Bruxismo: causas, sintomas e tratamentos - A Mente é Maravilhosa

Bruxismo: causas, sintomas e tratamentos

outubro 18, 2017 em Curiosidades 556 Compartilhados
Causas e consequências do bruxismo

O bruxismo é um problema odontológico com consequências que podem ser muito negativas para o funcionamento da nossa mente. Ele consiste em apertar os dentes fortemente, os superiores e inferiores, e fazê-los ranger deslizando-os de trás para frente, uns sobre os outros. Este problema geralmente é um ato inconsciente, então a prevenção ou a intervenção é muito complicada.

O bruxismo pode acontecer durante o dia ou a noite, embora durante o sono o problema seja maior já que é mais difícil de controlar. Há um desacordo existente sobre a causa do bruxismo, mas parece que o estresse diário pode ser o gatilho psicológico para muitas pessoas.

O bruxismo afeta homens e mulheres igualmente. Sua prevalência diminui com a idade, cerca de 14% das crianças apresentam, 12% na adolescência e apenas 8% quando adultos. Deve-se levar em conta que um diagnóstico precoce é fundamental para evitar problemas de saúde dental e de qualidade do sono.

Uma das maiores causas do bruxismo é o estresse.
Compartilhar

Homem com bruxismo rangendo os dentes

Causas e sintomas do bruxismo

Se acordarmos com dor nos músculos faciais ou com dor de cabeça, podemos estar apresentando os sintomas mais típicos do bruxismo. O bruxismo faz com que os dentes doam ou se afrouxem e cheguem literalmente a ser pulverizados ou desgastados. Além disso, destrói o osso que suporta o dente e causa problemas de articulação, como a síndrome da articulação temporomandibular.

Os afetados raramente percebem que roem ou pressionam os dentes. Também não percebem os sintomas porque ocorrem na maioria dos casos de forma inconsciente durante a fase de sono. Apenas quando o roer dos dentes ultrapassa um certo ponto podem ocorrer tensões ou endurecimento da musculatura facial.

Às vezes doem os dentes, as articulações maxilares, o rosto, as têmporas e os ouvidos. Em certos casos, a dor pode ocorrer em toda a cabeça. Se o roer de dentes se prolonga ao longo do tempo, as tensões também se excedem pela nuca e ombros.

As causas precisas do bruxismo ainda não foram estabelecidas. No entanto, vários fatores favoráveis ​​têm sido identificados:

  • Estresse e ansiedade.
  • Período de despertar durante a fase de sono leve, expressão mais importante do transtorno.
  • Dormir de costas.
  • Alimentação.
  • Hábitos de dormir.
  • Alinhamento inadequado dos dentes.
“Dormir corretamente é um dos hábitos pelos quais a nossa mente mais agradece.”
Compartilhar

Tratamento do bruxismo

O tratamento apropriado estará muito relacionado com a causa, já que se trata de ir à raiz e não apenas tentar parar os sintomas. As técnicas de relaxamento podem nos ajudar muito nesse sentido, já que o estresse parece ser a principal causa do bruxismo. Qualquer iniciativa que reduza efetivamente o estresse pode ajudar, como ouvir música, ler e caminhar.

Para os casos em que o fator-chave seja algum transtorno psicológico, como a ansiedade, é recomendável aprender técnicas de relaxamento e fisioterapia complementares, tratando das fases agudas de dor com anti-inflamatórios e relaxantes musculares.

Mulher com dor na mandíbula decorrente de bruxismo

A terapia psicológica ajuda a diminuir os episódios de bruxismo, já que o paciente aprende o relaxamento e o autocontrole. As ações destinadas a reduzir a ansiedade permitem modular a influência exercida pelo hipotálamo e o sistema límbico sobre a regulação do tônus ​​muscular.

O tratamento do bruxismo visa diminuir os sintomas e contribui para preservar os dentes. Dada a persistência do transtorno, o paciente pode ser encaminhado para um especialista: otorrinolaringologista, médico do sono, fisioterapeuta ou psicólogo.

“Praticar meditação e técnicas de relaxamento ajuda a dormir.”
Compartilhar

Bibliografia

Alcolea Rodríguez, J. R., Herrero Escobar, P., Ramón Jorge, M., Sol, L., Trinidad, E., Pérez Téllez, M., e Garcés Llauger, D. (2014). Associação de bruxismo com fatores biossociais. Correo Científico Médico, 18 (2), 190-202.

Arreaza, A., Correnti, M., & Battista, V. (2010). Ansiedade como característica de personalidade em um grupo de pacientes com líquen plano oral. Acta odontol. venez, 48 (2).

Da Acosta Álvarez, A., Alchieri, A., & João, C. Níveis de ansiedade e o impacto social em pessoas com bruxismo. Interpsiquis [Internet]. 2012 [cite 19 Out 2012] [aprox. 8 telas].

Pérez, G., Vázquez, L., & Vázquez, Y. (2007). Bruxismo: somatização do estresse na odontologia. In Rev Forum científico (Vol. 21, No. 52, p. 5).

Pinto, F., e Washington, W. (2014). Bruxismo e patologias relacionadas devido a superlotação e estresse psicofísico em pacientes do centro de reabilitação social nº2 de quito, no período de outubro de 2013 a março de 2014 (Tese de bacharelado, Riobamba: Universidade Nacional de Chimborazo).

Segura, M.G., Rodríguez, M.O., & Rojas, P.D. (2003). Tratamento combinado de pacientes com bruxismo com talas oclusais e psicoterapia. Correo Cientif Med Holguín7, 12.

Vicuña, D., Id, M. E., & Oyonarte, R. (2010). Associações entre sinais clínicos de bruxismo, ansiedade e atividade de masseter eletromiográfica usando o dispositivo bite strip® em adolescentes do último ano do ensino médio (secundário). International journal of odontostomatology4(3), 245-253.

Recomendados para você