A teoria da coerência central fraca e o transtorno do espectro autista

25 Outubro, 2020
A teoria da coerência central fraca assume que há pessoas cuja atenção vai antes para os detalhes de uma imagem do que para processar um esquema geral da mesma. Como isso está relacionado ao TEA?

Por padrão, geralmente processamos os objetos em nosso ambiente de maneira global. Além disso, quando procuramos um objeto e nos esforçamos para encontrá-lo, fazemos isso tomando como referência uma imagem global dele. Desse modo, não o buscamos por suas partes individuais, mas em nosso sistema semântico, ele é representado pela sua totalidade. Isso se deve a uma função executiva conhecida como coerência central. A seguir, explicaremos quais são as suas características.

Quando observamos um objeto pela primeira vez, observamos a sua representação globalmente e não cada uma das partes que o compõem. Por exemplo, se olharmos para os rostos dos nossos entes queridos, olharemos para eles como parte de um todo, e não isoladamente o nariz, a boca, etc. Isso acontece graças à coerência central.

No entanto, alguns estudos nos dizem que isso não acontece, por exemplo, em pessoas que têm um transtorno do espectro autista ou algum problema nas funções executivas. É por isso que a neurociência deu atenção à teoria da coerência central fraca.

A teoria da coerência central fraca e transtornos do espectro do autismo

A teoria da coerência central fraca

Esta teoria foi formulada por Uta Frith em 1989; Joliffe e Baron Cohen em 1999, e surge para explicar a dificuldade que as pessoas com TEA têm de integrar informações em um único “todo” coerente. Pessoas com autismo, ou transtorno do espectro autista, são caracterizadas por apresentar um processamento fragmentado; a sua atenção tende a se concentrar nos pequenos detalhes.

Segundo a Dra. Frith, as pessoas com TEA têm dificuldade em elaborar interpretações de situações lendo as intenções dos participantes com base nos movimentos dos olhos, das mãos e nas pistas contextuais.

Além disso, existe a desvantagem de que, por se deterem nas partes isoladas – em vez do todo -, eles demoram mais para ver, por exemplo, a globalidade de uma imagem.

Avaliação neuropsicológica

A importância da avaliação neuropsicológica para saber se há alteração no sistema de coerência central é uma ajuda valiosa para o diagnóstico. Assim, é possível avaliar a tendência de focar no detalhe como habilidade especial dos TEA, em detrimento da capacidade globalizante da coerência central.

Essa habilidade especial de focar nos detalhes é avaliada na tarefa de “figuras mascaradas” ou no subteste do cubo das Escalas de Inteligência Wechsler. As habilidades savant representam um estilo cognitivo muito particular.

Isso tem sido observado na avaliação neuropsicológica do desenho: essas pessoas tendem a começar os desenhos com detalhes, preenchendo as partes com detalhes, uma a uma, ao invés de começar com um esboço geral.

No entanto, essa teoria não explica todo o quadro clínico característico de pessoas com transtorno do espectro autista (TEA); portanto, os pesquisadores sugerem usá-la como uma teoria explicativa do processamento cognitivo focado em detalhes.

Avaliação neuropsicológica

Teorias complementares

Uma teoria complementar é o “modelo de disfunção executiva”. Embora este modelo não responda ao conjunto completo de sintomas do TEA, ele explica algumas características, como falta de flexibilidade, dificuldades de planejamento e geração de novas ideias ou a presença de comportamentos repetitivos.

Esses tipos de recursos têm a ver com as funções executivas. Recentemente, pesquisadores como Rosenthal (2013) encontraram um aumento nas manifestações de déficit executivo em crianças maiores.

Portanto, a intervenção neuropsicológica deve ser realizada desde cedo, nessas áreas ou nos déficits das funções executivas, com o objetivo de minimizar os efeitos da alteração. Da mesma forma, a perspectiva neurobiológica tem mostrado que há uma amplitude e diversidade de fatores genéticos associados ao TEA. A abordagem neuropsicológica aceita que um único déficit não explica a heterogeneidade do transtorno.

Por outro lado, a teoria do déficit de cognição social se baseia na ideia de que as pessoas com TEA apresentam alteração na capacidade de representar seus próprios estados mentais e dos outros, bem como dificuldade em se colocar no lugar do próximo.

Portanto, a partir da teoria da coerência central fraca, esse tipo de atenção ao detalhe poderia ser visto como um processamento cognitivo diferente, e não como um déficit. Na verdade, esse processamento focado em detalhes permite que essas pessoas façam contribuições valiosas que não estariam disponíveis para pessoas com uma forma mais normativa de processar as informações.

Baron-Cohen, S., Leslie, A. y Frith, U. (1985). Does the autistic child have a “theory of mind”? Cognition, 21, 37-46.

Baron-Cohen, S. (1987). Autism and symbolic play. British Journal of Developmental Psycology, 5, 139-148.

Baron-Cohen, S (1990). Autismo: un trastorno cognitivo específico de “ceguera de la mente”. lnternational Review of Psychiatry, 2, 81-90.

Beatriz López y Sue R. Leekam (2007) Teoría de la coherencia central: una revisión de supuestos teóricos, Journal for the Study of Education and Development, 30: 3, 439-457, DOI: 10.1174 / 021037007781787462