Como posso me conectar melhor com as pessoas?

outubro 5, 2019
A conexão humana não requer mágica ou truques, exige honestidade e a capacidade de nos darmos ao outro a partir da simplicidade, do equilíbrio emocional e da empatia que nos faz olhar para os demais com interesse para ler suas necessidades e virtudes.

Do que precisamos para nos conectar melhor com as pessoas? O que devemos fazer para criar impacto, emocionar e deixar aquela marca indelével com a qual se constrói relacionamentos duradouros?

Em algum momento de nossas vidas, todos nós já desejamos decifrar esse mistério que envolve as relações humanas, esse enigma que configura a psicologia da conexão e que tanto nos fascina.

Podemos nos perguntar o que realmente significa “conectar”, porque, se procurarmos no dicionário por esse termo, encontraremos definições como: “colocar duas coisas em contato (dispositivos, sistemas) para que seja gerada uma reação ou algum tipo de comunicação entre elas”.

É claro que as pessoas não são máquinas, mas, curiosamente, nosso cérebro apresenta uma atividade elétrica.

O ser humano se conecta através da emoção. Cada um de nós, como diria Carl Jung, reage e se transforma quando nos conectamos com determinadas pessoas que nos estimulam. 

Nossos relacionamentos, portanto, são o resultado de um mecanismo fascinante de reações químicas e elétricas que nos ajudam a criar laços.

O ser humano precisa dessas conexões não apenas para compartilhar espaços, interesses ou objetivos. Existe uma necessidade inerente de socializar, de encontrar figuras de referência que nos forneçam sua amizade, seu afeto, seu apoio incondicional.

Abraham Maslow colocou as necessidades de afiliação no terceiro nível de sua pirâmide, refletindo assim sua importância, sua transcendência em direção à nossa autorrealização.

“Minha esperança era que, com os nossos olhares enredados como estavam, durante aqueles poucos segundos ela conseguiria ler minha expressão do mesmo jeito que eu havia lido a dela. Mas o momento acabou e ela se recolheu em si mesma de novo”.
-Não me abandone jamais (2005), Kazuo Ishiguro-

Chaves eficazes para se conectar melhor com as pessoas

Chaves eficazes para se conectar melhor com as pessoas

Às vezes, iniciamos uma conversa com alguém com a intenção de que gostem de nósna esperança de criar uma conexão positiva que nos permita criar um laço de confiança e afinidade. Fazemos isso quando, por exemplo, alguém nos atrai.

No entanto, também buscamos este fim para fazer amigos ou até conquistar clientes a nível de trabalho, ou para criar boas parcerias com colegas de trabalho a nível empresarial.

A maioria de nós gostaria de dominar perfeitamente essas chaves para se conectar com as pessoas de maneira eficaz. É verdade que, às vezes, essa conexão flui sozinha e espontaneamente. No entanto, essa mágica sutil nem sempre surge por si só.

Em alguns momentos, somos nós que precisamos facilitá-la para quebrar o gelo, para, com habilidades sociais adequadas, fazer funcionar a engrenagem das relações. Vamos refletir, portanto, sobre as estratégias que podem nos ajudar. São as seguintes:

Calma e abertura interna

Sabemos que o nosso cérebro tem uma necessidade inata de se conectar socialmente com aqueles que nos rodeiam.

Estudos como o realizado pelo Dr. Michael Lieberman, da Universidade de Nova York, por exemplo, revelam que a sensação de dor experimentada pelo cérebro ao perceber a solidão pode ser ainda mais intensa do que a experiência de uma pancada ou de uma ferida.

Precisamos interagir e nos relacionar com o nosso entorno para dar forma a laços significativos, mas, como conseguir isso?

Um primeiro passo é entender algo muito simples. Às vezes, concentramos toda a nossa atenção em ser agradáveis ou causar uma boa impressão e esquecemos o nosso estado emocional interno.

Se estamos nervosos ou sentimos ansiedade, projetamos o mesmo para a pessoa à nossa frente. O ideal é partir de um estado de calma e segurança interna. Somente quando estamos bem com nós mesmos podemos nos abrir aos outros para dar o nosso melhor, para cativar e conectar.

Do que precisamos para nos conectar melhor com as pessoas?

Interesse genuíno e autenticidade

Outra chave para se conectar melhor com as pessoas é ser capaz de mostrar um interesse genuíno pelo próximo. Além do que possamos pensar, não é fácil aplicar essa arte social.

Há quem a force excessivamente, dando lugar à falsidade, a uma postura ou a um comportamento que cria mais distância do que proximidade.

Devemos ser autênticos, sinceros, humildes e, acima de tudo, empáticos. A pessoa genuína faz uso do sorriso, de uma comunicação relaxada, respeita as distâncias, escuta e se interessa pelo que ouve para responder em conformidade.

Lembremos que a conexão humana só funcionará se houver honestidade.

A conexão humana só funcionará se houver honestidade

Confiança e pequenas confidências

Uma estratégia ideal para se conectar melhor com as pessoas é ser capaz de estabelecer um cenário baseado na confiança. Uma maneira de conseguir isso é através de uma técnica bem conhecida pelos grandes oradores. Trata-se simplesmente de revelar uma confidência.

Não é necessário nem conveniente colocarmos em voz alta uma intimidade, trata-se de confiar ao outro algo de nós mesmos que desperte a empatia alheia.

Um exemplo disso seriam frases como: “vou contar um segredo, a verdade é que estou muito nervoso”, “algo muito curioso aconteceu comigo há alguns dias atrás…”, “você não vai acreditar, mas quando eu era criança…”

Para concluir, não há um segredo infalível para se conectar melhor com as pessoas. Trata-se apenas de fazer uso de uma ampla gama de estratégias que criam proximidade e bem-estar para que o diálogo flua.

O mais importante de tudo é partir de um bem-estar interno no qual não haja ansiedade, onde a insegurança seja mínima e onde nos limitemos, simplesmente, a desfrutar da interação social. É mais fácil do que imaginamos.

  • Social: why our brains are wired to connect. (2014). Choice Reviews Online51(12), 51-7036-51–7036. https://doi.org/10.5860/choice.51-7036