Ambivalência afetiva: o que eu quero e o que devo

Você sente emoções opostas como amor e ódio ao mesmo tempo? Você não entende por que isso está acontecendo com você? Sentir emoções contraditórias faz parte da complexidade do ser humano.
Ambivalência afetiva: o que eu quero e o que devo

Última atualização: 27 Julho, 2021

Todos nós sofremos de ambivalência afetiva em algum momento de nossas vidas, pois somos seres complexos e cheios de emoções, sentimentos e contradições. É um estado em que é possível sentir alegria e tristeza ao mesmo tempo, bem como amar e odiar uma pessoa ao mesmo tempo. Você já amou alguém e sentiu um grande ressentimento pela forma como ele o tratava? Você já se sentiu feliz ao ver um parente, mas sentiu uma tristeza pelo comportamento dele?

A ambivalência afetiva faz parte da gama emocional do ser humano. Em sua justa medida, a ambivalência é considerada adaptativa, uma vez que sentir emoções opostas nos ajuda a tomar decisões diante das dúvidas que vivemos e a enfrentar situações que geram conflitos. No entanto, viver cheio de contradições e dúvidas gera angústia e mal-estar.

O que nos faz sentir ambivalência emocional? Qual é a origem do fato de experimentar emoções opostas? Estamos realmente cientes dos motivos que nos levam a nos sentir assim? Os padrões familiares e nosso aprendizado familiar nos influenciam? Essas questões evidenciam a enorme complexidade emocional do ser humano, conforme destacado por Daniel Goleman em sua teoria da inteligência emocional.

Mulher pensativa

O conceito de ambivalência

Bleuer foi o primeiro a adotar esse termo em 1911 para se referir ao estado de espírito em que duas emoções opostas coexistem, como amor e ódio.

A ambivalência é definida como um estado de conflito de emoções, onde são vivenciados pensamentos e/ou emoções que são de natureza oposta. A ambivalência afetiva é experimentada como desagradável ao perceber duas emoções contraditórias ao mesmo tempo.

“Ambivalência é a atitude emocional sublinhada em que coexistem impulsos contraditórios, geralmente amor e ódio, que derivam de uma fonte comum e, portanto, são considerados interdependentes”.
-Bleuler-

De onde vem a ambivalência afetiva?

Partimos do princípio de que nossa forma de sentir e pensar está associada ao nosso conhecimento do mundo, à forma como o vivenciamos. Serge Moscovici, em sua teoria das representações, explica que nosso comportamento é regido por um código com o qual classificamos tudo o que nos acontece e damos sentido a tudo o que vivemos.

Da mesma forma, de acordo com a corrente sistêmica, a forma como vivemos o que nos rodeia é influenciada por um fator essencial: a família. O sistema familiar nos transmite certas informações, inconscientemente ou conscientemente, sobre o mundo e sobre como se comportar nele.

Em suma, podemos afirmar que nossa maneira de nos relacionarmos com as emoções e com os nossos pensamentos está fortemente relacionada a dois elementos fundamentais: o sistema familiar e nossas próprias crenças baseadas em nosso próprio conhecimento do que nos rodeia. 

O sistema familiar, um fator chave

Segundo Salvador Minuchina família é um sistema formado por uma rede de relações que, por sua vez, compõem outros subsistemas. É concebido como um todo diferente da soma de suas partes, que passa por um ciclo de vida no qual evolui por diferentes estágios aos quais o sistema se adapta.

Cada família implica certas normas, regras, padrões, limites e hierarquias que determinam sua adaptação e funcionalidade. Um padrão é composto por três áreas: o pensamento sobre o mundo, a emoção desse pensamento e, por fim, o comportamento que temos nas duas áreas anteriores. Consequentemente, a educação recebida em nosso sistema familiar transmite intrinsecamente certos hábitos e crenças aos quais estamos acostumados.

“A família é o sistema que define e configura o desenvolvimento da pessoa em maior medida desde a sua concepção”.
-Bronfenbrenner-

A família nos define

Para uma família pode haver comportamentos normalizados que, para outra, podem não ser. Por exemplo, uma família em que o jantar é feito em um determinado horário, todos juntos e comendo a mesma comida, e outra em que cada um janta no seu horário, ninguém espera para comer e cada um come o que quiser.

Já aconteceu com você de, ao visitar alguém, observar certos padrões que são diferentes na sua casa? Outra situação comum pode ocorrer em reuniões de amigos, quando alguém relata um episódio na família que seria impensável para a sua.

“A família funciona como um todo, onde o comportamento de cada um está relacionado e depende dos demais”.
-Salvador Minuchin-



  • Bronfennbrenner, U. (1987). La Ecología del Desarrollo Humano, Barcelona, Paidos.
  • Minuchin, S. (1986). Familias y Terapia Familiar, Barcelona, Gedisa.
  • Goleman, Daniel (1996). Inteligencia Emocional. Kairós.