As diferentes camadas da nossa pele psicológica

A expressão de ter a pele muito fina é popular. Costumamos usá-los para rotular aquelas pessoas que reagem muito intensamente às críticas. Mas em que consiste realmente o fenômeno? Por que isso acontece?
As diferentes camadas da nossa pele psicológica

Última atualização: 28 julho, 2022

Nossa pele tem mais receptores sensoriais em alguns lugares do que em outros. Uma carícia no pescoço pode deixar nossos cabelos em pé, o mesmo no braço pode não produzir esse efeito. É mais improvável. Bem, a mesma coisa acontece em nosso mapa emocional que povoa a área de toda a nossa pele psicológica com receptores. Lá temos alguns pontos mais sensíveis do que outros, com algumas áreas onde a pressão mínima é capaz de produzir uma reação muito forte.

Esse modelo de ação-reação é especialmente marcado na crítica. Nossa maneira de processá-los dependerá de muitos fatores, e um deles será como nos toca, quando nos toca e como nos toca. O mesmo comentário que em um determinado momento podemos tomar como brincadeira, em outro pode produzir uma grande rejeição, ser o estopim que acende a chama de uma discussão intensa.

Amigos falando sobre simbolizar o narcisismo conversacional

A crítica que nos fere

Imagine que você está tentando aprender um idioma há alguns meses. Que você usou o pouco tempo que tem para começar a aprender palavras e se familiarizar com as expressões mais populares. Além disso, imagine que você tem um amigo que fala perfeitamente.

Um dia você se encontra e diz a ele para onde está direcionando seus esforços. A consequência imediata é que ele o encoraja a praticar com ele. Você fica um dia e, assim que começa, a crítica também começa. Alusões à sua maneira de aprender, aos recursos que você usa, até mesmo à sua aptidão.

Você vai para casa com a sensação de que o esforço que está fazendo é inútil. E isso te deixa com raiva, porque é um esforço muito grande. Sua pele psicológica está irritada.

Imagine a mesma situação em um contexto de férias, em que pela manhã você decidiu passar uma hora aprendendo o mesmo idioma. Você fez alguns exercícios de gramática e assistiu a alguns vídeos. Você está levando de forma descontraída e o encontro com seu amigo ocorre no mesmo contexto. A crítica do seu amigo te incomoda um pouco, mas não é a mesma coisa. Você mesmo sabe que não está levando isso muito a sério.

Além disso, você aceita que seu amigo lhe diga que você deve levar isso a sério. Você não questiona que ela está lhe contando para o seu próprio bem, e que ela está apenas tentando avisá-lo da dificuldade da empresa se você não levar isso a sério. Daí o comentário dele de que se você não vai realmente entrar nisso, é melhor deixar. Em grande medida, você compartilha o que ele pensa.

Sem problemas. A crítica de sua parte foi a mesma; no entanto, sua sensibilidade não. Sua pele psicológica naquela época era menos sensível, mais adaptável.

Rapaz falando com garota com personalidade sociotrópica

O contexto da crítica: onde a pele psicológica se afina

É por isso que é tão importante entender que não controlamos o que os outros nos dizem. No entanto, temos uma grande margem de ação para nos posicionarmos contra isso. No primeiro caso do exemplo, poderíamos tentar nos abstrair de nossas circunstâncias pessoais e ver o comentário de nosso amigo, que passou por um momento ruim, de um lado positivo. Tire proveito de suas palavras. Considere, da mesma forma, abrir mão de outro objetivo para dedicar mais horas àquela língua que queremos aprender.

Inclusive valor que você queria nos encontrar para discutir um interesse que é nosso. Sua intenção foi nos ajudar, embora seus comentários possam ter nos ferido.

Claro que é diferente se entendermos que ele queria que este encontro demonstrasse sua superioridade, esfregasse na nossa cara o que ele sabe e nós não. No entanto, isso não é o mais comum. Pessoas com essa inclinação perigosa tendem a preferir um contexto público para se gabar de suposta superioridade ou usar habilidades que ele desenvolveu desde a última vez e não nós. Normalmente, o interesse nas condições que descrevemos é para nos favorecer, para realmente nos ajudar.

Por outro lado, ele também pode ter tido um dia ruim, sua pele psicológica também pode estar dolorida. Vindo de uma reunião com seu chefe em que você não valorizou muito seu trabalho, de uma discussão com seu parceiro em que você só recebeu reprovações. Por isso, neste contexto de ajuda, é bom começarmos por perguntar ao outro como está, assim podemos interpretar melhor as suas palavras, conhecer o seu contexto, sair um pouco do eu.

Além disso, na sensibilidade à crítica ocorre outro fenômeno curioso. Todos nós, em relação ao nosso autoconceito, lidamos com rótulos que não queremos que sejam colocados em nós.

A pontualidade, por exemplo. Há pessoas que acumulam horas de suas vidas esperando pelos outros. Imagine que uma delas muda de emprego e no primeiro dia na sua nova empresa o horário do ônibus é diferente do que lhe foi dito na semana passada quando ela foi buscar informações e ela está atrasada. Um dos primeiros comentários de seu superior é que eles levam a pontualidade muito a sério. Por exemplo, embora seu superior não saiba, você tocou seu subordinado em um ponto muito sensível para ele.

Todos nós temos esses pontos sensíveis, assim como não controlamos muitas das circunstâncias que nos cercam.

Pode interessar a você...
Não quero falar com ninguém: possíveis causas e o que fazer
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Não quero falar com ninguém: possíveis causas e o que fazer

Quando alguém diz "não quero ver ninguém", às vezes esconde algo mais do que a simples necessidade de solidão momentânea. Descubra mais nesse artig...



  • Esnaola, I., Goñi, A., & Madariaga, J. M. (2008). El autoconcepto: perspectivas de investigación. Revista de psicodidáctica13(1), 69-96.
  • Goñi Palacios, E., Fernández Zabala, A., & Infante Borinaga, G. (2012). El autoconcepto personal: diferencias asociadas a la edad y al sexo. Aula abierta.
  • Gozaíni, O. A. (1995). Formas alternativas para la resolución de conflictos (p. 15). Depalma.
  • Viveros, J. A. (2003). Liderazgo, comunicación efectiva y resolución de conflictos. OIT.