O que um bebê aprende a fazer entre os 4 e 6 meses de vida?

O que um bebê aprende a fazer entre os 4 e 6 meses de vida?

janeiro 11, 2018 em Psicologia 243 Compartilhados
O que um bebê aprende a fazer entre os 4 e 6 meses de vida?

Você gostaria de conhecer as fases que acontecem no desenvolvimento normal de um bebê entre os 4 e 6 meses de vida? Uma característica presente é, logo desde o início, a curiosidade extrema em descobrir o mundo que os rodeia. Tudo é chamativo para eles, que se convertem em pequenos observadores que olham para tudo que acontece ao seu redor com espanto.

Como já comentamos em outro artigo que fala sobre o desenvolvimento do bebê em outros períodos de vida, cada bebê tem seu próprio ritmo. Há apenas alguns padrões que costumam ser alcançados no desenvolvimento normal da criança, embora existam bebês que demorem um pouco mais para conseguir pequenos sucessos, outros demoram menos.

Qualquer dúvida que surja gerará sempre a necessidade de consultar um pediatra, sem necessidade de fazer nenhum alarde ou de surgir uma preocupação. O pediatra é o profissional que poderá orientar em qualquer dúvida que surgir como pai ou como mãe, e indicar qualquer atraso no desenvolvimento como efetivamente um problema, se for o caso.

Desenvolvimento entre os 4 e 6 meses de vida

O quarto mês do bebê: o mês dos sorrisos

O quarto mês de vida é, aproximadamente, quando começam a ter controle sobre sua cabeça. Podem, finalmente, sustentá-la sozinhos. Este é um avanço realmente importante na vida da criança. Após isso, já começam a pegar objetos com mais facilidade, e sobretudo passam a prestar atenção nos objetos que mais interessam. Já são capazes de reconhecer sua mãe perfeitamente.

Mãe com seu filho

Podemos buscar uma maior conexão com a criança sorrindo para ela. Isso é do agrado do bebê, que devolve o sorriso com muita alegria. Não gostam nessa fase, no entanto, de ficar sós. E não tenha dúvida de que eles lhe farão saber disso no seu modo de se expressar, é claro. Nesse mês, divertem-se com qualquer objeto que apareça na frente deles. Um espelho, no qual se reflete uma imagem que eles ainda não identificam como eles mesmos, gera interação com aquela figura humana que está ali, ainda que desconhecida.

Esse bebê será a alegria de todos, já que ele gosta muito de observar e prestar atenção sobretudo naqueles que sorriem. Pode começar a soltar pequenas gargalhadas nesse momento do desenvolvimento.

O quinto mês… o momento em que tudo vai para a boca!

No seu quinto mês de vida, o bebê começa a tendência de levar todos os objetos para a boca. Está explorando seu ambiente, e assim que adquirir essa habilidade, a explorará ao máximo. Qualquer objeto que pegar, irá tentar levá-lo para a boca, e um dos motivos é que está começando a experimentar o sentido do paladar.

Bebê na grama

Nosso pequenos conquistará a habilidade de passar os objetos de uma mão para a outra. É uma fase muito ativa essa etapa do crescimento, em que a criança se move muito mais já que adquiriu o controle sobre sua cabeça e suas extremidades. Inclusive pode virar quando está dormindo.

Nesse mês, os sorrisos para qualquer pessoa já não são tão fáceis. Isso ocorre porque está aprendendo a distinguir entre os rostos que lhe são familiares. Sorrirá, portanto, para quem está mais acostumado a ver.

Os marcos do sexto mês de vida

No sexto mês de vida o bebê está aprendendo a virar, e realmente chega a conseguir esse ato. Por esse motivo, temos que ter certo cuidado já que poderá cair de um lugar alto, como o trocador que costuma ser usado para a troca das fraldas. Também começam a nascer os dentes, o que gera pequenas dores e, é claro, gera também algumas queixas.

Pés de um bebê

Agora vamos falar de seus pequenos pés! Algo que traz muitas risadas para seus pais, já que literalmente pegam os pés, colocam na boca e os chupam! Começam a adquirir também mais força em suas mãos, e os objetos são passados de uma mão para a outra com mais desenvoltura do que antes.

Sua atenção já está muito mais focada naqueles que prestam mais atenção a ele, e naqueles que os ajudam a resolver as necessidades que aparecem. Por isso os primeiros meses do bebê são muito importantes para a conexão que é criada entre mãe e filho, ou pai e filho. É um momento crucial para o desenvolvimento afetivo do pequeno. E sem dúvida, se estivermos lá para eles e soubermos atender a suas necessidades no momento em que elas surgirem… já teremos andado metade do caminho!

Recomendados para você