Mitos e verdades sobre a aprendizagem durante o sono

· janeiro 22, 2019
Até agora, existem apenas dois dados concretos sobre o tema da aprendizagem durante o sono. O primeiro, que é possível aprender enquanto estamos dormindo, embora de maneira limitada. E o segundo, que a ciência não sabe como isso ocorre e por quê.

A aprendizagem durante o sono, ou hipnopedia, tem sido altamente promovida. Há muitas mensagens publicitárias nas quais se assegura que basta deixar a lição “reproduzindo” enquanto dormimos e, ao despertar, teremos adquirido uma série de conhecimentos. Isso é verdade? O que a ciência diz sobre isso?

A atratividade do método é o pouco esforço que exige para os resultados que promete. Supostamente, você aprende sem fazer qualquer esforço. E, em teoria, aprende bem: acaba aprendendo algo novo sem se dar conta e, também, sem dificuldades ou erros. Isso é visto como uma alternativa para aqueles que não gostam muito de estudar. Você dorme ignorante e acorda sabendo.

“Qualquer ajuda desnecessária é um obstáculo para o desenvolvimento.”
-Maria Montessori-

Como tema publicitário é, sem dúvida, muito atraente. No entanto, na prática, as coisas podem ser muito diferentes. Talvez os comerciantes tenham partido de uma base científica mas, em algum momento, levaram isso muito mais além de onde realmente pode ir. Vamos ver do que se trata.

A aprendizagem durante o sono

Em primeiro lugar, deve-se dizer que a aprendizagem é um processo através do qual há uma transformação na perspectiva ou no comportamento de uma pessoa a partir de experiências adquiridas. Tais experiências podem ser de natureza física ou mental. O que é certo, em qualquer caso, é que após aprender algo, a pessoa não é como antes.

A aprendizagem durante o sono

Por outro lado, a aprendizagem não é apenas o que é lembrado conscientemente. A memória é apenas uma parte desse processo. Uma aprendizagem não gera apenas memórias, mas mudanças na atitude, na maneira de fazer e de ver a realidade.

Durante o sono há basicamente duas fases: o sono REM e o sono NREM. O primeiro também é chamado de “movimento rápido dos olhos”. A ciência descobriu que existe uma relação entre essa fase do sono e a consolidação da memória. No entanto, esses mecanismos ainda não são totalmente compreendidos.

Foi estabelecido que a memória que é consolidada durante essa fase é a de longo prazo. Também que, se a pessoa é privada desse lapso de sono, não apenas ocorre esquecimento, mas também um estado de estresse. Se uma pessoa recebe estímulos externos durante essa fase, não descansará adequadamente. Apesar disso, é possível ocorrer uma aprendizagem durante o sono?

Um experimento sugestivo

Para estabelecer se a aprendizagem durante o sono é possível, foi realizado um experimento no Weizmann Institute em 2014, que foi então publicado na Nature Neuroscience. O experimento envolvia a aprendizagem pelo condicionamento.

Os voluntários foram expostos a uma série de timbres com diferentes tons enquanto dormiam. Ao mesmo tempo, um aroma se expandia. Isso foi repetido várias vezes, mas, no final, removeram o estímulo olfativo.

Experimento sobre a aprendizagem durante o sono

No dia seguinte, alguns membros do mesmo grupo foram submetidos conscientemente ao estímulo sonoro. O resultado foi que quase todos eles sentiram o aroma da noite anterior, embora não estivesse presente. Em uma palavra, eles haviam “aprendido” a associar ambos os estímulos enquanto dormiam.

Isso leva à conclusão de que é possível gerar um certo tipo de aprendizagem durante o sono, embora com limites muito precisos. O primeiro, que o que foi gerado foi uma aprendizagem totalmente mecânica, sem racionalização. Nenhum dos que participaram da experiência lembrava do que havia acontecido na noite anterior. Da mesma forma, com o tempo também pararam de associar o som e o cheiro. Portanto, tudo se tratava de uma aprendizagem muito básica e efêmera.

Algumas conclusões parciais

O que surpreendeu os cientistas do Weizmann Institute foi que a aprendizagem durante o sono, por mais limitada que fosse, havia sido adquirida em outras fases distintas da fase REM. Aparentemente, o cérebro é mais receptivo aos estímulos externos durante a fase REM, mas no experimento, foi verificado o contrário.

Menina dormindo em peixe

A verdade é que o que não sabemos sobre o sono é muito maior do que o que sabemos sobre ele. O que está claro é que se trata de um processo fundamental para o ser humano. Ao dormir, o cérebro realiza uma espécie de depuração, eliminando dados que não servem e consolidando os que são relevantes. Ao mesmo tempo, quando não se dorme bem, surgem consequências negativas para a saúde.

Até o presente momento, não há evidências sobre a aprendizagem durante o sono, pelo menos em questões que exigem raciocínio. Também não há certeza sobre a duração e o alcance de qualquer outra aprendizagem que ocorra durante o sono. Portanto, pelo menos por enquanto, provavelmente continuaremos aprendendo pelo estilo tradicional.

  • Siegel, J. M. (2001). The REM sleep-memory consolidation hypothesis. Science. https://doi.org/10.1126/science.1063049