Todos somos bons em alguma coisa, mas nem todos somos bons na mesma coisa

Se você sente que o ambiente está pressionando você a se encaixar ou mudar, talvez seja hora de reconhecer e valorizar o que o torna único. Todos nós somos bons em alguma coisa, você sabe no que você é bom?
Todos somos bons em alguma coisa, mas nem todos somos bons na mesma coisa

Última atualização: 25 junho, 2022

A comparação é imanente à nossa condição humana, as demais pessoas são uma referência. No entanto, o que também sabemos é que muitas vezes usamos as informações que extraímos dessa comparação para outros fins.

À luz dessa comparação, podemos nos sentir insuficientes, falhos ou sem valor, ameaçando nossa autoestima. O que acontece é que perdemos de vista o fato de que, embora não sejamos todos bons na mesma coisa, todos somos bons em alguma coisa.

Infelizmente, a sociedade tende a buscar a homogeneização. Assim como existem cânones estéticos ideais nos quais todos devemos nos encaixar, também existem habilidades, atitudes e traços de personalidade que são exigidos de nós de uma forma ou de outra. Parece não haver espaço para a diversidade, por mais enriquecedora que seja.

Mulher pensando
A comparação pode nos fazer sentir diferentes e até inferiores aos outros, o que afeta nossa autoestima.

A heterogeneidade da virtude

Como dissemos, é evidente a pressão social para que todos nos adaptemos a certos cânones -entre outras questões, uma sociedade mais homogênea é mais fácil de controlar apresenta menos desafios-.

Isso começa, e é claramente visto, durante o período escolar. O paradigma educacional atual ainda se baseia no esquema clássico de repetição e memorização. Assim, as crianças que se destacam nessas áreas recebem notas melhores.

Em contraste, as crianças que são talvez mais ativas e criativas, que precisam se mover, fazer e experimentar para aprender, são apontadas como inadequadas ou pouco inteligentes. A mesma coisa acontece com certas disciplinas: não importa se uma criança é boa em música, se não é excelente em matemática.

Essa tendência continua ao longo da vida. Há um caminho genérico delineado que temos que seguir se quisermos ser reconhecidos. Estudar em boas universidades, ter empregos estáveis e formar famílias tradicionais são as principais expectativas que recaem sobre nós.

Assim, quem opta por treinar de forma autodidata, ter um pequeno empreendimento artístico ou permanecer solteiro, carrega constantemente o fardo da comparação e a ideia de “fracasso”.

Quando esquecemos que todos somos bons em alguma coisa, nos machucamos muito

Todos esses processos sociais não nos são indiferentes. Pelo contrário, eles moldam nossa imagem de nós mesmos e da vida e podem gerar emoções muito negativas. Geralmente, estas são as estratégias que adotamos diante da pressão ambiental:

Abrimos mão de nossa essência

Quando somos crianças, somos inocentes, espontâneos e confiantes. Fazemos o que amamos, o que gostamos e não nos importamos com o que os outros pensam. No entanto, aprendemos rapidamente que o amor e a aceitação dos outros são condicionais e, para conquistá-los, nem sempre podemos ser nós mesmos.

Assim, há aqueles que abrem mão de sua essência criativa e livre para se tornarem pessoas obedientes e metódicas. E, apesar de isso levar a um suposto sucesso, eles vivem uma existência infeliz e insatisfeita, podendo até acabar adoecendo. É o que acontece, por exemplo, com quem sofre da síndrome da boa menina.

Vivemos fingindo e usando máscaras

Por outro lado, podemos ser muito bons em alguma coisa, mas se não formos bons no que “deveríamos” fazer, sentimos que isso não é correto. Se, por exemplo, você é uma pessoa introvertida, com um mundo interior amplo e rico, é possível que em várias ocasiões você tenha rejeitado sua sensibilidade e se forçado a ser alguém mais ativo e extrovertido.

Dessa forma, minimizamos nossas qualidades e virtudes e nos esforçamos para mudar, para ser como os outros. Infelizmente, isso nos leva a viver atrás de uma máscara e o esforço de fingir ser quem não somos pode ser exaustivo.

Nossa autoestima é afetada

É provável que, apesar de nossos esforços para sermos excelentes alunos, pessoas sociáveis, líderes e estáveis, muitas vezes não o consigamos. Isso é natural, pois somos seres humanos diversos e não robôs tirados de um molde.

No entanto, essa incapacidade de ser bom no que se espera de nós pode nos fazer sentir fracassados e prejudicar profundamente nossa autoestima. Podemos até nos sentir ansiosos e deprimidos.

Mulher triste e apática
Comparar-nos é um ato inútil porque não estamos em igualdade de condições, por mais que queiramos. Devemos aprender a aceitar a diversidade.

Todos somos bons em alguma coisa: abrace o que o torna único

Para evitar as consequências dolorosas de nos compararmos e sermos comparados aos outros, seria importante que a diversidade começasse a ser incentivada e aceita em nível social. Que nos conscientizemos de que todos podemos dar contribuições valiosas à sociedade, mesmo que nem sempre esteja preparada para reconhecê-las imediatamente.

No entanto, comecemos por nós mesmos, reconhecendo-nos e aceitando-nos como somos. Todos nós somos bons em alguma coisa!

Pare de se comparar e se humilhar e se valorize. Você pode não ser extrovertido, mas é excelente em ouvir ou aconselhar, trazendo calma. Talvez você não seja competitivo, mas é muito artístico e criativo. Você pode não gostar de viajar pelo mundo, mas é o melhor em criar um lar aconchegante e acolhedor.

Você não precisa ser igual a ninguém, você não é inferior ou inadequado. Pelo contrário, somos todos únicos e todos somos necessários, o mundo estaria incompleto sem você. Abrace o que o torna único.

Pode interessar a você...
O seu nome afeta a sua personalidade?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O seu nome afeta a sua personalidade?

O seu nome afeta a sua personalidade ao moldar a imagem que você tem de si mesmo e a forma como os outros te veem. Saiba mais sobre o assunto!



  • Dijkstra, P., Kuyper, H., Van der Werf, G., Buunk, A. P., & van der Zee, Y. G. (2008). Social comparison in the classroom: A review. Review of educational research78(4), 828-879.
  • Engel, Beverly (2010) The Nice Girl Syndrome: Stop Being Manipulated and Abused. New York
  • Wheeler, L. (2000). Individual differences in social comparison. Handbook of social comparison, 141-158.