Você acaba atraindo aquilo que tenta evitar

Você acaba atraindo aquilo que tenta evitar

abril 28, 2016 em Psicologia 962 Compartilhados
Você acaba atraindo aquilo que tenta evitar

Nós gastamos muito tempo e energia tentando evitar aquilo que não queremos que aconteça, mas por que acabamos conseguindo exatamente o oposto? Esta é uma questão que enfrentamos habitualmente. É possível que a solução se encontre em mudar a nossa perspectiva e o nosso foco de atenção.

São muitas as situações que queremos controlar em nossas vidas: trabalho, estudos, relação amorosa, relações sociais, etc. Nós precisamos ter uma certa ilusão de controle, que acompanhe a sensação de que tudo está em ordem. Para isso, fazemos uma auditoria de todos os possíveis perigos, acreditando que desta forma podemos intervir para nos proteger de suas possíveis consequências.

A realidade é bem diferente. Estes perigos em que nós pensamos e para os quais até nos preparamos são uma recriação da nossa mente que nos gera ansiedade por antecipar o que pode acontecer. Acabamos por nos perder nas possibilidades de tudo o que pode acontecer, impedindo assim que possamos apreciar e aproveitar o que vivemos agora.

“A profecia de um sucesso leva ao sucesso da profecia. A única condição é que alguém se profetize ou se deixe profetizar e que logo considere isso como um fato com existência própria, independentemente de si mesmo ou de alguém iminente. Dessa forma, a pessoa chega exatamente onde não queria chegar.”
-Paul Watzlawick-

Onde podemos colocar a nossa atenção?

De alguma forma, com os nossos pensamentos estamos determinando a nossa conduta, os nossos hábitos e, finalmente, o nosso destino. Por isso, é muito importante responder onde estamos colocando a nossa atenção. Sem perceber, podemos facilmente nos ancorar no sofrimento ao ruminar pensamentos negativos, especialmente aqueles que estão conectados em forma circular.

Uma boa estratégia para identificar a nossa “tendência de pensamento” consiste em observar estes pensamentos para de alguma forma “nos pegarmos em flagrante” em pleno processo intelectual autodestrutivo. Entenderemos assim o problema ao qual não paramos de dar voltas e queremos evitar, e vamos poder nos questionar para que serve continuar pensando tanto nisso.

Questionar os próprios pensamentos é essencial para poder modificá-los a nosso favor. Também é importante não acreditar em tudo o que você pensa, deixando em aberto a possibilidade de que existem outras perspectivas que neste momento não somos capazes de ver.

Olhando atrás da porta

O nosso foco de atenção tem o poder de centrar toda a nossa energia em um assunto específico, perdendo assim a perspectiva de um todo global. Quando fazemos isso perante algo que nos desagrada, a nossa experiência gira em torno disso.
Compartilhar

O nosso cérebro não entende a negação

A nossa mente está preparada para compreender um determinado tipo de informação através da linguagem. Dependendo do que o nosso cérebro entende, poderemos vivenciar uma experiência ou outra. É por isso que podemos estar nos comunicando com nós mesmos de uma forma prejudicial sem nos darmos conta.

O nosso cérebro associa pensamentos com imagens e o “NÃO” não está integrado nestas imagens. Se você quer tirar a prova, pode dizer “não vou pensar em um elefante cor-de-rosa” e vai comprovar como você acaba pensando neste elefante cor-de-rosa. Este fenômeno que se produz na nossa mente é conhecido na psicologia como “Teoria dos processos irônicos” (Wegner, 1994).

A teoria de Wegner nos indica que as tentativas de controlar as experiências internas tendem a fracassar porque não entendemos a forma como elas funcionam, e por isso conseguimos o contrário daquilo que pretendíamos. É assim que geramos o oposto daquilo que queríamos controlar.

Quando estamos preocupados e magoados com algum assunto, repetirmos uma vez e outra que não queremos pensar neste assunto só vai intensificar que continuemos pensando mais nele. O mesmo acontece quando damos estes conselhos a outras pessoas.

Preste atenção às mensagens que você manda a si mesmo, transforme as negações em afirmações: em vez de dizer: “Não vou pensar sobre quando eu caí naquela reunião”, diga: “Vou pensar nos elogios que me fizeram naquela reunião”.
Compartilhar

Lâmpada acesa

Atrair o que queremos em vez de evitar o que não queremos

Uma estratégia para não cair neste erro tão comum pelo qual atraímos aquilo que queremos evitar é mudar a nossa perspectiva. Mudar o ponto de referência e guiar os nossos pensamentos de maneira consciente, escolhendo nós próprios (e não eles por inércia) o lugar em que os deixaremos livres. Quando tivermos pensamentos recorrentes sobre algum assunto desagradável, podemos usar as seguintes estratégias:

  • Falar de forma positiva, construindo mensagens afirmativas sobre o que queremos conseguir. Em vez de dizer: “Não quero pensar na discussão com meu namorado”, diga: “Quero pensar no quanto amo o meu namorado”.
  • Colocar o foco de atenção em alguma atividade prazerosa: ouvir uma música da qual você gosta, dançar, cozinhar, praticar algum esporte, etc.
  • Se você quer mudar algo importante, terá que fazer algo diferente, modificar hábitos e comportamentos que estão mantendo aquilo que você não gosta.
  • Pense e vá atrás do que você quer conseguir, do que precisa ou do que gostaria de atrair para você. Incorpore estas mensagens na sua forma de se comunicar.

Tentar controlar o que queremos evitar na nossa vida só nos vai levar a pensar mais nisso. É como se fosse uma profecia autorrealizada: vamos acabar atraindo isso. Pense que tentar suprimir o pensamento não só não é a solução, como também favorece que o problema apareça cada vez mais. A estratégia mais inteligente consiste em prestar atenção no que queremos e nos concentrarmos nisso, em vez de focar no que queremos evitar.

Recomendados para você