Culpa Depressiva e Culpa Persecutória

A culpa é um nó emocional que nem sempre é fácil de desfazer. Uma má estratégia para resolvê-lo pode fazer com que mais nós sejam feitos em torno dele, complicando ainda mais o processo.
Culpa Depressiva e Culpa Persecutória

Última atualização: 02 agosto, 2022

A culpa é um sentimento complexo que se expressa de muitas maneiras diferentes. Duas dessas manifestações são a culpa depressiva e a culpa persecutória, que têm suas respectivas modalidades neuróticas.

Tanto uma como outra são formas de culpa que implicam desconforto. A partir de uma corrente psicanalítica, os conceitos de culpa depressiva e culpa persecutória foram primeiramente analisados por Melanie Klein, sob o ponto de vista da angústia. E mais tarde, minuciosamente desenvolvido pelo Dr. León Grinberg.

Ambos os autores reconhecem a complexidade que pode envolver a culpa. É um sentimento que muitas vezes envolve aspectos inconscientes muito profundos; também é comum que não seja reconhecida conscientemente, mas se manifesta por meio de comportamentos autopunitivos ou percepções de indignidade pessoal.

“O crime real não seria a causa da culpa, mas sim o seu resultado.”

-EU. Grinberg-

culpa

O conceito de culpa

Do ponto de vista da psicanálise, a culpa é abordada como um estado afetivo e como um sentimento. Como estado afetivo, surge quando se realiza um ato, ou se tem uma fantasia , que gera autocensura ou remorso em uma pessoa. Esse seria o caso típico ou clássico.

É considerado um sentimento quando não há arrependimento como tal, mas sim a culpa torna-se uma percepção de si mesmo como um ser indigno. Isso se traduz em comportamentos que levam ao fracasso ou ao sofrimento, repetidas vezes, sem que o sujeito perceba que se sente culpado.

Quem tem sentimento de culpa desenvolve também a necessidade de punição, que acaba se materializando em eventos que levam a ela. Eles também tendem a desenvolver extrema severidade consigo mesmos, o que se manifesta em um contínuo apontar ou reprovar tudo o que fazem, dizem ou pensam.

Culpa depressiva

A culpa depressiva caracteriza-se pela fantasia de ter ferido um objeto amado; essa fantasia nasce do fato de você ter sentimentos destrutivos inconscientes em relação a esse objeto. Melanie Klein aponta que esse tipo de culpa tem sua origem na relação primitiva entre mãe e filho.

O menino ama sua mãe, mas também quer privá-la de tudo o que ela pode lhe dar. O conflito pode ser resolvido de forma adequada ou perpetuado ao longo do tempo. Se a culpa estiver instalada, haverá um desejo contínuo de oferecer reparação por aquele dano imaginário que foi realizado.

Na culpa depressiva há medo de perder o objeto que é amado e diante do qual também surgem sentimentos destrutivos. Para inibir este último, são realizados comportamentos mais amorosos ou simbolicamente sacrificais. É uma forma de compensar esse dano imaginário.

A culpa depressiva torna-se claramente manifesta nos processos de luto. A perda do objeto amado leva a tornar-se especialmente indulgente ou obsequioso com ele. É uma forma de retê-la e pedir perdão por ter tido a fantasia, inconscientemente, de querer que ele desaparecesse.

Homem sentindo culpa pela janela

A culpa persecutória

A culpa persecutória envolve um processo mais complexo. Na depressiva, a destruição do objeto amado era temida e, em certa medida, desejada. No entanto, esse sentimento pode se tornar ainda mais complexo e levar esse objeto a ser visto como ameaçador. Portanto, não apenas existe o risco de perder essa pessoa, mas também é possível que alguém persiga e ataque.

Esse objeto bom agora se torna ruim e então os sentimentos destrutivos que costumavam coexistir com o amor agora ganham força e deslocam ou inibem os sentimentos amorosos. À medida que o outro se torna um perseguidor, os sentimentos destrutivos em relação a ele começam a ser percebidos como plenamente justificáveis.

Um dos mecanismos de defesa que mais frequentemente aparecem na culpa persecutória é a projeção. Isso consiste em atribuir ao outro os sentimentos destrutivos que são vivenciados. Desta forma, o “eu te odeio” é trocado por “você me odeia”. Grinberg aponta que o caso extremo é o comportamento descontrolado que leva ao assassinato ou suicídio, devido ao aumento da destrutividade.

Em uma criança pequena, o amor da mãe é capaz de absorver sentimentos destrutivos e fazer com que a criança supere a culpa. Se isso não acontecer, a culpa depressiva evolui para a culpa persecutória e aí se instala a semente de um transtorno grave, como a psicose ou a perversão.

Pode interessar a você...
A relação entre o luto e a psicose
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A relação entre o luto e a psicose

Embora estas duas condições costumem ser analisadas separadamente, neste artigo vamos explicar qual é a relação entre o luto e a psicose.



  • Grinberg, L. (1963). Sobre dos tipos de culpa: su relación con los aspectos normales y patológicos del duelo. Revista de psicoanálisis, 20(4), 321-332.