Código deontológico do psicólogo - A Mente é Maravilhosa

Código deontológico do psicólogo

março 29, 2018 em Curiosidades 67 Compartilhados
Código deontológico do psicólogo

A psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano e seus processos cognitivos. Seu objetivo final é melhorar nossa qualidade de vida, encorajar e cuidar da saúde mental. Mas quem ou o que é responsável por garantir que os psicólogos sigam esses princípios? É aqui que entra o código deontológico do psicólogo.

O código deontológico do psicólogo é um guia que orienta a ética profissional de quem se dedica à psicologia. Ao longo do código deontológico, podemos encontrar 59 artigos que regem a competência profissional, a intervenção, a pesquisa e o ensino, obtendo e usando informações, publicidade, remuneração e garantias processuais.

O incumprimento de qualquer desses artigos envolverá uma avaliação do profissional negligente através de um comitê avaliador; uma vez que a gravidade da falha for julgada, a penalidade correspondente será aplicada. Esta sanção pode ser leve, mas também rigorosa, como a retirada do diploma e da licença para a prática.

Neste artigo, vamos fazer uma pequena revisão dos princípios gerais do código deontológico, fornecendo uma visão geral de seus objetivos.

Sessão de terapia

Princípios gerais do código deontológico

O primeiro dos princípios gerais (artigo 5) fala sobre o propósito da psicologia, que está orientado para objetivos humanos e sociais, como o bem-estar, a saúde, a qualidade de vida, etc. Qualquer prática dentro da psicologia que vá contra esses objetivos seria contrária à ética profissional.

O artigo 6 trata da sinceridade do profissional. Um psicólogo, conhecendo os dados verdadeiros, não pode alterá-los ou transmitir uma versão fraudulenta dos mesmos. A atividade profissional deve ser baseada na responsabilidade, honestidade e sinceridade em relação aos clientes e ao público, e no uso de instrumentos e técnicas com fundamentos científicos e objetivos.

O próximo princípio, artigo 7, fala sobre o uso da psicologia com intencionalidade negativa. É totalmente proibido usar as noções aprendidas nesta disciplina para restringir a liberdade individual ou para aplicar maus-tratos. Nunca e em nenhum caso a má aplicação da psicologia será justificada; seja por conflito armado, obrigação, guerra civil, revolução, terrorismo ou qualquer outra situação que procure justificar o crime.

O artigo 8 diz que todo psicólogo deve informar, pelo menos aos organismos colegiados, em caso de conhecimento de violação de direitos humanos, maus-tratos ou condições cruéis de prisão. O segredo profissional ou confidencialidade com o cliente não é exercido quando ocorre esse tipo de situação. Infelizmente, este é um dos artigos mais violados do código.

O seguinte princípio geral (artigo 9) fala sobre o respeito dos critérios morais ou religiosos dos clientes. Sim, o fato de respeitá-los não impede o questionamento deles quando necessário no contexto da intervenção.

Homem conversando com psicóloga

O artigo 10 proíbe ao psicólogo, durante a prestação de seus serviços, fazer uso da discriminação baseada na raça, gênero, sexo, credo, ideologia ou qualquer outro fator diferenciador. A aplicação da psicologia é universal e, portanto, na sua prática, o princípio da não discriminação deve ser respeitado.

No princípio geral do artigo 11, fala-se que o psicólogo não pode se beneficiar de seu status de poder ou superioridade em relação aos pacientes; quer para seu próprio benefício, quer para terceiros. Aproveitar esse status seria afastar-se dos objetivos da disciplina psicológica.

O artigo 12 fala sobre cautela ao escrever seus relatórios ou diagnósticos. Distúrbios mentais ou qualificadores psicológicos muitas vezes acompanham estigmas ou rótulos sociais. Por esta razão, devemos usar a linguagem com cautela, tentando não degradar socialmente nenhum dos clientes.

O artigo 13 visa evitar um mau encaminhamento de pacientes ou apropriação indevida de clientes. Em nenhum caso os clientes podem ser monopolizados, e as vias legais propostas para encaminhamento de pacientes devem ser seguidas. Isso garante que as pessoas sejam tratadas pelo melhor profissional para seu problema.

O artigo 14 proíbe a concessão do nome ou assinatura do psicólogo profissional para terceiros. A única pessoa que pode assinar, dentro da prática profissional, é o próprio psicólogo. Isso evita a intrusão e ocultação de práticas vãs ou pseudocientíficas.

O último dos princípios do código deontológico do psicólogo, incluído no art. 15 , lida com interesses conflitantes. Quando isso ocorre, o psicólogo tentará realizar sua atividade com a máxima imparcialidade possível. E deve, nessas situações em que procede legitimamente, fazer uso de seus argumentos perante as autoridades institucionais.

A importância do código deontológico do psicólogo

Agora que conhecemos os princípios gerais do código deontológico do psicólogo, por que é tão importante ter um guia para a ética profissional? Não esqueçamos que a psicologia clínica é uma profissão de saúde e, portanto, seus clientes exigem que os serviços sejam competentes e confiáveis. Basicamente, na prática de cada psicólogo está registrada de alguma forma toda a profissão.

Mulher fazendo terapia

Mas também é importante ter em mente que um código ético nos ajuda a orientar aspirações e regulamentos dentro dos valores da disciplina psicológica. Se o que queremos é uma ciência a favor do progresso e do bem-estar, é necessário criar limitações do comportamento profissional que nos impedem de se afastar desses objetivos.

Finalmente, vale acrescentar que é dever de cada psicólogo fazer uma reflexão crítica sobre sua conduta profissional e o próprio código deontológico. Um debate contínuo entre um grupo de psicólogos comprometidos nos ajudará a melhorar um guia de ação a favor da ciência e do bem-estar das pessoas que atendemos.

Recomendados para você