Biografia de Leonardo da Vinci: um visionário do Renascimento

· abril 13, 2019
Leonardo da Vinci manteve sua vida privada de maneira hermética. Ele chegou ao ponto de redigir seus diários utilizando uma escrita especular, um espelho para criptografar seus pensamentos e suas experiências.

Hoje falaremos um pouco sobre a biografia de Leonardo da Vinci; pintor, inventor, cientista, arquiteto, músico, escritor… Eram tantas as disciplinas que dominava com sua genialidade e seu caráter visionário que recebeu o título de “homem do Renascimento”. No entanto, sua vida pessoal sempre ficou oculta, encoberta por esse mesmo sfumato que imprimia em obras inesquecíveis, como Mona Lisa.

Sempre que escutamos seu nome, é comum que desperte em nós uma mistura de curiosidade e admiração. Imediatamente, nos vêm à mente obras como A Última Ceia, Dama com Arminho ou Homem Vitruviano. No entanto, por vezes negligenciamos as inúmeras contribuições de da Vinci à área da engenharia.

Sua máquina voadora, seu anemômetro, seu paraquedas, seus equipamentos de mergulho ou suas máquinas de guerra foram alguns esboços que ele nos deixou em seus trabalhos e que, mais tarde, acabariam se tornando uma realidade. Leonardo da Vinci foi, acima de tudo, um pioneiro no método experimental. Ele conseguiu estar à frente, sem saber, de figuras tão importantes quanto Descartes ou Francis Galton.

O que sempre o guiou foi sua ávida curiosidade, a qual fez dele um autodidata apaixonado pela natureza, pela ciência e pela pesquisa. Ele preencheu seus cadernos com cada uma de suas nervosas ideias, projetos, esboços e teorias que, hoje em dia, continuam sendo tão difíceis de interpretar. É daí que vem a nossa atração por essa figura hermética e misteriosa.

Da Vinci foi uma pessoa que chegou a criptografar suas ideias e seus pensamentos por meio da escrita especular, utilizando um espelho para deixar suas palavras mais difíceis de serem lidas.

 “Há três tipos de pessoas: aquelas que veem, aquelas que veem quando algo lhes é mostrado, e aquelas que não veem”.
-Leonardo da Vinci-

Obra de Leonardo da Vinci

Os primeiros anos da biografia de Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci nasceu em 1452 em Anchiano (Toscana, na Itália), muito próximo da cidade de Vinci. Seu nascimento foi o resultado de um relacionamento entre Caterina di Meo Lippi, uma camponesa muito jovem, e Messer Piero Fruosino di Antonio da Vinci, um notário de Florença.

Eles nunca se casaram, mas se sabe que Leonardo passou os primeiros anos de sua vida na casa de seu pai, seus avós e seu tio, sendo criado e educado como filho legítimo de Antonio da Vinci. Sua instrução não teve muito destaque. Ele aprendeu a ler e a escrever e se destacou em aritmética. No entanto, de acordo com historiadores, nunca chegou a dominar o latim.

Quando tinha apenas 15 anos, já mostrava grandes dotes para a criação artística. Seu pai, que apreciava esse talento, não hesitou em enviá-lo como aprendiz ao ateliê do famoso escultor e pintor Andrea del Verrocchio, em Florença, na Itália. Esse período de formação durou quase uma década. Nesse tempo, Leonardo da Vinci não se destacou apenas em suas técnicas com a pintura e a escultura; também ficou clara sua visão nas artes mecânicas.

O cavalo de Storfa

Em 1482, já um mestre independente, Leonardo da Vinci decide se mudar para Milão a fim de trabalhar para o clã governante Sforza. Então, ele pôde demonstrar suas capacidades inovadoras como engenheiro, pintor, arquiteto e, inclusive, como criador de festivais para a corte.

E mais, muitos historiadores consideram que um dos motivos pelos quais da Vinci posteriormente deixou Florença foi para superar em prestígio seu antigo mestre, Andrea del Verrocchio. Um modo de conseguir isso seria, portanto, criando uma obra espetacular. Algo nunca visto até o momento. Esse projeto foi o cavalo de Storfa.

Projetos de Leonardo da Vinci

Seu propósito era construir um cavalo galopante de bronze. Uma figura de sete metros de altura e sete de longitude, fundido em uma só peça. Algo muito desafiador.

A obra foi primeiramente feita em argila. Tratava-se de um molde de grandes dimensões que, por si só, já deixava sem ar aqueles que chegavam a Milão. No entanto, devido às guerras italianas, da Vinci nunca pôde completar com o fundido em bronze. O material foi destinado aos canhões de artilharia.

Uma obra-chave na biografia de Leonardo da Vinci: A Última Ceia

Durante sua estadia em Milão, entre os anos 1495 e 1498, Leonardo da Vinci deu forma a uma de suas obras mais conhecidas.  Trata-se de uma pintura a óleo sobre gesso criada para o refeitório do Monastério da cidade de Santa Maria delle Grazie. Era A Última Ceia.

Simboliza a ceia de Páscoa e o momento em que Jesus revela aos seus apóstolos que um deles vai traí-lo. Essa obra chama a atenção devido a suas dimensões, 4,60 metros de altura e 8,80 metros de largura. Um milagre artístico que, para muitos, beira a perfeição, uma composição dinâmica, requintada e repleta de leituras.

Trata-se de uma obra que, assim como ocorre com as pinturas de Botticelli, entendemos melhor se agruparmos as figuras de três em três. É aí que descobrimos como um quadro que tem uma aparência estática se torna dinâmico. As micro-histórias se distribuem nesse pequenos agrupamentos repletos de simbolismos, segredos e nuances fascinantes.

O homem que despertou muito cedo da escuridão

Sigmund Freud disse que Leonardo Da Vinci foi um homem que despertou muito cedo da escuridão de sua época. Sua mente, prodigiosa e visionária, era muito avançada para a época. Ele foi aquele olhar paciente que admirava a natureza. Foi também um homem fascinado pelo corpo humano que não hesitava em obter cadáveres para praticar dissecações e compreender melhor a função dos órgãos, da anatomia, etc.

Seus conhecimentos ecléticos e uma paixão por se aprofundar em quase qualquer área do conhecimento também foram um problema significativo para ele e para sua própria história. Da Vinci passava muito tempo observando, testando teorias, idealizando em seus cadernos. Tudo isso fez com que não conseguisse terminar muitas de suas obras.

Hoje em dia, temos vários esboços que ele nunca chegou a colocar em uma tela. A partir de 1490, da Vinci passou quase mais tempo enchendo folhas com ilustrações, projetos e esboços de máquinas incomuns do que completando muitos dos trabalhos que já havia iniciado.

Biografia de Leonardo da Vinci

Tais cadernos, conhecidos também como “códices”, são verdadeiros tesouros guardados em museus. Um dos mais interessantes é, sem dúvida, O Codex Atlânticus. Nele, vemos a famosa máquina voadora, a qual já indicava as bases precoces da aeronáutica e da física.

O homem do Renascimento, essa figura que saiu da escuridão de maneira precoce, deixou este mundo em 1519 aos 67 anos. No entanto, seu legado, a marca de sua genialidade, assim como os mistérios ainda contidos em suas obras e nesses cadernos, continuam muito vivos, inspirando a cada ano dezenas de livros sobre sua pessoa notável.

  • Fritjof, Capra (2008) La Ciencia de Leonardo. Anagrama
  • Isaacson, Walter  (2018) Leonardo da Vinci: La biografía. Debate