Louisa May Alcott, a biografia de uma escritora inconformista

19 Julho, 2020
Louisa May Alcott não foi apenas a autora de uma das obras mais famosas da literatura juvenil. Ela também se destacou por ser uma mulher independente, filha de um homem à frente do seu tempo, que lhe transmitiu seu amor pela arte e pelo conhecimento.
 

Hoje vamos expor uma breve biografia de Louisa May Alcott, autora do famoso romance Adoráveis Mulheres (Little Women), uma obra literária que marcou época e ainda desperta interesse nos dias de hoje. A obra foi traduzida para mais de 50 idiomas e seu sucesso pode ser medido pela infinidade de filmes que adaptaram o romance ao longo do tempo.

Adoráveis Mulheres se tornou um marco, não apenas por ser lindamente escrito, mas também por causa do grande realismo que há em cada uma de suas linhas.

Quando essa obra surgiu, a presença feminina na literatura era bastante residual ou ficava ofuscada pelo masculino. Além disso, Adoráveis Mulheres se afastava do romantismo e mergulhava no realismo, em uma realidade cotidiana e feminina. Por esse motivo, o romance de Louisa May Alcott teve um sucesso imediato: era diferente de tudo que circulava na época.

 “Influências persuasivas são muito melhores do que palavras moralizadoras”.
-Louisa May Alcott-

Além disso, a obra reflete ideias e valores bem fundamentados, nos quais as mulheres aparecem como pensadoras e construtoras do seu destino, algo completamente revolucionário para a época. As ideias abolicionistas e radicalmente democráticas da autora também estão presentes.

O hábito da leitura
 

A biografia de Louisa May Alcott e uma família especial

Louisa May Alcott nasceu em 29 de novembro de 1832 em Germantown (Pensilvânia, Estados Unidos). Ela era a segunda de quatro irmãs, todas mulheres, desde que seu único irmão morreu em uma idade muito jovem.

Não foi à toa que ela se tornou uma mulher esclarecida e independente, pois seu pai era um pedagogo famoso muito à frente do seu tempo.

Seu pai era Amos Bronson Alcott, professor, escritor e filósofo transcendentalista. Sua mãe, Abigail, era uma mulher determinada e inquieta. Por esse motivo, Louisa May Alcott cresceu em um ambiente muito estimulante do ponto de vista intelectual e artístico.

Foi seu próprio pai que se dedicou totalmente à educação das filhas, que estudaram em casa. Ele era um homem que via a educação como um processo libertador, cuja função era, principalmente, ensinar a pensar. Essa perspectiva era muito revolucionária para uma época em que predominava uma formação baseada na memória e na disciplina.

A filosofia trascendentalista

O pai de Louisa pertencia ao movimento transcendentalista, uma filosofia profundamente estruturada na religião, na qual a reflexão sobre os aspectos mais profundos do homem era fundamental. Ele se destacou como pedagogo, principalmente por meio de uma escola fundada por ele mesmo e inspirada na pedagogia progressiva.

Na escola de Amos, havia microscópios, réguas e outros acessórios, destinados a oferecer uma educação baseada em evidências e não em memória. Como ele decidiu aceitar estudantes afro-americanos, sua escola foi fechada.

 

Amos Alcott também acreditava firmemente na igualdade das mulheres e estava convencido de que elas deveriam ter o direito de votar. Por esse motivo, incentivou Louisa May Alcott a se dedicar desde criança ao que seria sua grande paixão: a escrita.

Ele também tomou decisões que provavelmente influenciaram a imaginação da futura escritora. Criou uma comunidade utópica em Harvard, que chamou de Fruitland. Era um grupo que morava em um lugar remoto e se alimentava somente de produtos vegetais por respeito aos animais.

A pobreza era a principal protagonista e o experimento não durou muito tempo, visto que a escassez o obrigou a buscar novos horizontes.

Adoráveis Mulheres: obra de Louisa May Alcott

Uma escritora de sucesso

Louisa May Alcott desempenhou diferentes trabalhos como governanta, costureira e enfermeira durante a Guerra Civil. Além disso, também começou a escrever e publicar em revistas femininas em sua juventude.

Seu objetivo era colaborar com as finanças da casa, embora seu pai sempre a tenha incentivado a fazer o que amava, acima do dinheiro.

Escreveu a obra Adoráveis Mulheres com relutância. Naquela época, já havia desenvolvido vários romances, quase todos de suspense, gênero que realmente era a sua paixão. No entanto, o editor Thomas Nile falou sobre seu interesse em uma obra direcionada às jovens da época. Dessa maneira, Louisa se entregou à tarefa de escrevê-la, com muita relutância.

 

A obra foi um sucesso desde o início. Foi escrita em apenas dois meses e nas duas primeiras semanas após a publicação já tinha vendido mais de 2.000 cópias. A partir de então, as vendas continuaram crescendo até os dias atuais. Louisa May Alcott se tornou uma mulher famosa e rica, que conseguiu tirar sua família da pobreza.

A escritora nunca se casou. Quando sua mãe morreu, ela assumiu o comando da família até sua morte, em 6 de março de 1888. Dizem que Adoráveis Mulheres foi, acima de tudo, uma obra autobiográfica. Entrou para a história como um daqueles romances que sabem capturar o essencial e que, pela mesma razão, nunca saem de moda.

 

Alcott, L. M. (2018). Louisa May Alcott. Hombrecitos.