Como alcançar a felicidade (segundo Bertrand Russell)

· setembro 23, 2017

Certamente existem diferentes abordagens e conselhos a respeito de como alcançar a felicidade. Estas são as reflexões propostas por Bertrand Russell.

Bertrand Russell era um filósofo, matemático e escritor inglês que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1950. No início, não parecia que alguém como ele tivesse algum segredo ou pudesse nos dizer como alcançar a felicidade. Na verdade, grande parte de sua vida se passou entre a desilusão e o tédio. No entanto, e talvez precisamente por isso, ele conseguiu transformar sua vida e aprendeu a ser feliz.

Este polêmico pensador teve a desgraça de perder seus pais quando tinha apenas 6 anos de idade. Desde então, morava com seus avós, que lhe impuseram uma educação muito rigorosa. Desde muito jovem sentiu que a vida era quase insuportável e depois confessou que várias vezes pensou em se suicidar.

No entanto, Bertrand Russell encontrou no conhecimento um caminho para a totalidade. Filosofia e lógica permitiram que ele aprofundasse sua própria experiência. Conseguiu dar-lhe um alcance universal, elevar seu espírito e superar seu sofrimento. Estas são algumas das condições para ser feliz, de acordo com o filósofo.

Como alcançar a felicidade: o foco está no exterior

Para Bertrand Russell, fechar-se para o mundo só leva à tristeza e tédio. Se nos concentrarmos em nossos problemas, falhas, lacunas, medos, etc., só perderemos o entusiasmo pela vida. Isso coincide com as filosofias orientais e com a psicanálise lacaniana. Essas duas correntes sugerem que o “eu” é a fonte de sofrimento ou de doença.

Como alcançar a felicidade, segundo Bertrand Russell

Em contrapartida, se nos focamos em seus aspectos externos, a vida se torna mais simples. Esses aspectos externos compreendem muitas realidades. Conhecimento, outras pessoas, trabalho, passatempos, etc. Tudo isso torna a vida mais interessante e gratificante.

Bertrand Russell aponta que atitudes expansivas trazem alegria. Elas também são, em si mesmas, uma fonte de energia e motivação. E ainda fornecem elementos para ter mais força na solução de seus próprios problemas.

A maneira de cultivar a atitude expansiva

A atitude expansiva não nasce espontaneamente, mas é necessário cultivá-la. Para B. Russell, permanecer distraído nas atividades cotidianas é uma atitude que abre a porta para a felicidade. Não é para afastar-se da introspecção ou da reflexão sobre si mesmo, porque isso levaria a uma vida banal. Mas seria uma questão de encontrar um equilíbrio particular que não teria nada a ver com colocar o ponto de apoio em um lugar equidistante dos extremos.

Flor representando a felicidade

Nesse sentido, também é importante escolher o momento certo e o modo certo. Há um tempo para pensar sobre si mesmo e outro para se concentrar no externo. Pense nos seus próprios problemas apenas quando faz sentido fazê-lo; no resto do tempo, teríamos que voltar nossa atenção para o exterior.

O que Bertrand Russell propõe é o cultivo de uma mente ordenada. Se isso for alcançado, a mente sempre será mais clara e mais orientada para o presente. Quando você pensa sobre si mesmo, você deve fazê-lo com racionalidade e concentração máxima. Também teríamos que questionar nosso próprio raciocínio para determinar sua validade.

Duas virtudes para cultivar

A própria vida de Bertrand Russell demonstra algo que ele afirmou mais tarde: a felicidade é uma conquista. Não é dada por geração espontânea, nem vem de fora. A capacidade de ser feliz é precisamente isso: uma capacidade que deve ser trabalhada, cultivada e realizada. Para isso, é indispensável ter duas virtudes: esforço e resignação.

Jovem pensando na sua felicidade

O esforço é para que direcione as energias para o trabalho que permite alcançar algo desejado. Isso implica determinação e perseverança também. Nada de realmente valioso é alcançado da noite para o dia. E ser feliz muito menos. Portanto, é importante cultivar esse atributo que permite reunir e direcionar os esforços para alcançar os objetivos.

Outra das virtudes indispensáveis ​​para conquistar a felicidade, diz Russell, é a resignação. Talvez seja mais preciso falar “aceitação”. A vida traz situações que são inevitáveis ​​e impossíveis de resolver. A morte, a doença incurável ou as perdas definitivas poderiam ser exemplos.

Embora certas situações não possam ser revertidas, o que podemos fazer é aumentar nossa capacidade de aceitá-las. Não perca tempo tentando resolvê-las ou deixando-as tirar nossa paz escrevendo-as em nossa história de uma maneira que não nos fará bem.

Bertrand Russell era um dos homens mais brilhantes de sua época. Seu pensamento continua em pleno vigor. Ele deixou de ser um menino órfão e triste que se sentia perdido no mundo para se tornar um dos mais importantes intelectuais do planeta. O melhor sustento para suas palavras foi sua própria vida e suas próprias realizações. Esperamos que tenha gostado de sua abordagem a respeito de como alcançar a felicidade.