As pessoas com hipocondria tentam controlar a morte

Os pacientes hipocondríacos ficam obcecados com a ideia de contrair uma doença, manter a saúde ou evitar a morte. O psiquiatra Ingvard Wilhelmsen criou uma intervenção na qual 70% dos hipocondríacos conseguem se recuperar.
As pessoas com hipocondria tentam controlar a morte

Última atualização: 21 maio, 2022

As pessoas com hipocondria tentam controlar a morte. Para fazer isso, elas realizam exames médicos contínuos para monitorar a aparição de possíveis problemas.

A hipocondria é um comportamento independente da idade, sexo ou origem. O que as pessoas com comportamentos hipocondríacos têm em comum é uma preocupação excessiva com a saúde.

O desafio que a maioria dos hipocondríacos enfrenta é não morrer agora. É possível ver qual projeto eles têm com base nas doenças em que estão interessados.

Os que estão preocupados com a morte se atentam ao coração, câncer e derrames, enquanto os que estão preocupados em ser fisicamente saudáveis ficam atentos a, por exemplo, uma esclerose múltipla (EM) ou esclerose lateral amiotrófica (ELA).

Por quase 20 anos o psiquiatra Ingvard Wilhelmsen dirigiu uma clínica para hipocondríacos, além de realizar seu trabalho como médico de medicina interna. Com a ajuda de sua adaptação à terapia cognitivo-comportamental, de 60 a 70% de seus pacientes experimentam uma melhora significativa.

O que é hipocondria?

Uma pessoa hipocondríaca vive com medo de ter uma condição médica grave, apesar dos os exames de diagnóstico mostrarem que sua saúde está boa. Os hipocondríacos experimentam uma ansiedade extrema devido a mensagens corporais que a maioria das pessoas não presta atenção.

Por exemplo, sua atenção pode ser tomada por um espirro, que eles podem temer ser o sintoma de uma doença horrível.

A hipocondria é responsável por cerca de 5% da atenção médica ambulatorial anual. Mais de 200.000 pessoas são diagnosticadas com hipocondria (também conhecida como transtorno de ansiedade da doença) a cada ano. Esse é um distúrbio de saúde mental.

Geralmente ela começa no início da idade adulta, e pode se manifestar depois que a pessoa ou alguém que ela conhece sofre uma doença ou após a perda de alguém para uma condição médica grave.

Cerca de dois terços dos hipocondríacos têm um transtorno psicológico coexistente, como transtorno do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) ou depressão maior. Os sintomas da hipocondria podem variar, pois dependem de fatores como estresse, idade e se a pessoa já se preocupa muito.

A ansiedade pela saúde pode realmente ter seus próprios sintomas, pois é possível que a pessoa sinta dores de estômago, tontura ou dor como resultado da ansiedade avassaladora. De fato, a ansiedade por uma doença pode tomar conta da vida do hipocondríaco a tal ponto que sua preocupação e hábito de viver com medo sejam tão estressantes que a pessoa fique debilitada.

Mulher com as mãos na cabeça preocupada em estar doente.
A hipocondria pode acontecer com qualquer um, mas as pessoas que estão predispostas à ansiedade são mais vulneráveis.

O que desencadeia a hipocondria?

Embora não haja realmente uma causa específica, sabemos que as pessoas com ansiedade de doença são mais propensas a ter um membro da família que também é hipocondríaco, enquanto a pessoa com ansiedade de saúde pode ter passado por uma doença grave e teme que sua experiência ruim se repita.

Além disso, também é provável que a pessoa esteja passando por um período de grande estresse ou tenha sofrido uma doença grave na infância. Ou, elas podem já ter uma condição de saúde mental, e a hipocondria faz parte dela.

As pessoas com hipocondria tentam controlar a morte, seu aparecimento ou desenvolvimento. De alguma forma, é como se elas pensassem que sua preocupação com a doença faria com que ela fosse retrasada.

