Autoexaltação: mostrando nossos pontos positivos

17 Janeiro, 2021
Como seres humanos, precisamos mostrar nossos aspectos positivos, nossas habilidades e capacidades. Este é um comportamento normal e adaptativo que possui diferentes vieses que devem ser conhecidos para que possamos reconhecê-los, principalmente em nós mesmos. Vamos vê-los, mas primeiro faremos um pequeno teste.

A autoexaltação é uma das três motivações relacionadas à avaliação do Eu. Estamos falando de uma motivação que nos permite manter um autoconceito positivo. Assim, além de responder à necessidade de termos uma imagem favorável de nós mesmos, também nos esforçamos para mostrar essa imagem aos outros. Às vezes fazemos isso de forma consciente e explícita, mas em muitos casos fazemos isso sem ter consciência.

Se a imagem de uma pessoa tiver sido prejudicada ou ferida de alguma forma, ela pode se sentir motivada a repará-la. Assim, uma das respostas naturais pode ser a autoexaltação como uma forma de tentar compensar ou diminuir o negativo.

Seja como for, quer a nossa imagem tenha sido prejudicada ou não, temos de mostrar os nossos aspectos positivos, as nossas aptidões e capacidades. Esta disposição não é patológica nem prejudica a adaptação da pessoa ao seu meio; isso desde que não quebre o equilíbrio e se torne um problema ou uma necessidade que esconde um problema maior. Um exemplo é encontrado nas relações de trabalho ou acadêmicas, quando o excesso de autoexaltação pode ser um sinal de baixa autoestima.

Vieses da autoexaltação

Há uma tendência a dar explicações causais para os sucessos ou fracassos de alguém. Podemos envelhecer e parar de perguntar “Por que…?” o tempo todo, mas isso não significa que a origem, causas ou razões dos eventos tenham deixado de nos interessar. Por outro lado, é comum atribuirmos os sucessos alcançados às nossas características pessoais (atribuições de autoaperfeiçoamento).

No entanto, exceto em certos estados emocionais que nos tornam mais propensos ao contrário, também é muito comum que as explicações dos nossos fracassos se localizem em causas externas, como o azar ou a intervenção de outras pessoas. Estas são as atribuições da autoproteção. A verdade é que o comportamento motivacional da autoexaltação tem diferentes vieses que devem ser conhecidos para que possamos reconhecê-los em nós mesmos. Vamos ver mais sobre isso, mas primeiro faremos um pequeno teste.

Mulher caminhando na rua feliz

Um pequeno teste

1 Fracassar em uma prova Comparando-me com outras pessoas semelhantes a mim, este fato é
Mais provável de acontecer com outras pessoas do que comigo 1
Tão provável para mim quanto para os outros 2
Mais provável de acontecer comigo do que com outros 3
2 Tentar aprender uma nova habilidade (cozinhar, um esporte ou um instrumento musical) Mais provável de acontecer com outras pessoas do que comigo 1
Tão provável para mim quanto para os outros 2
Mais provável de acontecer comigo do que com outros 3
3 Perder um compromisso importante por ter esquecido Mais provável de acontecer com outras pessoas do que comigo 1
Tão provável para mim quanto para os outros 2
Mais provável de acontecer comigo do que com outros 3
4 Perder contato com uma pessoa com quem você tem amizade há anos Mais provável de acontecer com outras pessoas do que comigo 1
Tão provável para mim quanto para os outros 2
Mais provável de acontecer comigo do que com outros 3
5 Em um grande grupo (mais de 5 pessoas), faça um comentário engraçado e faça todos rirem Mais provável de acontecer com outras pessoas do que comigo 1
Tão provável para mim quanto para os outros 2
Mais provável de acontecer comigo do que com outros 3
6 Alguém reclamar da maneira como você se comporta Mais provável de acontecer com outras pessoas do que comigo 1
Tão provável para mim quanto para os outros 2
Mais provável de acontecer comigo do que com outros 3
7 Conhecer uma nova pessoa e manter uma boa amizade por anos Mais provável de acontecer com outras pessoas do que comigo 1
Tão provável para mim quanto para os outros 2
Mais provável de acontecer comigo do que com outros 3
8 Ter uma sensação de grande euforia após um sucesso ou conquista Mais provável de acontecer com outras pessoas do que comigo 1
Tão provável para mim quanto para os outros 2
Mais provável de acontecer comigo do que com outros 3

