Características psicológicas do agressor

Características psicológicas do agressor

julho 8, 2015 em Psicologia 698 Compartilhados
agressor

Os psicólogos ou psiquiatras expõem que os maus-tratos são consequência de uma doença, mas se inclinam por uma explicação que tem a ver com um sistema desigual. Isto é, um abuso de poder ou de dominação que afeta a sociedade.

Um agressor geralmente começa assediando a vítima, reduzindo sua liberdade, isolando-a de seu entorno (família, amigos, etc.), minando a sua autoestima, bloqueando-a e minando seu senso de segurança, transformando-a gradualmente em dependente.

“Ele se aborrece quando saio com minhas amigas”, “Me diz para não me maquiar muito“, “Não gosta que eu use uma saia muito curta“, “Não quer que eu fale com meus colegas de trabalho são as frases mais comuns de mulheres que sofrem de abuso psicológico por parte de seus parceiros.

Repreender, tratar como uma criança, considerá-la inútil ou idiota, fazendo com que mude sua forma de ser ou de se vestir, também são formas de maltratar.

O agressor muitas vezes também abusa do seu poder, seja econômica ou físico e faz com que a mulher se sinta culpada por sua maneira de falar, de pensar, de agir, etc. O problema da culpa é muito comum e também pode resultar no que se conhece como “Síndrome de Estocolmo“, em que se evitam situações que podem gerar conflitos ou confronto para não brigar ou até se separar.

O ciclo de maus-tratos costuma, em muitos casos, começar na infância do próprio agressor ou em algum tipo de trauma que aconteceu com ele durante seus primeiros anos de vida (até a adolescência). O agressor pode ter vivido em um ambiente de muita violência física ou verbal e ter sofrido medo, abandono, represália, controle excessivo, agressões físicas, etc.

As características do agressor

Estas são as principais características de uma pessoa com claro perfil de abusador ou agressor:

– Possessivo, dominante e exigente: uma das primeiras ações que toma é querer afastar seu parceiro de familiares e amigos. Como? Falando mal deles, incomodando-os em público, querendo semear a discórdia em alguma discussão ou problema, etc. Isso transforma a personalidade da vítima, priva-a de apoio externo e a torna dependente. Com o uso da violência, ele exerce poder absoluto sobre ao que você faz, sente e pensa, mesmo no mais íntimo de seu ser.

– Egocêntrico: o mundo sempre tem que girar em torno dele. Faz o que ele gosta em todos os momentos (o filme, o restaurante, o lugar de férias, as saídas) e caso contrário, se irrita. A mulher é um simples “satélite” que tem que girar ao seu redor, dependendo do que ele quer dela em cada situação. Tudo deve estar sob o seu controle e, se ela quiser desfrutar um pouco de sua independência, ele mostrará seus traços mais violentos.

– Temperamento difícil: birras como as crianças, acessos de raiva, ameaças, cara feia, brigas, etc. Tudo é sempre justificado pela culpa do outro, não por razões internas. Ele vai dizer que tal atitude o deixa de mau humor, que tal resposta é a causa de sua raiva e uma longa lista de desculpas.

– Ridicularizar ou humilhar publicamente: estando em uma reunião de família ou em um jantar com amigos, ele não terá nenhum problema em “mostrar” para os outros os defeitos de seu parceiro. Vocês não acham que ela está um pouco acima do peso?“, “Sempre erra“, “Não sabe fazer a carne como eu gosto”, “É uma bagunceira, etc.

Faz isso para manter a mulher sob controle, insultando, denegrindo, ferindo. Como consequência, a confiança vai sendo destruída e só se pensará nos erros. Nunca ficará alegre com os progressos ou êxitos e minimizará qualquer realização. Os fracassos pessoais virão à tona antes das virtudes, para que tenha a sensação de que você está sempre fazendo tudo errado.

– Controlador-paranóico: pensa que os outros querem se aproveitar dele, de seu dinheiro, de seu poder, de seus contatos, de sua sabedoria, de sua experiência, etc. Tem uma necessidade obsessiva de controlar o seu parceiro todos os dias, com perguntas destinadas a encontrar contradições.

O agressor monitora constantemente os movimentos de sua vítima, querendo saber onde sua namorada ou esposa está, com quem está, a que horas volta, o que faz e o que não faz, com quem fala, porque está atrasada alguns minutos, etc. Considera a outra pessoa sua posse, seu objeto, não uma pessoa com vida própria.

– Violento e agressivo: começa lentamente quebrando, pratos, móveis ou vidros, batendo nas paredes, jogando coisas no chão ou contra a pessoa, etc. Se chega a este ponto, é preciso fazer a denúncia e fugir imediatamente dele, não dar oportunidades.

Parece muito simples de conseguir, mas não é, pois o agressor mantém a vítima “amarrada” de diferentes maneiras, com uma grande carga psicológica. No entanto, se vários desses pontos lhe soam familiares, você está com um problema que deve resolver antes que seja tarde demais.

Recomendados para você