O tratamento de Ingvard Wilhelmsen

O psiquiatra Ingvard Wilhelmsen criou um tratamento para a hipocondria que envolve falar sobre a morte e desistir de tentar controlá-la. Isso é algo que os hipocondríacos preferem evitar. Para isso, ele criou uma série de etapas que levam à recuperação de aproximadamente 70% dos pacientes.

1. Estar disposto a ser mortal

Os pacientes com hipocondria há vários anos e que tentaram psicoterapia sem melhora são encaminhados para Wilhelmsen. Ele desenvolveu um curso de tratamento de três etapas que os pacientes devem seguir.

O primeiro ponto é aceitar a própria mortalidade. O motor do projeto de um hipocondríaco é justamente controlar a morte. “Não há problema em querer o controle da vida, mas devemos nos ater a coisas que são controláveis. A morte é, a princípio, incontrolável“, explica Ingvard Wilhelmsen.

2. Acreditar que você está saudável ou doente

O próximo passo no método de Wilhelmsen é coletar como dado se você acha que está doente. Não se pode escolher se desejamos estar saudáveis ou doentes, mas sim no que queremos acreditar a cada momento. E se você optar por acreditar que está saudável, deverá se comportar como se de fato acreditasse.

Para os pacientes de Wilhelmsen, trata-se de parar de ler sobre doenças, deixar de verificar o coração e pulso se tiver medo de doenças cardíacas ou parar de procurar tumores ou tremores por medo de câncer ou ELA.

3. Suportar a incerteza

O terceiro passo de Wilhelmsen consiste em adquirir estratégias psicológicas para lidar com as incertezas e pensamentos. Todo mundo tem pensamentos catastróficos, isso não é incomum. O problema com tais pensamentos é que a resposta está sempre no futuro.

O segredo é trabalhar com os pacientes para ensiná-los a reconhecer tais pensamentos e reduzir sua influência. A pessoa deve trabalhar com a ideia de que pensamentos são apenas pensamentos.

Muitos dos pacientes acreditam que existe uma sensação de segurança em se preocupar com o futuro. Mas o sofrimento não se torna mais fácil de lidar porque você praticou com antecedência, isso é inútil. Se você receber um diagnóstico de câncer grave, ficará triste e chocado, não importa o que aconteça.

Garota preocupada na terapia psicológica.
As pessoas com hipocondria pensam que se preocupar continuamente com seu estado de saúde as protege das doenças.

Eficácia a longo prazo

Após três a cinco sessões, a grande maioria dos pacientes de Wilhelmsen se recupera. De fato, em um acompanhamento de um grupo de pacientes dez anos depois, eles ainda estavam estáveis.

O segredo é parar de tentar controlar os eventos relacionados à doença e à morte. Se o objetivo é paz e tranquilidade na mente e no corpo, então não se pode esperar por uma sensação de segurança completa. Essa é uma escolha que precisa ser feita.

Finalmente, um estudo foi iniciado para determinar por que o método de Wilhelmsen funciona tão bem. A investigação também descobrirá se os métodos de Wilhelmsen podem ser ensinados e usados por outras pessoas. O objetivo é descobrir mais sobre quando a mudança ocorre e por qual motivo.

Pode interessar a você...
Como ajudar uma pessoa com hipocondria?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Como ajudar uma pessoa com hipocondria?

A pessoa com hipocondria se preocupa excessivamente com a sua saúde e a possibilidade de desenvolver doenças. Saiba mais sobre como ajudá-las.



  • Barsky, A., Ahern, D., & Bentata, L. C. (2004). La terapia cognitivo-conductual es efectiva en pacientes hipocondríacos. FMC-Formación Médica Continuada en Atención Primaria11(8), 521.
  • Veddegjærde, K.-EF, Sivertsen, B., Skogen, JC, Smith, ORF y Wilhelmsen, I. (2020). Efecto a largo plazo de la terapia cognitivo-conductual en pacientes con trastorno hipocondríaco. BJPsych Open, 6, Artículo e42. https://psycnet.apa.org/record/2020-38012-001
  • Wilhelmsen. Hypochondriasis or Health Anxiety. Reference Module in Neuroscience and Biobehavioral Psychology, 2017. https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/B9780128093245064579?via%3Dihub