Como reduzir o preconceito racial desde a infância

O preconceito racial pode ser um obstáculo invisível na construção de um mundo mais justo. Para reduzi-la, é importante reconhecê-lo, promover o diálogo sobre ele e dar o exemplo com nossas decisões.
Como reduzir o preconceito racial desde a infância

Última atualização: 23 junho, 2022

Podemos garantir que somos imparciais ao avaliar outras pessoas? É tentador pensar que nossa forma de ver o mundo é justa e livre de preconceitos, mas existem vieses cognitivos e sociais que se camuflam nos padrões de pensamento e afetam a forma como vemos os outros.

Nosso cérebro adora colocar as informações em categorias para facilitar a tomada de decisões, muitas vezes, quando confrontados com uma pessoa que não conhecemos, colocamos um rótulo e atribuímos uma série de atributos. Qualquer traço pode ser usado como critério para categorizar as pessoas, mas um dos traços mais comuns (e problemáticos) é a raça.

Esses preconceitos são atalhos que ajudam o cérebro a tomar decisões; ou seja, em muitos casos são reforçados, por isso é muito difícil eliminá-los ou controlar sua influência. Para conseguir isso, é melhor começar cedo, então neste artigo compartilharemos informações valiosas para reduzir o preconceito racial desde a infância.

mente com mecanismos
O preconceito racial contribui para a discriminação.

Para começar, o que é preconceito racial?

Um viés é uma tendência a interpretar a informação de uma maneira particular, favorecendo certas conclusões. É um atalho na maneira de pensar, que economiza tempo, mas que assume certas informações não verificadas e as aplica a todos os casos.

O viés racial seria a tendência de atribuir as mesmas características a todos os membros de um segmento da população com base em sua raça. Em geral, tendemos a atribuir traços positivos ao grupo ao qual pertencemos, enquanto atribuímos traços negativos a pessoas de raças diferentes da nossa.

Outra consequência do preconceito racial é que é difícil para nós identificar diferenças individuais em pessoas de um grupo racial diferente do nosso, pois tendemos a considerar que todos compartilham as mesmas características; Ou, dito de outra forma, são todos iguais. O mesmo não acontece com as pessoas do nosso grupo, entre as quais percebemos mais facilmente as diferenças individuais.

Na vida cotidiana, esse tipo de pensamento tendencioso pode nos levar a tomar decisões injustas, desfavorecendo as pessoas apenas porque não compartilham as mesmas características raciais. No campo profissional, o acesso de uma pessoa a um emprego ou a uma promoção pode ser limitado apenas pela cor de sua pele, e pode ser afetado mais radicalmente no campo judicial, onde as decisões tomadas têm impacto na liberdade de expressão, as pessoas e a administração da justiça.

Outra consequência, talvez menos grave, mas também muito importante, é que o preconceito racial nos impede de conhecer as pessoas em sua individualidade, privando-nos de relacionamentos com potencial para nos cultivar e nos ajudar a crescer.

Reduzir o preconceito desde a infância

Se estivermos cientes de como os preconceitos raciais podem ser prejudiciais, é natural que pensemos em como combatê-los na educação, para que as crianças de hoje se tornem adultos conscientes, tolerantes e justos em suas decisões.

Para começar, devemos ter em mente que muito do aprendizado das crianças é baseado no exemplo. Um grande número de comportamentos e padrões de pensamento são aprendidos por imitação; Antes de entender se esses comportamentos são bons ou ruins, eles são assimilados ao vê-los em uma pessoa que atua como um quadro de referência.

Como adultos, ainda aprendemos muitas coisas por imitação (por exemplo, vendo como outra pessoa age em um ambiente desconhecido, como almoçar com talheres que não manuseamos ou usar um novo programa de computador), mas nas crianças essa forma de aprendizagem é muito mais dominante.

Assim, uma primeira maneira de reduzir o preconceito racial na infância é identificar nossos próprios preconceitos e tentar neutralizá-los. Embora nem sempre possam ser completamente evitados, estar ciente de sua existência faz uma grande diferença.

Ainda mais se a partir desse conhecimento pudermos estabelecer um diálogo sincero com os menores, para que eles entendam desde cedo a importância de evitar o preconceito racial e também para que imitem nossos próprios esforços para reduzir sua influência.

A partir da base da consciência do viés, algumas estratégias para o reconhecimento do outro podem ser trabalhadas. Um estudo de 2017 mostrou os benefícios do treinamento de individualização perceptiva em crianças pré-escolares na redução do preconceito racial.

Dentro do estudo, as crianças foram ensinadas a distinguir os rostos de pessoas de um grupo racial diferente, reduzindo a tendência de classificar pessoas de grupos raciais de fora com traços negativos. Os benefícios foram mais estáveis ao fazer o treino com alguma regularidade.

Mulher conversando com seu filho
Pais, professores e cuidadores podem implementar estratégias para reduzir o preconceito racial nas crianças sob seus cuidados.

Que estratégias posso usar?

As informações que analisamos podem nos dar uma ideia de ações específicas que podemos tomar.

  • Se você é pai ou cuidador, pode conversar com seus filhos sobre seus colegas de classe, companheiros de brincadeiras, vizinhos, etc. Pergunte a eles sobre sua opinião sobre eles e identifique as atribuições que podem ser tendenciosas. Promove diferentes pontos de vista e enfatiza os pontos comuns que todos temos, independentemente de nossas características raciais.
  • Se você é professor, crie espaços para que seus alunos compartilhem e favoreçam a identificação das diferenças individuais. Enfatize traços como inteligência, companheirismo, gostos, talentos, entre outros, para que essas sejam as características importantes na hora de se relacionar, acima da cor da pele. Aproveite todas as oportunidades para destacar o valor pessoal de cada aluno.
  • Se você é um modelo social para uma criança, qualquer tipo de modelo, lembre-se de que seu exemplo é fundamental. A responsabilidade não recai apenas sobre os pais e professores. Se uma criança imita o seu exemplo, você também pode reduzir o preconceito racial. Identifique seus padrões tendenciosos e reduza sua influência em seu comportamento; aqueles que o observam farão o mesmo. Use linguagem positiva para se referir aos outros, evite rotular com base na raça e promova a empatia. Quando você vir uma criança fazer julgamentos ou falar com desprezo de outras pessoas por causa de sua cor de pele, convide-a a pensar sobre suas qualidades e seus sentimentos.

Em suma, trata-se de estabelecer padrões de pensamento mais justos e eficazes do que preconceitos raciais. A razão pela qual esses vieses de pensamento existem é que eles são úteis para nossos cérebros. Se conseguirmos desmantelar essa utilidade, pouco a pouco levaremos a um modo de pensar mais empático e a uma sociedade mais justa, na qual nossos semelhantes não são qualificados apenas com base em sua ancestralidade racial.

Pode interessar a você...
6 diferentes formas de discriminação sexista
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
6 diferentes formas de discriminação sexista

Vivemos rodeados por ela. A discriminação sexista ou de gênero é o preconceito, atitude ou desconsideração com o outro, segundo o seu sexo ou gêner...



  • Guerrero, S., Enesco, I., & Lam, V. (2011). Conciencia racial, afecto y habilidades de clasificación. Un estudio con niños de Educación Infantil. Anales de Psicología/Annals of Psychology27(3), 639-646.
  • Qian, M. K., Quinn, P. C., Heyman, G. D., Pascalis, O., Fu, G., & Lee, K. (2019). A long‐term effect of perceptual individuation training on reducing implicit racial bias in preschool children. Child Development90(3), e290-e305.