Apego seguro: a fortaleza do vínculo saudável

· janeiro 23, 2018

O desenvolvimento de um apego seguro protege a saúde mental dos mais jovens. Não ter que tratar os diferentes problemas que podem surgir em seus relacionamentos por causa da presença de um vínculo prejudicial durante a infância irá ajudá-los no futuro. No entanto, será que os cuidadores estão preparados para favorecer este tipo de apego?

Sempre que tratamos o apego, nós o fazemos focalizando em crianças. Mas hoje vamos tratar os cuidadores como protagonistas. Estas figuras são tão importantes que muitas vezes as culpabilizamos, mas eles também tiveram suas próprias experiências, e o que acontece é que talvez nunca tenham sido ensinados a agir de forma diferente.

Pensamos que o natural é que os cuidadores eduquem as crianças como eles foram educados, ou indo para o extremo oposto. Em qualquer caso, tomando como referência a sua própria experiência e as conclusões que se internalizaram a partir dela.

“Crianças com relacionamentos seguros: o ponto de partida de uma vida cheia de possibilidades.”
-Anônimo-

Abraçando um apego seguro que nunca foi fornecido

É muito difícil para um adulto ser capaz de dar ao seu filho um apego seguro se ele ou ela tem um apego inseguro ou ansioso. Portanto, é importante que os cuidadores trabalhem este aspecto, seja sozinhos ou com a ajuda de um psicólogo. Com uma boa orientação e foco, você pode obter os 3 pilares fundamentais do apego seguro.

Quais são esses pilares? A sensação de constante segurança, o desejo de proximidade e a regulação emocional. Se o cuidador não adquire e internaliza estes pilares, é muito difícil transmiti-los. Sem querer, você estará transmitindo a seus filhos um apego que está longe de ser seguro.

Terapia de casal

Este processo pode parecer muito difícil, especialmente para aqueles que nunca foram capazes de desenvolver um apego seguro em qualquer um dos seus relacionamentos. Conseqüentemente, o profissional a quem os cuidadores procuram deve trabalhar, primeiramente, o apego seguro na relação adulto-terapeuta. Pois o apego seguro não é apenas entre cuidador e seu filho, mas também em outros tipos de relacionamentos, como entre um casal ou amizade.

Acima de tudo, o terapeuta vai ajudar o cuidador em diferentes tarefas: detectar as suas emoções, identificá-las, compreendê-las e externá-las de forma adequada. Nestes casos, a repressão ou a anestesia emocional é algo muito comum cuja origem pode ser um trauma ou uma experiência que o marcou de uma forma importante. Fazer um relato desta experiência para que a pessoa possa integrá-la em sua história de vida de uma forma positiva será um dos pilares do apego seguro.

“Reprimir os sentimentos das crianças não é uma coisa boa, porque poderiam eventualmente acarretar problemas emocionais e mesmo cair em depressão. É melhor sempre ter um diálogo constante com elas para expressar suas emoções com palavras, e não com lágrimas. ”
-Anônimo-

Uma vez que o cuidador sabe como se relacionar com um apego seguro e deixou no esquecimento o apego inseguro ou ansioso que ele sofreu, então é hora de dar o próximo passo e se relacionar com as crianças desta nova maneira. Se você tiver internalizado bem o apego seguro, isso não será um problema. No caso de não ser assim, nós teremos que retroceder e continuar trabalhando no relacionamento entre adulto-terapeuta.

Não se trata de fugir

Embora desejemos ser capazes de dar às crianças o apego seguro que trará tantos benefícios, é importante dar, primeiro, atenção a nós mesmos. Além do mais, em muitos casos, é necessário pensar nas crianças para encontrar a motivação suficiente para seguir e não deixar o caminho pela “metade”.

Não se trata de fugir. Não importa se os anos se passaram. Pelo menos quando estivermos prontos, saberemos que podemos fazê-lo bem porque mudamos e melhoramos a nós mesmos. Quando pensarmos que o que estamos fazendo é absurdo, que não vamos mudar nada porque somos mais velhos ou que é um desperdício de tempo, devemos parar de pensar em nós mesmos e pensar neles, no quanto podemos ajudá-los se fizermos essa mudança.

Pés de mãe com seu filho

Queremos ver os nossos filhos, no dia de amanhã, sofrendo de dependência emocional e com uma depressão profunda? Queremos que eles sejam incapazes de estabelecer relações estáveis com alguém por causa de um medo profundo de que serão abandonados? Isso é real, e acontece mais vezes do que pensamos. A falta de autoconfiança, medos, inseguranças, dependência

“Se queremos uma criança independente e autoconfiante, teremos que tentar estabelecer um relacionamento seguro com ela. Isso significa estar presente e disponível, compreender e responder às suas necessidades como tal.”
-Mariel Bonnefon-

Curar-nos não é importante somente para os nossos filhos, mas também para nós mesmos. Nós vamos desfrutar de um maior equilíbrio, nos sentir mais feliz e seremos capazes de ter relações mais saudáveis com os outros. Vale a pena em todos os sentidos, por isso não neguemos a nós mesmos o direito de amadurecermos neste aspecto, de crescermos e aprendermos a nos relacionarmos de outra forma. Com um apego seguro que não nos deram, mas que nós recuperamos.