Como criar futuros alternativos

janeiro 31, 2019
Não podemos saber como será o futuro. Podemos, no entanto, imaginar diferentes futuros alternativos. Quer saber como?

O futuro é incerto por definição. Em outras palavras, o futuro não é algo que possamos prever. Em muitos casos ele é um mundo infinito de possibilidades. Esses futuros alternativos, narrados por diferentes fontes, podem estar mais ou menos fundamentados. Isso é, podem estar baseados em evidências do presente e do passado ou, por outro lado, podem se apoiar em diversas superstições.

Para acreditar em um futuro ou outro, podemos pensar que o melhor é se basear na evidência do presente, mas esse caminho não produz apenas um futuro. Por isso, a seguir vamos explicar três formas de criar futuros alternativos. Esses futuros podem servir para criar histórias literárias e também para fazer uma análise estratégica. O que eles têm em comum é que se baseiam nas evidências que o presente nos dá.

A análise de cenários

A criação de futuros alternativos serve para reduzir a incerteza e gerir o risco. Os futuros alternativos determinam diferentes formas por meio das quais uma situação pode evoluir, o que pode servir para melhorar a tomada de decisão ou para entender os possíveis riscos. Também pode servir para conhecer e entender os passos que temos que dar para alcançar um determinado objetivo.

Temos que ser conscientes de que os cenários de futuros alternativos não predizem o futuro. Eles podem, na verdade, limitar esses futuros possíveis. Essas técnicas são usadas quando existe uma incerteza considerável sobre o que vai acontecer a seguir. Quando a incerteza é muito baixa ou a situação é tão caótica que é impossível determinar o futuro, essas técnicas não são recomendadas.

Elas vão ser úteis à medida que nos obrigam a pensar em fatores e futuros que, de outra forma, não poderíamos imaginar ou levar em consideração.

Mulher preocupada com o futuro

Cenários simples

A técnica de cenários simples é, como poderíamos imaginar, a mais simples. Consiste em definir bem qual é o objeto que estamos tratando. Pode ser desde o futuro do mundo até o de uma pequena cidade ou o nosso dia de amanhã.

Uma vez que tivermos identificado o objeto, teremos que selecionar as forças, fatores e acontecimentos que se relacionam com ele. No caso do futuro de um país como exemplo, pode ser determinada a economia ou o sistema político. Da mesma forma, uma revolução seria um fato que poderia ter uma clara influência em como o futuro seria.

Uma vez que tenhamos escolhido o objeto e tenhamos também determinado todos os fatores, criaremos quatro cenários de futuro: um no qual tudo continua igual, outro no qual tudo ocorre da pior forma possível, um no qual tudo ocorre da melhor forma possível e, por último, outro alternativo que seja diferente dos anteriores.

A seguir, teremos que criar uma tabela com os cenários de um lado e os fatores do outro, e ir assinalando para cada fator valores positivos, negativos ou neutros, dependendo de como seriam esses fatores em cada um dos quatro cenários.

Por último, depois de eliminar os fatores que tiverem o mesmo valor para todos os cenários, poderemos começar a escrever nossos futuros. Para isso, temos que levar em conta os fatores e seus valores; são eles que determinarão, em grande parte, como o nosso futuro será.

“O futuro está oculto atrás dos homens que o determinam”.
-Anatole France-

Análise de futuros alternativos

Na análise de futuros alternativos começamos do mesmo jeito que nos cenários simples. Definimos o objeto e buscamos as forças, fatores e acontecimentos mais importantes relacionados. Nesse ponto temos que atribuir valores para os fatores para ficarmos apenas com aqueles dois que consideramos mais importantes para o futuro.

Estes dois fatores vão representar duas linhas que desenharemos em forma de cruz, as quais definirão quatro quadrantes. Ou seja, os quatro futuros alternativos. Desse modo, os fatores vão ser positivos de um lado da linha e negativos do lado oposto.

Então, em um dos quatro quadrantes os dois fatores serão positivos, em outro serão ambos negativos, e nos dois restantes teremos um negativo e um positivo. Como consequência, nossos futuros alternativos vão ser criados dependendo de como se desenvolverem os fatores escolhidos, de forma positiva ou negativa atendendo a cada uma das possíveis combinações.

Planejar o futuro

Geração de cenários múltiplos

Por último, a geração de cenários múltiplos é similar à análise de futuros alternativos. A diferença está no fato de que em vez de escolher dois fatores, selecionaremos três. Da mesma forma, os fatores se agruparão de dois em dois, formando um total de doze futuros alternativos diferentes.

Ainda que possam parecer muito simples, essas estratégias são muito efetivas. A maior dificuldade está em encontrar quais forças, fatores ou acontecimentos são os mais importantes. Uma vez selecionados, só temos que deixar a imaginação voar para descrever um futuro no qual esses fatores mudarão.

Por exemplo, entre as séries do momento temos The Man in the High Castle, que retrata um acontecimento com força impulsora: a morte do ex-presidente norte-americano Franklin D. Roosevelt. Agora, só falta decidir qual evento mudará o futuro de forma tão drástica.