Correção do teste sobre a autoexaltação

Todos os números 1 = -1; Todos os números 2 = 0; Todos os números 3 = 1

Para obter separadamente a pontuação média para eventos negativos e positivos, some as pontuações de todos os itens negativos (1, 3, 4, 6) e divida por quatro. Da mesma forma, some os positivos (2, 5, 7, 8) e divida por quatro.

Para eventos negativos: se a média for maior que zero, indica a existência de vieses pessimistas, e se a média for menor que zero, indica a existência de vieses otimistas.

Para eventos positivos: se a média for maior que zero, indica a existência de vieses otimistas, e se a média for menor que zero, indica a existência de vieses pessimistas.

Nota importante: a exposição e a pontuação deste teste não têm valor diagnóstico. Tem apenas valor expositivo, e a pretensão com a sua inclusão no artigo serve apenas para facilitar uma melhor compreensão dos conceitos discutidos.

A interpretação favorável do Eu

Uma interpretação favorável do Eu cumpre uma função adaptativa, embora possa ser mais ou menos tendenciosa. Os preconceitos às vezes são necessários para proteger precisamente o Eu e, indiretamente, para manter a ansiedade sob controle. Assim, é interessante nos perguntarmos quantos desses vieses podemos reconhecer em nós mesmos e em que medida. Saber sobre os vieses de fala interna e tentar reconhecê-los em nós ou nos outros nos ajuda a controlar o estresse e pode até ser divertido.

A interpretação favorável do Eu

Dizem que na psicologia temos ainda mais fenômenos rotulados do que existem. É que, em muitas ocasiões, as dinâmicas que descrevemos passam completamente despercebidas até que as vemos escritas no papel. Os vieses mais comuns da autoexaltação são:

  • A falsa singularidade. É uma tendência sistemática a pensar que nossas habilidades e capacidades são muito diferentes das de qualquer outro mortal.
  • O falso consenso. Temos a tendência de superestimar o grau em que a maioria das pessoas concorda com o que pensamos ou acreditamos. Quantas vezes não falamos “vamos perguntar a alguém que conhecemos ou que seja neutro” num debate e nos surpreendemos com a resposta?
  • O efeito “primus inter pares”. Este é um efeito muito curioso que ocorre muito mais do que pensamos. É a tendência de acreditar que alguém é superior ou melhor do que pessoas semelhantes ou iguais a nós. Por exemplo, a maioria dos motoristas pensa que é melhor motorista ou comete menos infrações do que a média…
  • A ignorância pluralística. É uma dinâmica que nos faz reprimir ou deixar de expressar uma opinião ou emoção por acharmos que a maioria não compartilha dela. É um preconceito derivado do fato de que superestimamos nossa capacidade de adivinhar o que os outros pensam.
  • A ilusão da invulnerabilidade. Ela é reproduzida quando subestimamos a probabilidade de algo negativo nos acontecer.

Procurando o que nos distingue

A autoestima é a atitude e a emoção de uma pessoa para consigo mesma. Isso influencia a maneira como você se trata e o que pensa de si mesmo. Ela contém o estado emocional derivado do seu autoconceito. Nesse sentido, nos vermos como pessoas únicas geralmente nos faz sentir bem. Lembremo-nos de que, muitas vezes, valorizamos mais o que é difícil de encontrar, que se destaca do restante, embora o que nos diferencia não seja um elemento particularmente relevante.

Assim, quando as pessoas acreditam que as características pessoais que mais apreciam, aquelas que constituem a espinha dorsal da sua autodefinição, são bastante comuns nos outros, costuma aparecer uma dose maior de negatividade naquele estado emocional denominado autoestima.