Bokuden, uma bela história oriental

· maio 22, 2019
Essa bela história oriental fala sobre o grande mestre Bokuden, um dos maiores espadachins do Japão. Ele tinha três filhos e um dia quis comprovar se todos eles haviam captado seus grandes ensinamentos ou não.

Essa bela história oriental fala sobre Tsukahara Bokuden, um lendário mestre da espada do século XVI no Japão. Era um praticante das artes marciais e se tornou muito famoso por seu talento para o combate, mas principalmente por sua sabedoria.

Contam que Bokuden tinha três filhos e quis testá-los. Desejava saber quão cautelosos e evoluídos eles eram. Para verificar, colocou um apoio de cabeça sobre a porta e a deixou entreaberta. Em seguida, chamou com muita urgência seu filho mais velho, Hikoshiro.

 “Ninguém testa a profundidade do rio com ambos os pés”.
-Provérbio-

O filho mais velho era um jovem muito querido por todos. Tinha uma personalidade doce e fama de homem cauteloso. Essa história oriental conta que quando seu pai o chamou, ele chegou à porta entreaberta e a empurrou levemente. Notou que ela estava mais pesada e supôs que algo havia mudado.

Com precaução, começou a tatear o extremo superior da porta. Assim, descobriu que ali estava o apoio de cabeça e o retirou com cuidado. Bokuden se sentiu satisfeito e simplesmente lhe disso algo casual. Em seguida, o filho mais velho saiu do quarto, deixando o apoio de cabeça como o havia encontrado.

Uma história oriental

Reações diferentes

Alguns dias se passaram e Bokuden quis realizar o mesmo teste com seu segundo filho, que se chamava Hikogoro. Diz a história oriental que esse filho era bastante conhecido por sua grande agilidade e destreza. Não era cauteloso, como seu irmão mais velho, porque tinha muita confiança em suas habilidades.

O pai chamou Hikogoro e este rapidamente se levantou e se dirigiu até a porta. Sem pensar duas vezes, a empurrou para entrar rapidamente no quarto. O apoio de cabeça caiu, mas o rapaz era tão ágil que o pegou no ar. Em seguida, o colocou novamente em seu lugar. Bokuden ficou pensativo.

Havia chegado o momento de testar seu filho mais novo, Hikoroku. Este era o mais impulsivo de todos, mas também o mais alegre e amoroso. Bokuden o amava muito, mas temia que não tivesse capacidade de passar no teste. E tinha razão. O pai chamou seu filho mais novo, assim como havia feito com seus irmãos.

Hikoroku saiu apressadamente e empurrou a porta com muita energia. O apoio de cabeça caiu e chegou a bater em seu chomnage, o coque tradicional do Japão. Conta a história oriental que quando o rapaz sentiu o golpe, desembainhou sua espada e partiu em dois o objeto, antes que caísse no chão. Em seguida riu e parecia se sentir orgulhoso da sua reação.

Uma lembrança na história oriental

De acordo com essa bela história oriental, Bokuden ficou preocupado com a reação do filho mais novo. Ele pensou que uma pessoa tão impulsiva só traria desgraça e ruína para sua casa. A tradição dizia que ele deveria repudiá-lo, já que seu comportamento só mostrava falta de consciência e sabedoria.

Bokuden, no entanto, chamou todos os seus filhos e lhes contou sobre um acontecimento que ele mesmo havia vivido anos atrás. Ele tinha um aluno que considerava ser o mais hábil de todos os seus aprendizes. De mente e corpo velozes, ele estava acostumado a ganhar em todos os combates.

Aconteceu que, em uma tarde, esse aprendiz estava passeando por uma das ruas da aldeia e passou ao lado de um cavalo bastante nervoso. O animal estava tão inquieto que, quando sentiu a presença do discípulo, deu um coice. No entanto, o aluno era tão hábil que fez um movimento felino e se esquivou do golpe. Aqueles que passavam na rua o aplaudiram.

Samurais na guerra

Uma bela moral

Nessa mesma tarde, o qualificado aluno foi até Bokuden e contou a ele o que havia acontecido, com um certo orgulho. Bokuden o escutou atentamente, mas, assim que o aprendiz terminou o relato, ele o expulsou de suas aulas. Disse que não queria mais voltar a vê-lo. Todos os outros ficaram surpresos. Como ele não valorizava a habilidosa ação de seu aluno?

Os três filhos de Bokuden escutaram a história com muita atenção. O filho mais velho ficou em silêncio e parecia refletir. O do meio parecia intrigado. E o filho mais novo parecia estar confuso e inquieto. “Por que você dispensou um homem tão hábil?… Por acaso temia que ele tomasse seu lugar?, perguntou o rapaz.

Segundo a história oriental, Bokuden respondeu: “Um homem que não é capaz de prever os perigos, mas somente reagir a eles, não merece ser meu discípulo. Se fosse alguém sábio, nunca teria passado ao lado do cavalo”. Os três filhos ficaram em silêncio. O filho do meio e o mais novo compreenderam a mensagem e, sem que o pai lhes pedisse, saíram de cabeça baixa.

  • Cleary, T. (Ed.). (1995). Antología Zen: Cien historias de iluminación (Vol. 17). Edaf.