O fenômeno da adolescência eterna – A mente é maravilhosa

O fenômeno da adolescência eterna

Maio 6, 2015 em Psicologia 7 Compartilhados
adolescencia

Em maio de 2010, a revista New Yorker foi publicada com uma capa muito sugestiva: mostrava um homem com caixas de mudança, colocando seu diploma de doutorado na parede do seu antigo quarto na casa dos pais. Isso é um exemplo de um fenômeno muito comum hoje em dia, “os eternos adolescentes”.

É cada vez mais comum encontrar homens e mulheres em torno dos trinta anos (em alguns casos, mais velhos), que ainda não assumiram as responsabilidades da “idade adulta”. A Agência do Censo dos Estados Unidos relata que em 1970, 77% das mulheres e 65% dos homens de trinta anos de idade tinham conseguido terminar seus estudos, mudar de casa, ser independentes economicamente, casar e ter um filho. No entanto, no ano 2000, menos de 50% das mulheres e um terço dos homens com 30 anos, havia alcançado os mesmos objetivos.

Os jovens de hoje não têm esses mesmos objetivos, porque não podem, ou simplesmente porque não lhes interessam? O que está acontecendo? Por que atualmente as pessoas têm dificuldade para superar a adolescência? Existem vários elementos que alimentam esta “moda” de adolescentes eternos, entre eles a economia.

Derek Thompson, em seu artigo “A maturidade atrasada: como a recessão afetou a Geração Y?”, disse que 49% das pessoas com idade entre 18 e 34 anos trabalharam somente para pagar as contas, 35% voltaram para a escola pela pressão econômica e 22% adiaram ter um bebê por causa da recessão econômica. O custo de uma formação universitária aumentou muito nos últimos trinta anos. As dívidas da universidade e o declínio dos valores das propriedades diminuem o desejo de ter uma casa própria e começar uma nova família. Embora nesse relatório o autor apresente as estatísticas do fenômeno nos Estados Unidos, ele também pode ser aplicado para outros lugares.

Outras pessoas apontam o mundo do entretenimento e da cultura pop como os culpados pela maturidade atrasada. Enquanto os heróis do passado se esforçavam para tomar as decisões corretas, hoje em dia os filmes, as séries de televisão e seus protagonistas mostram um estilo de vida irresponsável e desequilibrado. Cada vez menos, pessoas entre 20 e 30 anos costumam ler o jornal, se interessam por arte ou obras de caridade.

Quando acaba a adolescência?

Alguns autores argumentam que agir como um adolescente de vinte e poucos anos é biologicamente normal. A psicóloga infantil Laverne Antrobus diz que a neurociência tem mostrado que o conhecimento cognitivo da pessoa se desenvolve após os dezoito anos, e a maturidade emocional, o autoconceito e a capacidade de julgamento são afetados até que o córtex pré-frontal esteja totalmente desenvolvido. Nessa fase, além do desenvolvimento do cérebro, há uma elevada atividade hormonal.

“A ideia de que, aos 18 anos, de repente você se torna um adulto não é totalmente correta”, disse Laverne Antrobus, que trabalha na Clínica Tavistock em Londres. Ela e outros psicólogos reconhecem que a adolescência vai até a idade de vinte e cinco anos aproximadamente.

Outro fator relevante é a expectativa de vida dos seres humanos, que aumentou nos últimos anos. De acordo com estudos recentes, os homens vivem onze anos e as mulheres doze anos mais, em comparação com as pessoas de quarenta anos atrás. Isso tem causado um atraso na maturidade até os vinte e poucos anos e na aposentadoria, que atualmente é por volta dos setenta anos.

Ainda não podemos determinar claramente qual a idade correta do final da adolescência. O que você acha? Isso é uma mudança para melhor ou pior? Se seguirmos essa tendência, o futuro que nos espera será sombrio ou favorável? 

Obs: Geração Y: termo utilizado para se referir às pessoas nascidas nos anos 80 e 90.

Recomendados para você