Culpar os outros como estratégia

junho 28, 2020
A estratégia de culpar os outros para evitar as responsabilidades e as consequências dos erros nunca é uma boa ideia. No final, isso só leva a relações falsas com os demais, o que cria um obstáculo para o crescimento pessoal.

Geralmente, culpar os outros é algo que as crianças fazem. Isso porque seu desenvolvimento cognitivo e moral as impede de entender a importância de assumir responsabilidade por suas ações. Por isso, elas preferem evitar a punição quando sabem que fizeram algo que não deveriam. Infelizmente, muitos adultos continuam a mostrar esse tipo de comportamento em diferentes situações.

Culpar os outros primeiro se torna um hábito e depois uma estratégia, principalmente nas pessoas com um alto grau de narcisismo ou naquelas sem autonomia. Esse comportamento supõe uma estagnação na evolução dos valores e das emoções. Quem age dessa maneira está sofrendo e, como resultado, faz com que aqueles ao seu redor também sofram.

Comumentehá medo, raiva reprimida e tristeza por trás do padrão de culpar os outros. Enquanto essas pessoas não usarem estratégias mais saudáveis ​​em seus relacionamentos com os outros, esses sentimentos permanecerão e até se tornarão mais intensos. Portanto, esta não é uma estratégia eficaz. Pelo contrário, multiplica as dificuldades.

“Jogar limpo é não culpar os outros pelos nossos erros”.
-Eric Hoffer-

As razões para culpar os outros

As razões para culpar os outros

De um modo geral, existem duas grandes razões pelas quais algumas pessoas escolhem culpar outras como estratégia para lidar com conflitos. A primeira é o narcisismo e a segunda é a falta de autonomia. Você pode pensar que esses dois aspectos são exclusivos, mas não são. De fato, é muito comum encontrá-los juntos.

Também é muito comum uma pessoa desenvolver um narcisismo excessivo como compensação pelo seu sentimento de inferioridade. Assim, cria-se um paradoxo. A pessoa acredita que deve ser amada ou reconhecida, mas não faz o necessário para obter esse amor ou reconhecimento. Apesar disso, fica incomodada por não conseguir. É então que ela decide culpar os outros por tudo o que não consegue.

A segunda razão pela qual essa estratégia é usada é a falta de autonomia. Como acontece com uma criança, há muita dependência da autoridade e medo de punição. Então, elas punem os outros para evitar um momento ruim. No entanto, isso aumenta sua dependência e as impede de desenvolver um senso de responsabilidade.

Por que culpar os outros?

O comportamento de culpar os outros aparentemente gera algum benefício. O primeiro deles é que o ego permanece intacto. Isso acontece porque, ao cometer um erro e reconhecê-lo, você declara implicitamente que é imperfeito e, portanto, nem sempre certo. Para uma pessoa que não tem humildade, essa é uma ferida que seu ego não tolera.

A dificuldade de aceitar erros não é resultado de excesso de amor próprio, mas de uma grande insegurança. Algumas pessoas pensam que cometer um erro tira o seu valor ou questiona suas habilidades ou méritos. Se, por outro lado, a pessoa tem segurança sobre quem é, considera seus erros normais e uma fonte de aprendizado.

Então, há momentos em que a pessoa culpa os outros porque assim evita as consequências de suas ações. Assim, ela não tem que corrigir seus erros. É uma maneira infantil de fugir da responsabilidade e da culpa. Quem age assim está se escondendo de si mesmo e perdendo a oportunidade de aprender com os erros, se fortalecer e crescer.

O que há a perder ao culpar os outros como estratégia?

O que há a perder com essa estratégia?

Quem culpa os outros sistematicamente pelos seus erros, sofrimentos e carências, está causando danos a si mesmo e aos outros. A primeira coisa que esse tipo de pessoa consegue é diminuir a autenticidade e a abertura de um relacionamento. Nessas condições, é muito difícil construir laços saudáveis, e o que se promove são relacionamentos tóxicos.

Um dos aspectos que mais dão valor à vida é justamente construir laços íntimos genuínos com outras pessoas. Estes proporcionam segurança, fortalecem a identidade e nutrem a coragem. Os laços artificiais marcados por manipulação geram apenas a sensação de estar sozinho diante de um mundo ameaçador.

Da mesma forma, quem se recusa a assumir suas responsabilidades também renuncia ao seu crescimento pessoal e a aprender com seus erros. Essa estagnação acaba influenciando as emoções e distorcendo a percepção da realidade. Por fim, acaba apenas alimentando uma postura paranóica e prejudicial.

O antídoto para essa tendência de culpar os outros é a humildade. Ao contrário do que muitos acreditam, aprender a assumir a responsabilidade pelas consequências de suas ações e erros apenas fortalece e promove sua evolução como indivíduo.

Regard, J. (2008). La manipulación: un manual de autodefensa. Grupo Planeta (GBS).