Chacras: 7 maravilhosos centros de energia

· fevereiro 7, 2019

Os chacras são centros de energia situados no corpo humano, identificados pela cultura oriental. Nestes pontos se integram aspectos biológicos e psicológicos da nossa forma de nos relacionarmos, e por meio do seu equilíbrio encontramos o caminho para alcançar o bem-estar.

Segundo o hinduísmo, o equilíbrio dos chacras é alcançado em função de como nos relacionamos com nós mesmos, com as outras pessoas, com a natureza e com o divino. Quando estamos desequilibrados manifestam-se alguns distúrbios pessoais e sociais.

É importante saber que cada um dos chacras está relacionado com uma cor, com uma localização no corpo e com um som, que proporcionam seu equilíbrio e ativação ao meditar. Nesse artigo, falaremos sobre cada um destes maravilhosos centros energéticos.

“Nada se vai de nossas vidas até nos ensinar o que precisamos aprender”
– Pema Chödrön

O primeiro dos chacras: O chacra raiz

Nome: Muladhara
Cor: Vermelho
Elemento associado: Terra
Localização: A base da coluna
Som: Lam

Muladhara

Este chacra está relacionado com o apoio a nível biológico, psicológico e relacional. Deste modo, este centro tem a ver com a força grupal e com as raízes. As partes do nosso corpo que estão associadas a ele são as pernas, os pés, o sistema imunológico, a coluna e os ossos.

Além disso, este centro energético é o primeiro que desenvolvemos e é aquele que sustenta todos os outros. Por meio dele, desenvolvemos as relações com a natureza, com os outros e com nós mesmos. Também está fortemente conectado com a energia de nossos ancestrais, a qual pode nos ajudar durante os momentos mais difíceis.

Portanto, a nível psicológico, esse chacra se relaciona com a segurança, a defesa e a capacidade de suprir as necessidades. Estes aspectos proporcionam a sustentação, já que eles estão ligados com a força e a proteção, o aprendizado e as crenças dos nossos grupos.

Quando este chacra não está em equilíbrio, ele pode estar associado a distúrbios ligados à falta de apoio. Por exemplo, doenças do sistema imunológico, dor nas costas e dor nas pernas. A nível psicológico, pode estar relacionado com doenças do humor, como a depressão e a ansiedade.

Para manter esse chacra em equilíbrio, devemos ser conscientes da forma por meio da qual nos relacionamos com as nossas raízes, como nossa a maneira de ser com as nossas famílias e as crenças que vamos aprendendo durante a vida. Além disso, a meditação pode nos ajudar a equilibrá-lo.

“Suas crenças não são feitas de realidades. É a sua realidade que é feita de crenças”.
– Richard Bandler –

Chacra 2: A maravilhosa forma por meio da qual nos relacionamos

Nome: Svadhisthana
Cor: Laranja
Elemento associado: Água
Localização: A partir da parte inferior do abdômen até a área do umbigo
Som: Vam

Svadhisthana

Trata-se da dinâmica que temos com os outros, com a natureza e com nós mesmos. Portanto, tem a ver com a visão que temos do mundo. Assim, esse chacra se vincula com a criatividade, a gestão do dinheiro, a ética e a sexualidade. Em outras palavras, ele se relaciona com a forma de nos vincularmos e interagirmos.

Portanto, em nosso corpo, esse chacra está principalmente nos órgãos sexuais, no intestino, na bexiga e nas vértebras. Assim, as disfunções estão associadas a problemas nestes lugares. A nível psicológico, o desequilíbrio se reflete em aspectos como o apego, a pressão, a falta de satisfação, a impulsividade e a sensação de limitação.

Para manter o equilíbrio devemos estar atentos ao nosso “eu” criativo, à forma como controlamos o dinheiro, à capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, e à forma como nos comunicamos. A meditação também é útil para ativar este chacra.

Chacra 3: O poder pessoal

Nome: Manipuraka
Cor: Amarelo
Elemento associado: Fogo
Localização: O plexo solar
Som: Ram

Manipuraka

Trata-se do chacra da autoestima, está relacionado com a intenção, com a coordenação e com o controle. Este chacra tem a ver com o nosso “eu” e a nossa personalidade.

Os órgãos associados são o estômago, o fígado, os rins, o pâncreas, as glândulas suprarrenais e a parte central da coluna. Quando esse chacra não está em equilíbrio se manifestam: o medo, a intimidação, a anorexia ou bulimia, a artrite e a indigestão crônica ou aguda, entre outras condições de saúde.

Com respeito às manifestações emocionais, este é um dos chacras que está vinculado com a confiança, o cuidado de si mesmo e dos outros, e a responsabilidade na hora de tomar decisões. Quando ele está em desequilíbrio, nós temos problemas nesses aspectos. Para equilibrá-lo vale apostar na meditação, se conectar com a força interior e visualizar o que realmente queremos.

