O que é a associação livre?

· janeiro 31, 2018

A associação livre é uma ferramenta da psicanálise criada pelo próprio pai deste campo clínico, Sigmund Freud. Consiste em convidar o paciente a expressar tudo aquilo que passe pela sua mente durante uma sessão de terapia. A intenção é que haja o menor número de filtros possível ou de preconceito entre o que o paciente pensa e o que ele diz ao terapeuta.

A associação livre tem seus fundamentos teóricos, assim como toda uma técnica. Há formas específicas de aplicação e também objetivos. É a técnica primordial da psicanálise utilizada em diversos contextos. Um deles é a aplicação de testes projetivos, como o teste de Rorschach e o teste de apercepção temática (TAT).

História da associação livre

Sigmund Freud desenvolveu e foi aperfeiçoando esse conceito ao longo do tempo. Isso se deu entre os anos de 1892 e 1898. Freud foi substituindo progressivamente o método da hipnose e o método catártico – que utilizava no início – pela associação livre. Essa evolução foi motivada por um objetivo muito concreto: evitar que o paciente fosse sugestionado.

A partir de uma intervenção com uma de suas pacientes, a senhora Emmy Von N, em 1982, Freud começou a criar o método da associação livre. Essa paciente pediu diretamente a Freud que ele parasse de intervir em seu discurso, e que a deixasse falar livremente.

Sigmund Freud trabalhando

Posteriormente, em sua obra “O método psicanalítico” de 1904, Freud explica as razões pelas quais teria abandonado a hipnose. A partir dos trabalhos de Breuer, outro psicanalista, Freud se dá conta de que a hipnose produzia resultados apenas parciais e transitórios.

Ao contrário, o método da associação livre suprimia as resistências do paciente. Desse modo, o acesso ao material inconsciente, como as lembranças, afetos e e representações, era muito mais confiável. Além disso, os efeitos alcançados pela associação livre eram permanentes, com a vantagem de não colocar ninguém sob efeito da hipnose. Dessa forma, o método catártico e hipnótico foi definitivamente substituído pela associação livre. Esta se converteu na regra fundamental e meio privilegiado de acesso e investigação do inconsciente.

Fundamentos teóricos da associação livre

Quando uma pessoa fala, ela faz uma seleção das palavra que quer utilizar para criar um sentido coerente com a mensagem que pretende compartilhar. Apesar desse processo de seleção, que é mais ou menos rápido, costumam aparecer falhas na linguagem. Alguns exemplos são os lapsos de linguagem, esquecimentos, repetições, etc. Estas falhas nas conversas fora do contexto terapêutico não costumam ser analisadas. No contexto analítico, porém, elas têm enorme importância.

“O inconsciente está estruturado como uma linguagem.”
-Jaques Lacan-

Precisamente, no contexto analítico essas falhas são entendidas como uma manifestação do inconsciente. É como se, de algum modo, o conteúdo ultrapassasse a barreira defensiva do inconsciente da pessoa. Algo parecido acontece com a associação livre.

O paciente, ao se ver liberado pelo terapeuta de qualquer controle, de necessidade de disciplina e de dar um sentido lógico a suas ideias, cai no cenário perfeito para se deixar levar pelo inconsciente. Este adquire força, chega à mente, e se expressa na linguagem. A barreira defensiva, as resistências, são enfraquecidas, e é possível então ter acesso ao conteúdo inconsciente.

“A voz do inconsciente é sutil, mas nunca deixa de ser ouvida.”
-Sigmund Freud-

Para Freud, expor as resistências e então analisá-las é completamente essencial para alcançar o inconsciente e a cura. Isso só acontece por meio da associação livre. Junto à associação livre, a interpretação dos sonhos e a análise de outros atos falhos são as três técnicas essenciais da clínica analítica. Sendo assim, a associação livre se torna imprescindível, tanto que para Freud é a técnica que mais identifica a psicanálise. É a técnica que a diferencia de forma mais marcante de outras abordagens terapêuticas.

Os mistérios do universo humano

Como acontece a associação livre?

A associação livre pode surgir espontaneamente ou ser induzida a partir de um sonho, fantasia ou qualquer outro pensamento. Para que ela ocorra, no entanto, e para que realmente se configure como uma associação livre, são necessárias algumas condições.

Uma delas é que haja uma confiança na relação com o analista. Na psicanálise, essa confiança é chamada de transferência. Outra condição é que se tenha compreendido que o discurso analítico está em um lugar diferente do que uma simples conversa habitual fora do contexto da consulta. Nada do que é dito numa sessão será julgado, nada está certo ou errado. Tudo que é falado é válido.

No momento em que o paciente se deixa levar por seus pensamentos e consegue expressá-los abertamente com seu analista, o inconsciente se expressa. As representações inconscientes afloram, são permitidas, e podem então ser analisadas, interpretadas e trabalhadas. Obtendo acesso ao material inconsciente, é possível elaborá-lo de maneira consciente. O objetivo dessa elaboração é que o conteúdo deixe de ser uma fonte de mal-estar ou de conflito.

“Há em todo ser humano desejos que não querem ser comunicados aos outros, e desejos que não querem nem confessar sua existência.”
-Sigmund Freud-

Como facilitar a associação livre?

Podemos concluir que a associação livre surgirá com mais facilidade se o paciente se sente cômodo tanto no espaço analítico quanto com seu analista. Deve haver também a menor estimulação possível pelo ambiente que o rodeia. Classicamente, usa-se o divã para tanto. Nele, o paciente se encosta e o analista fica fora de seu campo de visão, evitando assim que o paciente se sinta observado, julgado, e possa então se concentrar completamente em suas associações.

O enunciado que o analista dá para o paciente é muito simples. Por exemplo: “diga qualquer coisa”. Ou: “diga tudo o que surgir na sua mente, como uma imagem ou qualquer lembrança que se apresente”. A partir daí, o paciente tem absoluta liberdade para expressar tudo aquilo que passe por sua mente. Ele não deve se preocupar em fazer um discurso elaborado ou em agradar seu analista. Finalmente, a prática de uma boa associação livre permitirá uma análise que renda muitos frutos e, em última instância, uma melhora subjetiva do estado do paciente.

Por que a hipnose foi abandonada?

Com a hipnose, alcançava-se sim o material inconsciente. O problema era que, na maioria das vezes, quando o paciente saía do estado hipnótico, ele não se lembrava conscientemente do que havia dito. Desse modo, voltavam para o jogo de resistências. O resultado era a palavra do analista contra a palavra do paciente, criando assim um embate.

Por outro lado, como a associação livre acontecia em um estado de plena consciência, esse embate não era criado. Não restava opção ao paciente senão incorporar o falado e tentar lidar com aquilo que havia dito e que chamou a atenção do analista.

Sob o estado hipnótico o material inconsciente era acessado, mas novamente reprimido após o término da hipnose, e o paciente poderia duvidar do analista. Com a resistência novamente agindo, isso provavelmente aconteceria. Isso dificultava muito o trabalho do analista e colocava a transferência entre o paciente e o terapeuta em perigo.