7 chaves para deixar de ser uma pessoa amarga

Você sente que a amargura está consumindo sua vida? Ensinamos algumas chaves que podem ajudar a reduzir esse sentimento.
7 chaves para deixar de ser uma pessoa amarga

Última atualização: 11 julho, 2022

A amargura é um sentimento relacionado à frustração, ressentimento e tristeza, que muitas vezes surge como consequência de um evento de injustiça ou decepção. Esse sentimento não afeta apenas a pessoa que o desenvolve, mas também o círculo que o cerca (amigos, familiares e colegas).

Quando a amargura atinge limites patológicos, é considerada um transtorno.

Não é fácil deixar de ser uma pessoa amarga, embora implementar algumas mudanças no estilo de vida pode ajudar.

Como deixar de ser uma pessoa amarga

A amargura é um sentimento muito complexo. Isso porque reúne muitas emoções, o que gera uma tempestade no humor de quem a desenvolve. Por esta razão, é tão difícil superar ela. Vejamos sete dicas para deixar de ser uma pessoa amarga.

1. Identificar os catalisadores de sua amargura

Como já mencionamos, a amargura nasce de um processo que é assimilado como injusto ou após uma situação que causou grande decepção. Um divórcio, uma demissão ou certas características físicas são apenas alguns exemplos. Pode ser qualquer evento negativo que desencadeie incerteza, raiva, desorientação e deterioração do humor.

Identificar a fonte de sua amargura é de grande ajuda para entender por que você assume essa atitude, bem como para tentar evitá-la. De fato, você não será capaz de superar esse sentimento se não resolver primeiro as razões pelas quais ela existe. Este é o primeiro passo para deixar de ser uma pessoa amarga, e é algo que você pode fazer sozinho ou na companhia de um profissional.

homem pensando devagar

2. Incluir um novo hábito ou hobby em sua rotina

Ser uma pessoa amarga implica um acúmulo de grande tensão e estresse. Existem muitas maneiras de canalizar isso, mas uma das mais eficazes é através de hábitos ou hobbies que envolvem movimento ou pelo menos distração.

Jogar videogame, aprender um idioma ou tocar um instrumento, ler, ouvir música e escrever pode ajudá-lo a lidar com as frustrações.

Tente, sim, que o hábito que você escolher não se torne uma nova alça para sua amargura. Alguns deles exigem muita concentração e disciplina e, se você não lidar com eles adequadamente, podem torná-lo ainda mais amargo. Experimente vários até encontrar o que melhor se adapta às suas necessidades e gostos.

3. Exercitar regularmente

O exercício é uma grande distração e um potencializador do bem-estar psicológico. A relação é aceita por especialistas, tanto que muitas vezes faz parte do tratamento complementar para ansiedade, depressão e outros transtornos. Qualquer tipo de atividade beneficiará você, desde que você a implemente a médio e longo prazo.

Como ponto de partida, você pode levar em consideração as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS); ou seja, 150 minutos de atividade intensa ou alternativamente 300 minutos de atividade moderada por semana. Você pode optar por se exercitar ou praticar um esporte, faça a escolha com base nos seus gostos e no tempo que tiver.

4. Expandir seu círculo social

Conversar e compartilhar com os amigos é uma atividade que distrai, que pode ajudá-lo a aliviar a tensão e o estresse que você acumulou. Claro, não apenas opte por conversar com eles virtualmente, combine reuniões presenciais. Fazer isso é muito importante para evitar o isolamento, pois isso pode potencializar ainda mais a amargura.

5. Fazer coisas que você associa à felicidade

Se tivermos que fazer uma rápida comparação, podemos dizer que a amargura é a antítese da felicidade. Certamente, quando pensamos em uma pessoa amarga, sempre a associamos à infelicidade. Para combater isso, você pode incluir com mais frequência atividades que associa subjetivamente ao aumento da felicidade.

Às vezes as coisas mais simples podem nos fazer felizes. Comer chocolate, comer com os pais, passear na natureza pode ajudá-lo a lidar com essa atitude.

Abra um espaço na sua rotina semanal para que pelo menos uma vez por semana você dedique tempo ao que realmente te faz feliz.

Mulher curtindo a natureza

6. Praticar o perdão

Em dois sentidos: o perdão que você concede aos outros por coisas que eles disseram ou fizeram, e o perdão para si mesmo. Já destacamos que a amargura está associada ao ressentimento e esta é a face oposta do perdão. Quando você aprender a perdoar, você terá dado um salto gigante.

7. Regular suas expectativas

Existe um fenômeno conhecido como o mito da chegada. Alude à tendência de acreditar que uma vez que você tenha alcançado certos objetivos ou metas (ter um parceiro, perder peso, casar, conseguir um emprego bem remunerado, tornar-se independente, mudar-se e outros), sua vida será magicamente perfeita. Quando isso não acontece, surgem sentimentos de frustração, que podem dar lugar à amargura.

Regular suas expectativas é muito importante. A regulação emocional é conhecida por desempenhar um papel importante, assim, você deve aprender a controlar certas emoções e impulsos para evitar ser vítima de decepções. Levando em consideração as dicas anteriores, será mais fácil deixar de ser uma pessoa amarga.

Mudar uma atitude ou comportamento não é fácil, especialmente quando você o arrasta por muito tempo. Deixar de ser uma pessoa amarga leva tempo, então a paciência será a melhor virtude que você pode escolher como companheira. Às vezes a mediação de um profissional pode ser essencial, por isso não feche completamente a porta para buscar ajuda psicológica.

Pode interessar a você...
Há pessoas que amargam a vida enquanto fingem torná-la mais doce
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Há pessoas que amargam a vida enquanto fingem torná-la mais doce

Em nosso dia a dia, podemos falar de algumas pessoas que amargam a vida mas, ao mesmo tempo, sussurram palavras doces em nossos ouvidos.



  • Belaise C, Bernhard LM, Linden M. L’embitterment: caratteristiche cliniche [The post-traumatic embitterment disorder: clinical features]. Riv Psichiatr. 2012 Sep-Oct;47(5):376-87.
  • Biddle S. Physical activity and mental health: evidence is growing. World Psychiatry. 2016;15(2):176-177.
  • Delgado MR, Gillis MM, Phelps EA. Regulating the expectation of reward via cognitive strategies. Nat Neurosci. 2008;11(8):880-881.