassou desperta diversas reações nos pais. Em quase todos os casos, surgem sentimentos de angústia e de culpa. Estes são traduzidos em comportamentos que vão desde a negação do problema a mudanças importantes na família.

Quando a situação é abordada acertadamente e a tempo, costuma ser uma grande oportunidade para ajustar o que não está dando certo. Do contrário, poderia levar a problemas ainda mais graves.

Soma-se, ainda, o fato de que muitas vezes os pais não detectam essa sensação de fracasso. Assim, diante da falta de identificação, a intervenção não acontece. Em outros casos, os pais sabem da existência da sensação de fracasso muito depois dela começar a contaminar o filho. Então, a intervenção fica ainda mais complicada.

“Cada pai deve se lembrar de que seu filho vai seguir seu exemplo em vez do seu conselho”.
-Charles Kettering-

Como um filho que se sente fracassado se comporta?

Às vezes, é relativamente simples perceber que um filho se sente fracassado. Ele se expressa verbalmente ou pede ajuda porque está estagnado em um ponto e não consegue progredir. No entanto, também acontece dessa sensação de fracasso passar despercebida ou que os pais se neguem a reconhecê-la.

Dessa forma, é comum que a sensação de derrota se manifeste de forma indireta: através de relações conflituosas com os demais, indisciplina ou comportamentos incomuns.

Uma criança que, por exemplo, só quer assistir TV, pode estar se sentindo presa, com uma sensação de angústia muito forte, pois sente que não consegue fazer o que lhe é proposto. Por outro lado, devemos nos lembrar de que as crianças tendem a manifestar a tristeza ou o mal-estar com raiva.

Às vezes, um filho que se sente fracassado cresce em um lar no qual já existe este sentimento, de forma que ele só precisa interiorizá-lo. Pode ser que, em uma determinada medida, seus pais ou tutores também se sintam assim. Essa é exatamente uma das razões pelas quais o adulto mais próximo pode negar o problema: reconhecê-lo e refletir sobre suas causas e consequências pode acabar sendo um exercício de introspecção e auto-análise que, ainda que na maioria dos casos produza resultados positivos, também será difícil.

Menino se sentindo fracassado

A análise do fracasso

Na verdade, o fracasso não é um estado, mas uma atitude. Há fracasso quando uma pessoa se sente derrotada e acredita que não vale a pena fazer nada a respeito. Não é uma atitude que nasce com o ser humano, é algo que se aprende a partir das experiências vividas e dos estilos de criação recebidos.

É normal que uma criança se sinta derrotada, já que sua imaturidade pode impedi-la de observar seus erros com objetividade. O problema surge quando isso se transforma em um estado habitual.

Se o filho se sente fracassado, existe uma alta probabilidade de que algo esteja faltando em sua criação. Em particular, pode ser que a criança não esteja recebendo estímulos afetivos suficientes, ou que não esteja sendo acompanhada em seu estado de formação de forma adequada. Por isso, desconfia do que é capaz de fazer e não consegue abordar e superar os erros que pode estar cometendo.

Mãe consolando filha adolescente

Uma criança que tem problemas acadêmicos ou de comportamento na escola talvez precise mais de uma ajuda do que de um castigo. Suas dificuldades podem ser um sinal de fragilidade ou confusão. Nesse caso, e em muitos outros, é necessário compreensão, aproximação e apoio.

Isso não é resolvido levando a criança ao psicólogo para que ele o “conserte”, embora essa medida possa ajudar. A criança está gritando por atenção, controle e amor. Uma parte importante dessa situação deve ser abordada diretamente pelos pais; para esse papel, eles não podem ser substituídos.

Antes de levar essa criança a um profissional de saúde, fazendo-a pensar que é uma criança-problema, seria conveniente que os pais fizessem terapia. É importante que os pais avaliem seus acertos e suas falhas no processo de formação dos filhos.

Também é importante que se enriqueçam com ideias sobre a melhor forma de abordar a situação. Se a dificuldade for detectada a tempo e for assumida com responsabilidade, as probabilidades de que o problema seja resolvido com rapidez e sem deixar marcas que manchem o crescimento da criança são maiores.

  • Marina, J. A. (2010). La inteligencia fracasada: teoría y práctica de la estupidez. Anagrama.