Maya Angelou: biografia de um pássaro engaiolado

Quando criança, Maya Angelou decidiu parar de falar depois de ter sido estuprada. Um pequeno pássaro engaiolado em seu próprio silêncio. Entretanto, um dia, o pássaro começou a cantar e abriu suas asas. A partir daquele momento, nada poderia detê-lo.
Maya Angelou: biografia de um pássaro engaiolado

Última atualização: 08 Junho, 2021

Queremos prestar uma pequena homenagem a essa grande escritora e pessoa cuja infância não foi exatamente um mar de rosas. Na biografia de Maya Angelou, vemos que ela conseguiu transformar traumas profundos e velhas dores em belas palavras e reflexões. Seu impacto como poetisa e, acima de tudo, como ativista social deixou uma marca profunda em nós.

Abusada sexualmente quando ainda era uma criança, ela passou os anos seguintes da sua infância em silêncio absoluto e voluntário. Ela simplesmente parou de falar.

Alguns de seus biógrafos afirmam que os seis anos em que Maya Angelou não pronunciou uma única palavra foram o caldeirão alquímico onde, lentamente e com o tempo, foi elaborada a voz maravilhosa que ela viria a exibir em seus poemas.

Não sabemos o que realmente aconteceu na vida de Angelou por volta dos seus sete anos, quando foi estuprada, nem quando ela tinha 14, ou seja, quando voltou a falar. O que sabemos é que tudo o que ela fez depois comoveu milhões de pessoas em todo o mundo.

Seu livro de memórias, Eu sei por que o pássaro canta na gaiola, foi um sucesso literário internacional, assim como suas coleções de poesia e ensaios.

Maya Angelou recitando

Os primeiros anos da biografia de Maya Angelou

Marguerite Annie Johnson nasceu em 4 de abril de 1928 em Saint Louis, Missouri. Ele cresceu no Arkansas, com sua avó paterna, após a separação de seus pais. A avó foi uma figura muito influente na vida de Angelou. Ela tinha uma pequena loja que conseguiu tirar a família da miséria e lhe permitiu viver muito melhor do que muitas famílias da região.

Em uma das visitas que Maya e seus irmãos fizeram à mãe, a tragédia ocorreu. O namorado da mãe de Maya abusou sexualmente da menina. Maya contou a um de seus irmãos e houve um julgamento em que ela teve que testemunhar. O estuprador conseguiu escapar da prisão, mas logo depois foi assassinado por um parente de Maya.

Foi nesse momento que a garota parou de falar. Mais tarde, ela confessou que acreditava ter matado aquele homem com sua voz, porque o havia denunciado. Durante o período em que Maya manteve seu silêncio, ela desenvolveu um profundo amor pela poesia e pelos livros.

Esse mutismo permaneceu até que, um dia, sua avó lhe disse que ela nunca iria desfrutar plenamente das poesias até que as ouvisse recitadas em sua própria voz. Por isso, a menina começou a falar novamente, após seis anos de silêncio.

Aos 16 anos, ela teve seu primeiro encontro amoroso, que nunca se transformou em um relacionamento sério. Maya engravidou e teve seu filho aos 17 anos. Naquela época, ela fez muitos trabalhos pouco qualificados e mal pagos que a ajudaram a criar o filho.

Vida adulta

Em 1951, Maya se casou com um músico de origem grega, Tosh Angelos, e mudou seu nome de casada para Maya Angelou. O casamento durou alguns anos e, após a separação, Maya Angelou trabalhou como dançarina e cantora. Ela percorreu metade da Europa com uma produção de ópera.

Em 1959 ela se propôs a começar a escrever e, um ano depois, ouviria pela primeira vez Martin Luther King Jr. em um discurso que a impressionaria profundamente. Como resultado, ela organizou uma arrecadação de fundos para a causa do líder afro-americano, que conheceu pessoalmente pouco depois.

Um ano depois, ela entrou em contato com um ativista sul-africano com quem manteve uma relação sentimental. O casal, então, se mudou para o Cairo, onde Angelou começou a trabalhar para um importante jornal de língua inglesa como editora.

“Você pode não controlar todos os eventos que acontecem com você, mas pode decidir não ser reduzido por eles.”
-Maya Angelou-

Porém, algum tempo depois, seu relacionamento amoroso acabou e ela se mudou com o filho para Acra, em Gana, onde continuou trabalhando como editora em um jornal, mas também trabalhou como atriz e apresentadora de rádio. Maya Angelou permaneceu em Gana até 1965, ano em que decidiu retornar aos Estados Unidos para ajudar seu amigo Malcolm X.

Maya Angelou dando palestra

A inesgotável Maya Angelou

Pouco depois, Martin Luther King Jr. seria assassinado. Na verdade, ele foi assassinado no mesmo dia do aniversário de Angelou, que ela não celebraria novamente nos próximos quarenta anos. No mesmo ano do assassinato de King, Maya Angelou escreveu sua primeira biografia, Eu sei por que o pássaro canta na gaiola, obra que abriu um importante espaço para ela no mundo literário e a lançou ao estrelato.

Desde então, e pelo resto de sua vida, Maya Angelou se envolveu em inúmeras atividades profissionais. Esteve vinculada à televisão e ao cinema, continuou escrevendo e voltou a se casar. Faleceu em 28 de maio de 2014, ainda na ativa e escrevendo um novo livro.

“Um pássaro não canta porque tem uma resposta, ele canta porque tem uma canção.”
-Maya Angelou-

Toda a sua obra literária fala da força de superação e da importância de seguir em frente apesar dos obstáculos que a vida nos impõe. Maya Angelou foi um exemplo de resiliência e amor pela vida.

A transcendência e a profundidade de seus poemas foram amplamente estudados. Tudo estava contra ela, mas sua luta contra a discriminação por ser uma mulher negra é um exemplo no qual muitas outras pessoas se basearam.

Maya dedicou uma vida inteira a essa luta, a superar e a vencer obstáculos, e recuperou a voz em um momento absolutamente necessário. Ela nunca esqueceu seu passado, nem sua origem, mas decidiu enfrentar um mundo que não queria ouvi-la para nos presentear com versos imortais.

Pode interessar a você...
Biografia de Rosa Parks: uma lição sobre racismo e Psicologia Social
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Biografia de Rosa Parks: uma lição sobre racismo e Psicologia Social

Ela se negou a ceder o seu lugar para um passageiro branco. Esse pequeno fato da biografia de Rosa Parks pode nos ensinar muito sobre o racismo.



  • Priscilla R. Ramsey (1984) Transcendence: The Poetry of Maya Angelou. Sage Journals
  • David Bedrick (2014) Maya Angelou in Memoriam: An American Elder. Psychology Today