Crianças superadaptadas: o sofrimento que é recompensado

Se uma criança é muito boa, correta, educada e obediente, é possível que ela apresente um comportamento superadaptado. Neste artigo, contamos a você as implicações dessa ocorrência.
Crianças superadaptadas: o sofrimento que é recompensado

Última atualização: 06 dezembro, 2021

Quando viemos ao mundo, o fazemos como uma folha de papel em branco. É por meio de nossa interação com o meio ambiente, e principalmente com os cuidadores primários, que aprendemos a nos comportar. Na realidade, o objetivo da nossa socialização é que aprendamos a viver em sociedade, que nos adaptemos ao que se espera de nós como seres funcionais. Porém, quando isso ocorre em grau excessivo, aparecem as chamadas crianças superadaptadas.

É muito comum que esses menores não conheçam seu problema até que as consequências na idade adulta sejam muito limitantes. Afinal, são crianças dóceis, com bom rendimento escolar e que não causam problemas aos pais ou professores. Na verdade, eles apresentam todos os comportamentos que são socialmente recompensados; no entanto, isso acontece às custas de seu próprio bem-estar.

Quem são as crianças superadaptadas?

Crianças superadaptadas são o que, à primeira vista, chamaríamos de filhos e alunos-modelo. São crianças que sempre fazem o que se espera delas; não incomodam, não interrompem, obedecem, são boas e responsáveis. Essas características, percebidas como positivas pelos adultos, são na verdade uma bandeira vermelha. E é que a infância é, por natureza, barulhenta, surpreendente e às vezes disruptiva.

Em seu processo de crescimento e construção de identidade, as crianças precisam de espaço e liberdade para serem elas mesmas. Se a criança renunciar à sua autenticidade para se conformar às expectativas dos outros, estará criando uma limitação que terá repercussões psicológicas e emocionais significativas.

Criança triste olhando pela janela

Principais sinais e sintomas

Como já discutimos, a adaptação excessiva geralmente passa despercebida. Portanto, mostramos as principais características desse transtorno para que você possa identificar se seus filhos as cumprem:

  • São bons filhos, excessivamente corretos, educados e respeitosos.
  • Eles são passivos e tendem ao isolamento e a praticar atividades solitárias. Eles geralmente são tímidos, quietos e retraídos.
  • Apresentam bom nível intelectual, amplo vocabulário e bom desempenho acadêmico. Em suas atividades extracurriculares mostram a mesma produtividade e obediência.
  • Eles tendem a suprimir seus sentimentos e emoções para não incomodar seus cuidadores.
  • Eles não se opõem à autoridade nem se rebelam. Pelo contrário, procuram ser filhos perfeitos e se preocupam por cumprir o que deles se espera.

As consequências de crianças superadaptadas

Esse padrão de superadaptação tende a se manter ao longo do tempo e gera consequências importantes. A seguir estão as principais e mais relevantes.

Dificuldades para se relacionar socialmente

Essas crianças desenvolveram um grande medo da rejeição; portanto, elas podem ter grande dificuldade de socialização. É comum que tenham medo de se expor e optem por se isolar e evitar as interações sociais, por se retrair e não tomar a iniciativa.

Por outro lado, a necessidade de agradar constantemente aos outros, sem saber dizer “não” ou estabelecer limites, terá seu preço, principalmente na adolescência e nos primeiros relacionamentos amorosos.

Perfeccionismo e estresse excessivo

É comum que esses filhos sejam muito exigentes consigo mesmos, busquem a perfeição em tudo o que fazem, a ponto de isso os paralisar e gerar altos níveis de estresse. Uma nota ligeiramente inferior, uma crítica ou repreensão de seus pais ou professores podem afetá-los profundamente.

Passividade e dependência

Quando não foi permitido a uma criança desenvolver sua personalidade adequadamente, ela se acostuma a agir de acordo com as expectativas e demandas dos outros. Isso significa que quando ela tem que tomar decisões ou assumir o controle de si mesmo, ela não sabe como fazê-lo. Assim ela poderia se tornar uma pessoa dependente.

Doenças psicossomáticas

As emoções e impulsos reprimidos acabam se manifestando por meio do corpo, pois não podem ser canalizados por canais naturais. Assim, é comum que sofram de cefaleias sem causa aparente, problemas gastrointestinais ou dermatológicos.

Causas da superadaptação em crianças

Em vista das consequências acima, questiona-se qual é a causa dessa superadaptação para evitá-la. Geralmente, essa tendência é o resultado do medo da criança de perder o amor de seus pais. Lembremos que na infância somos totalmente dependentes dos adultos sob nossos cuidados e que irritá-los pode realmente parecer um risco para a sobrevivência.

Assim, a superadaptação geralmente surge quando os pais acreditam que o filho deve realizar suas aspirações e desejos, em vez de entender que são eles que são responsáveis por fomentar o desenvolvimento de um ser individual ao seu cuidado.

Estas crianças, pela exigente dinâmica familiar ou pelos encargos que lhes foram colocados, tiveram que se comportar como adultas antes do tempo, não lhes foi permitido ser, escolher, expressar a sua opinião e expressar-se livremente. Elas tiveram que se adaptar demais como um mecanismo de defesa para funcionar, pois o que se esperava delas era simplesmente obediência.

Criança abraçando a mãe

O que podemos fazer?

Se um comportamento de superadaptação for detectado em uma criança, a intervenção será direcionada principalmente aos pais. Se deve modificar o estilo dos pais e permitir e estimular o desenvolvimento da personalidade e da identidade da criança. No entanto, é comum que esse padrão não seja detectado até a idade adulta. Se este é o seu caso e você se sente identificado, é importante que comece a se permitir, a partir de agora, essa autenticidade.

Será importante desaprender o que aprendeu e começar a se conhecer, a identificar seus próprios desejos, os limites que deseja estabelecer, as emoções que precisam ser expressas e a descobrir essa identidade que continua escondida.

Começar a viver em seus próprios termos será difícil, mas também libertador. Não hesite em procurar ajuda profissional para realizar esta transformação, se libertar e permitir-se ser quem é.

Pode interessar a você...
Como sobreviver à desaprovação dos pais?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Como sobreviver à desaprovação dos pais?

Para sobreviver à desaprovação de nossos pais, somos forçados a reinterpretar certas narrativas internas e restaurar a autoestima.



  • Hidalgo, M. C. (2006). Sobreadaptacion y enfermedad psicosomática (Bachelor’s thesis, Universidad del Azuay).
  • Segoviano, M. (2000). El trastorno vincular sobreadaptativo. Psicoanalisis de las configuraciones vinculares: revista de la Asociación Argentina de Psicología y Psicoterapia de Grupo, 157-178.
  • Quezada Quezada, J. D. (2005). Influencia del vínculo madre-hijo en los pacientes psicosomáticos sobreadaptados (Bachelor’s thesis, Universidad del Azuay).