“A medida do que somos é o que fazemos com aquilo que temos”.
– Vince Lombardi –

Chacra 4: O incrível poder das emoções

Nome: Anahata
Cor: Verde
Elemento associado: Ar
Localização: O centro do peito
Som: Yam

Anahata

Este é o centro da energia do amor incondicional. Este chacra está relacionado com a compreensão, o carinho e o perdão. A nível orgânico, ele está ligado ao coração, aos pulmões, aos ombros, aos braços, ao sistema circulatório e ao diafragma. Então, os distúrbios físicos refletem falhas no sistema circulatório, a asma, o câncer de mama e a pneumonia.

Suas manifestações emocionais são o amor e o ódio, o egocentrismo, a solidão, o comprometimento, o perdão, a compaixão, a esperança e a confiança. Assim, os distúrbios emocionais têm a ver com a dependência, a confusão, a descrença, a falta de confiança, a incapacidade de perdoar e de se comprometer.

“Ame incondicionalmente, não peça nada em troca. Receberá muito sem a necessidade de pedir – você vai converter isso em outra coisa – mas não seja um mendigo. No amor, seja um imperador. Somente dê e espere para ver o que acontece: receberá mil vezes mais”.
– Osho –

Chacra 5: A vontade

Nome: Vishudda
Cor: Azul
Elemento associado: Éter
Localização: A garganta
Som: Ham

Vishudda

O chacra 5 é o da vontade e da auto-expressão. Os órgãos envolvidos neste centro energético são a garganta, a tireoide, a traqueia, as vértebras cervicais, a boca, o hipotálamo, os dentes, as gengivas, entre outros. As disfunções físicas estão relacionadas com doenças nessas partes, como os roncos ou os transtornos da tireoide.

Emocionalmente, está vinculado com a escolha, a expressão, a fé, o conhecimento, o juízo, a crítica, o vício e a busca para atingir metas. Então, esse chacra se relaciona com a capacidade de expressar o que sentimos, tomar decisões e seguir motivações. Quando ele está desequilibrado, está ligado à forma de julgar e à dificuldade em comunicar e decidir.

“Quem tem vontade, tem força”.
– Menandro –

Chacra 6: O poder da nossa mente

Nome: Ajna
Cor: Violeta
Elemento associado: Luz
Localização: O centro da testa
Som: Om

Ajna

Este maravilhoso centro de energia é aquele que se conecta com a sabedoria, a intuição e a percepção. A nível físico, esse chacra está ligado com o sistema nervoso, os olhos, os ouvidos e o nariz. Em desequilíbrio, pode haver distúrbios como os transtornos neurológicos, a cegueira, a surdez e os problemas de aprendizado.

Manifesta-se psicologicamente na forma de avaliarmos a nós mesmos, na verdade, na inteligência emocional e na tolerância na hora de escutar as ideias de outras pessoas. Em outras palavras, é a habilidade que nós temos de avaliar as crenças e atitudes próprias, a introspecção e a capacidade de julgamento. Se este chacra está em desequilíbrio, nós manifestamos problemas nesses aspectos.

“Alegre-se porque todo lugar é aqui e todo momento é agora”.
– Buda –

Chacra 7: A conexão espiritual

Nome: Sahasrara
Cor: Branco
Elemento associado: Som cósmico
Localização: A parte superior da cabeça
Som: Silêncio

Sahasrara

Este é o centro da energia espiritual, do que transcende, o chacra da força entre mente, corpo e espírito.

Portanto, este chacra está relacionado com a capacidade que possuímos de confiar na vida, na generosidade, na visão global, na fé, na inspiração e na devoção. Quando não está equilibrado, podem surgir transtornos a nível energético e uma sensibilidade extrema a fatores ambientais.

“O segredo da liberdade humana é agir bem, sem apego aos resultados”.
– Bhagavad Gita –

Como já mencionamos, para revitalizar os nossos chacras poderíamos meditar e, assim, entrar em conexão profunda. Para facilitar a prática e o equilíbrio dos chacras, podemos nos concentrar nas cores, nos sons, elementos e lugares do corpo de cada chacra. Além disso, também ajudaria visualizar o equilíbrio que queremos que chegue às nossas vidas e realizar práticas saudáveis a nível emocional e físico.

Do mesmo modo, podemos escutar o nosso corpo e mente para saber qual chacra se encontra em desequilíbrio, e tentar chegar a um estado de plenitude. Trata-se de estar atentos aos problemas que temos e tentar solucioná-los. A meditação pode ajudar a nos conectarmos e encontrarmos uma saída.

Segundo prega a cultura oriental, o sossego é atingido através do cuidado com este fluxo energético. É algo que permite o crescimento pessoal e com o qual você pode aprender, passo a passo, a atingir uma harmonia através da conexão profunda.

Além disso, estar atentos aos nossos chacras é uma fonte de autoconhecimento. Aprender sobre você e o seu ambiente, buscando o equilíbrio energético porque, como disse Caroline Myss, “a cura do corpo chega através da cura da alma”.

  • MYSS, C. (1996). Anatomía del Espiritú. La curación del cuerpo llega a través del alma. Ed. Zeta de bolsillo, Espanha.