Brancorexia: a perigosa obsessão pelos dentes brancos

Você se preocupa muito com a cor dos seus dentes? Neste artigo vamos falar sobre a brancorexia, ou obsessão por dentes brancos, e as consequências que ela pode ter na saúde.
Brancorexia: a perigosa obsessão pelos dentes brancos

Última atualização: 11 Novembro, 2021

A vontade de alcançar certos padrões de beleza pode levar algumas pessoas a colocarem sua saúde em risco. É o caso daqueles com brancorexia, condição relacionada à saúde e à aparência dos dentes. Aqueles que sofrem com isso costumam se submeter a tratamentos cosméticos com frequência para conseguir um sorriso mais branco.

Embora querer um sorriso mais saudável e bonito não seja um problema, existem certos limites. Ainda que possa parecer um comportamento inofensivo, a obsessão por ter dentes brancos pode ser perigosa. Neste artigo, você poderá saber mais detalhes sobre essa alteração e quais medidas tomar para evitá-la.

O que é a brancorexia?

O termo brancorexia é um neologismo que vem de “branco” e “rexia” (tendência a, desejo). Nesse sentido, seria a tendência ou apetite pela brancura. Essa palavra é usada para falar de um comportamento obsessivo relacionado à cor dos dentes. Quem o manifesta se preocupa excessivamente com a tonalidade dos dentes.

Seguindo essa linha, expressam um desejo intenso por ter dentes mais brancos, e muitas vezes procuram satisfazê-lo. Por exemplo, é comum que essas pessoas visitem o dentista com frequência para fazer tratamentos de clareamento. Em casos graves, eles próprios fazem intervenções.

É importante mencionar que esses tipos de medidas costumam ser bastante agressivos com o esmalte. Portanto, se os tratamentos forem aplicados sem supervisão médica e de forma intensiva, é muito provável que, a longo prazo, ocorram consequências negativas. Alguns dos problemas mais comuns associados a esse comportamento incluem:

  • Gengivite ou inflamação das gengivas.
  • Alterações no esmalte dentário.
  • Problemas para identificar sabores de maneira normal.
  • Queda dos dentes.
  • Hipersensibilidade nos dentes.
Dentes brancos

Causas

Seguindo o exposto, deve-se observar que a brancorexia não é um transtorno mental classificado em manuais de psiquiatria ou psicologia. Por isso, não foi especificamente estudada por pesquisadores de nenhuma dessas áreas. No entanto, pode estar relacionada à dismorfia corporal, como ocorre com outros distúrbios, como anorexia ou vigorexia.

A dismorfia corporal (DM) é uma alteração que afeta a percepção que alguém tem sobre o seu próprio corpo. Por exemplo, em pacientes anoréxicos, a dismorfia faz com que eles se percebam com excesso de peso, mesmo quando seu índice de massa corporal é inferior ao recomendado.

De acordo com um estudo, essa condição afeta de 0,7% a 2,4% da população em geral. Além disso, o mesmo artigo menciona que os números são maiores entre aqueles que buscam tratamentos estéticos (Vashi, 2016).

Outro trabalho de Rodríguez et al. (2019) avaliou a presença de dismorfia corporal na área odontológica. Em seus resultados, eles explicam que os pacientes que comparecem à consulta por motivos estéticos, implantes e próteses, obtêm maiores escores de DM. O índice também é maior nas mulheres do que nos homens.

O ponto anterior parece indicar que a dismorfia corporal pode ser uma patologia comum entre aqueles com brancorexia. Esses pacientes podem ter uma percepção distorcida dos dentes, o que pode causar insatisfação e baixa autoestima. Consequentemente, eles procurariam tratamentos de clareamento arriscados para atender às expectativas irrealistas.

Fatores que contribuem para o problema

A dismorfia corporal pode ser reforçada por uma série de fatores externos ao paciente. Por um lado, temos o grande número de celebridades que aparecem nos meios de comunicação com sorrisos brancos. Dessa forma, cria-se um ideal de como os dentes devem ser para serem considerados bonitos.

Soma-se a isso a grande divulgação de produtos de clareamento artesanais. Como parte das suas estratégias de marketing, essas empresas costumam usar métodos para fomentar a necessidade no consumidor. Assim, a propaganda poderia contribuir promovendo a ideia de que dentes brancos são necessários.

Mulher com dentes amarelos e dentes brancos

Prevenção da brancorexia

Não há nada de errado em querer ter um sorriso mais saudável e esteticamente mais agradável, mas você deve ter cuidado com os extremos. Há várias coisas que podemos levar em consideração para prevenir a brancorexia e as suas consequências.

Em primeiro lugar, você precisa entender que os dentes não são naturalmente brancos. Um dos compostos que compõem os dentes é a dentina, que tem uma cor amarela. Da mesma forma, o tom dos dentes pode variar devido a fatores genéticos e hábitos alimentares. Por exemplo, consumir café, vinho e substâncias semelhantes com frequência pode intensificar a coloração.

Por outro lado, é importante entender que os tratamentos de clareamento devem ser realizados sob a supervisão de especialistas. Caso contrário, é possível causar danos irreversíveis à saúde bucal e estética. Não se recomenda o uso de tratamentos caseiros, e menos ainda com substâncias que não foram formuladas para esse fim.

Da mesma forma, lembre-se de que dentes brancos não são sinônimos de boca saudável. As fotos que vemos de celebridades costumam ser retocadas para criar um tom de branco puro. No entanto, na realidade, é improvável que os dentes dessas pessoas tenham esta aparência.

Para encerrar, se você está excessivamente preocupado com a cor dos seus dentes e sente desconforto, talvez deva considerar buscar ajuda psicológica. Esses tipos de pensamentos obsessivos sobre os dentes podem ser o centro de uma brancorexia e dismorfia corporal.

Pode interessar a você...
O bruxismo e as causas do ranger dos dentes
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O bruxismo e as causas do ranger dos dentes

Alguém já lhe disse que você range os dentes durante a noite? Você já acordou sentindo dor no maxilar? Se for o caso, talvez você sofra de bruxismo...



  • Rodríguez, C. P., Judge, R. B., Castle, D., & Phillipou, A. (2019). Body dysmorphia in dentistry and prosthodontics: A practice based study. Journal of dentistry, 81, 33-38.
  • Vashi, N. A. (2016). Obsession with perfection: Body dysmorphia. Clinics in dermatology, 34(6), 788-791.